Clique e assine por apenas 5,90/mês

Ferrari Testarossa revolucionou com motor da F1, mas já se tornou clássico

Egresso da Fórmula 1, o motor Ferrari de 12 cilindros opostos encerrou sua carreira nos modelos de rua em grande estilo

Por Felipe Bitu - Atualizado em 9 out 2020, 01h36 - Publicado em 9 out 2020, 08h00
Fernando Pires/Quatro Rodas

Palco de grandes espetáculos, o cabaré Lido da Champs-Élysées foi escolhido para a apresentação do Ferrari Testarossa, na véspera do Salão de Paris de 1984.

Batizado em homenagem ao Ferrari 250 Testa Rossa de 1957, ele manteve o motor central-traseiro com 12 cilindros opostos do antecessor Berlinetta Boxer e surpreendeu pela técnica e estilo.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 8.90

O Testarossa foi o resultado do projeto F110, que teve como objetivo eliminar os principais defeitos do modelo BB 512i. A falta de um porta-malas adequado e o aquecimento do habitáculo causado pelos dutos do radiador dianteiro foram sanados com a adoção de radiadores laterais, devidamente ocultos por aletas longitudinais integradas à carroceria.

Grade dianteira apenas estética. Faróis escamoteáveis foram o hit dos anos 80 Fernando Pires/Quatro Rodas

As laterais eram o ponto de maior destaque no desenho assinado pela equipe de Leonardo Fioravanti no estúdio Pininfarina. O esportivo tinha porte imponente, com 4,48 m de comprimento, 1,97 m de largura e 1,13 m de altura.

O chassi tubular, evolução daquele empregado no BB 512i, foi redimensionado para melhorar o espaço interno sem comprometer a rigidez torcional necessária para conter os 390 cv do motor boxer de 5 litros acoplado ao câmbio manual de cinco marchas.

Foi o primeiro modelo da Ferrari batizado com um nome próprio, em vez de algarismos Fernando Pires/Quatro Rodas

O engenheiro Nicola Materazzi desenvolveu os cabeçotes com quatro válvulas por cilindro e tampas vermelhas que justificavam o nome Testarossa (cabeça vermelha).

Era o motor mais potente já adotado em um automóvel de produção em série, mérito da injeção mecânica Bosch K-Jetronic e da ignição Magneti Marelli Microplex. Ia de 0 a 96 km/h em 5,2 segundos com máxima de 275 km/h.

No acabamento, carpete vermelho e bancos de couro preto. O volante era da grife Momo e no console ficava a clássica grelha na alavanca do câmbio. O motor de 12 cilindros opostos era montado em cima do câmbio Fernando Pires/Quatro Rodas

Mas números não descrevem a sensação de conduzir um esportivo surpreendentemente prático, com espaço interno adequado, ergonomia notável e até ar-condicionado.

As suspensões independentes por braços sobrepostos garantiam comportamento neutro e conforto de rodagem. O peso da direção era compensado pela precisão em altas velocidades. O sistema de freios contava com discos ventilados nas quatro rodas.

Fernando Pires/Quatro Rodas

As unidades destinadas ao mercado europeu recebiam os pneus Michelin TRX: os dianteiros na medida 240/45 e os traseiros na medida 280/45 com aros específicos de 415 milímetros. Demais mercados contavam com pneus Michelin, Bridge-stone ou Goodyear, dianteiros  225/50 VR 16 e traseiros 255/50 VR 16.

Era mais civilizado que o Lamborghini Countach LP5000 QV e menos refinado que o Aston Martin V8 Vantage. O consumo médio de 7 km/l fazia dele um GT racional: o tanque de 115 litros garantia autonomia razoável e a Ferrari ainda oferecia um jogo de seis malas Schedoni, dimensionadas para caber no porta-malas dianteiro e no espaço atrás dos bancos.

Continua após a publicidade
Fernando Pires/Quatro Rodas

A elevada demanda fez o valor do Testarossa disparar: a produção superou a marca das 1.000 unidades anuais em 1987 e, três anos depois, a casa de Maranello fabricava cerca de seis unidades por dia. No total, 7.177 unidades foram produzidas entre 1984 e 1991: um único conversível foi produzido em 1986 para o industrial Gianni Agnelli, presidente honorário da Fiat.

O Testarossa foi sucedido pelo 512 TR em 1992. O estilo foi atualizado com cantos arredondados, grade separada dos faróis e novas rodas aro 18. A injeção Bosch Motronic fez a potência saltar para 428 cv, suficiente para acelerar de 0 a 100 km/h em 4,8 segundos, com máxima de 313 km/h.

Fernando Pires/Quatro Rodas

Foram produzidas 2.261 unidades até 1994. A saga dos motores boxer chegaria ao fim com o F512 M (Modificata). Faróis fixos, lanternas traseiras circulares, potência de 440 cv e novas rodas marcaram a despedida desta última variante, que teve apenas 501 unidades, entre 1994 e 1996.

Foi sucedido pelo 550 Maranello, que marcou o retorno da Ferrari à configuração do V12 dianteiro.

Ficha Técnica

Domínio absoluto de linhas retas, até nas lanternas retangulares Fernando Pires/Quatro Rodas

Ferrari Testarossa 1988

Motor: 12 cilindros opostos; 4,9 litros; 390 cv a 6.300 rpm; 50,1 kgfm a 4.500 rpm

Câmbio: manual, 5 marchas

Carroceria: fechada, 2 portas, 2 lugares

Dimensões: comprimento, 448 cm; largura, 197 cm;  altura, 113 cm; entre-eixos, 255 cm; peso, 1.669 kg

Desempenho: 0 a 96 km/h em 5,2 segundos; velocidade máxima de 275 km/h

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade