Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Como as crises econômicas influenciaram a história do automóvel

Tempos difíceis deixam marcas na história dos automóveis

Por José Rezende Mahar Atualizado em 23 nov 2016, 21h02 - Publicado em 10 Maio 2016, 17h32
Toyota Corolla de primeira geração
A crise do petróleo de 1973 foi um dos fatores para o sucesso mundial do Toyota Corolla

Dependente de altos investimentos e de energia, a indústria automotiva não passa incólume por momentos de crise mundial aguda. Os efeitos não são tão rápidos quanto o sobe-e-desce das bolsas internacionais nas últimas semanas. Nem tão perversos: nas fases mais duras, as montadoras criaram soluções que ainda hoje são vistas nas ruas.

1929 – Crise da Bolsa de Nova York

Chrysler Airflow
Chrysler Airflow lançou moda, mas vendeu pouco

A indústria americana apostou no visual para contornar a queda nas vendas. O Chrysler Airflow, de 1934, lançou o estilo streamline: não foi bem nas lojas, mas virou referência de design. Na Europa, a Fiat lançou em 1936 seu primeiro popular, o 500 Topolino, com apenas 3,21 metros de comprimento. Era o menor automóvel do mundo até então.

Fiat Topolino
Fiat Topolino: o menor do mundo nos anos 30

1939-1945 – Segunda Guerra Mundial

Renault 4CV
Apesar do nome, Renault 4CV tinha 17 cv

A ocupação alemã na França atrasou projetos como o Citroën 2CV. Na Alemanha, veículos simples e baratos como o KdF, o nosso Fusca, faziam parte do projeto de poder do Partido Nazista. Esse modelo foi uma das inspirações para a Renault criar secretamente, ainda durante o conflito, o 4CV, lançado em 1947. O conflito paralisou as montadoras americanas de 1942 a 1946. Na década seguinte, os carros nos EUA refletiam a influência dos modelos europeus vistos pelos soldados.

Chevrolet Corvette 1953
Estilo europeu no Corvette 1953

1956 – Crise do Canal de Suez

Mini Cooper
Mini, resposta ? falta de petróleo
Continua após a publicidade

O fechamento do canal de Suez pelo Egito expôs a dependência de petróleo dos países europeus. Três anos depois, na Inglaterra, nascia o Austin Mini, um carro de tamanho ínfimo para quatro pessoas e baixo consumo, fruto direto da nova preocupação. O Mini firmou o princípio mecânico de quase todos os modelos de massa atuais, com sua tração dianteira e motor transversal.

1973 – Crise do Petróleo

VW Golf
Golf, a visão de carro compacto para os europeus

O embargo dos países árabes produtores de petróleo atingiu em cheio os Estados Unidos. Com a alta dos preços, grandes automóveis, como os muscle cars, perderam espaço para modelos menores – em especial os japoneses, como o Toyota Corolla. O governo impôs limites de consumo às montadoras, uma regra ainda em vigor, e as marcas tiveram de se adaptar. A Chevrolet tentou a sorte com o Citation – um compacto, para os padrões de lá –, que não vingou. Os hatches caíram de vez no gosto dos europeus, superando os sedãs. Surgiram nomes ainda consagrados, como VW Golf e Ford Fiesta.

2000 em diante – Crise de Sustentabilidade

Chevrolet Volt

Apesar de ser um recurso finito, o petróleo vive um período de fartura que fez cair o preço médio do barril. Mesmo assim, o novo século vê o planeta (no caso dos países mais desenvolvidos) investir em uma série de medidas para reduzir os efeitos da poluição causada pela queima de combustíveis fósseis. O Toyota Prius, primeiro veículo híbrido a realmente alcançar marcas de venda consideráveis, foi lançado em 1997 e já está em sua quarta geração. Até mesmo nos Estados Unidos a onda sustentável já se estabeleceu, com modelos como o Chevrolet Volt e a linha Tesla alcançando grande notoriedade.

Tesla Model 3
Model 3, modelo mais acessível que a Tesla acaba de lançar nos EUA
Continua após a publicidade

Publicidade