Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

EUA: Chrysler e GM vetam eventos políticos em suas fábricas

Plano de resgate às montadoras é tema central das eleições deste ano

Por Rodrigo Furlan Atualizado em 9 nov 2016, 12h01 - Publicado em 27 ago 2012, 18h04
fabricantes

Chrysler e General Motors foram duas das marcas automotivas beneficiadas pelo plano de resgate promovido pelo governo dos Estados Unidos em 2008. Agora, às vésperas de um novo pleito presidencial no país, o assunto volta à tona com força.

Ciente do fato, as duas montadoras anunciaram que não abrirão suas fábricas para nenhum evento político, qualquer que seja o partido envolvido. Feitos individualmente, os anúncios utilizam o mesmo argumento, dizendo que as plantas são locais destinados à produção de automóveis, e não palanques eleitorais.

Barack Obama, candidato à reeleição pelo Partido Democrata, é um fervoroso defensor do plano, afirmando que o pacote salvou algumas fabricantes da falência. Já Mitt Romney, do Partido Republicano, mostra-se contrário à medida, defendendo o apoio do governo para que as montadoras buscassem soluções por elas mesmas para sair da crise.

Continua após a publicidade

Publicidade