Clique e assine por apenas 8,90/mês

Clássicos: SUV raiz, Ford Rural era o meio-termo entre Kombi e Bandeirante

Precursora dos SUVs, a Rural tem carisma e qualidades que resistem incólumes à ação do tempo

Por Felipe Bitu - Atualizado em 11 jun 2020, 16h18 - Publicado em 12 jun 2020, 07h00
Em nossa pista, ela atingiu a velocidade de 131 km/h Christian Castanho/Quatro Rodas

Político e diplomata, o gaúcho Oswaldo Aranha defendia a política da boa vizinhança com os Estados Unidos. Foi um dos fundadores da Gastal S.A., empresa carioca que, em 1947, iniciou a distribuição da Willys-Overland no Brasil.

Foi assim que os brasileiros conheceram o Jeep civil e uma de suas variações mais bem-sucedidas: a Rural Willys.

Idealizada por Brooks Stevens, ela surgiu em 1946 como Jeep SW. As primeiras unidades chegaram ao Brasil na década seguinte e em 1958 ela começou a ser produzida pela própria Willys, em São Bernardo do Campo (SP).

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Foi nessa ocasião que surgiu o nome Rural Willys, muito apropriado a um veículo que já lapidava um país predominantemente agrário.

Continua após a publicidade

Com bloco fundido em Taubaté, o BF-161 de seis cilindros em linha foi o primeiro motor movido a gasolina produzido no Brasil, essencial para que a Rural alcançasse um índice de nacionalização próximo de 98%.

As válvulas de escapamento no bloco limitavam o rendimento de seus 2,6 litros: 18,6 kgfm a 2.000 rpm e 90 cv a 4.400 rpm.

A versão de Luxo era para a família Christian Castanho/Quatro Rodas

O desempenho, porém, era apropriado a um utilitário capaz de transportar seis ocupantes mais bagagem. A aceleração de 0 a 100 km/h ficava em 21,5 segundos e a máxima era de 117 km/h.

A direção era lenta e pesada e os freios a tambor, sem assistência. Na suspensão, havia eixos rígidos.

A concepção mecânica parecia mais adequada ao motor diesel Perkins de quatro cilindros e 3,3 litros, mas o elevado nível de ruído e a potência de apenas 70 cv fizeram a Willys reduzir sua oferta.

Continua após a publicidade
Christian Castanho/Quatro Rodas

O sucesso da Rural era devido ao melhor compromisso entre conforto e valentia: ela era mais silenciosa que a Toyota Bandeirante e mais versátil que a VW Kombi.

Em 1964, o sistema elétrico de 6 V foi substituído pelo de 12 V e a Rural recebeu novo padrão de estofamento e novas opções de cores.

O estepe não estorvava no grande porta-malas Christian Castanho/Quatro Rodas

No ano seguinte, a versão 4×2 Luxo adotou suspensão dianteira independente com molas helicoidais, com melhora sensível no conforto e na estabilidade.

O câmbio de três marchas trazia primeira marcha sincronizada e a versão 4×4 agora contava com alavanca do câmbio na coluna de direção e uma única alavanca abaixo do painel para a tração 4×4 e reduzida.

A marca Ford no volante chegou em 1967 Christian Castanho/Quatro Rodas

O arcaico dínamo foi substituído pelo alternador em 1966, mesmo ano em que a Rural começou a ser produzida ao lado do Jeep em Jaboatão dos Guararapes (PE).

Continua após a publicidade

O motor 2600 com dois carburadores é a novidade do modelo 1967, com 19,4 kgfm a 2.000 rpm e 110 cv a 4400 rpm. A 4×2 Luxo recebeu volante e câmbio de quatro marchas do sedã Aero Willys.

Em 1967, a Ford assumiu o controle da Willys e, no ano seguinte, ofereceu o motor de 3 litros do sedã Itamaraty.

Seus 22,3 kgfm a 2.000 rpm e 132 cv a 4.400 rpm deram novo fôlego à Rural, com o tempo de 15,8 segundos de 0 a 100 km/h e máxima de 142,8 km/h, superava a Chevrolet C-1416, sua concorrente mais moderna.

O motor 2.6 do modelo 1972 gerava 90 cv de potência Christian Castanho/Quatro Rodas

O diferencial autoblocante entra para a lista de opcionais em 1969. A publicidade do ano seguinte reforçava a vocação familiar da Rural com a oferta do terceiro banco para mais dois passageiros.

A produção foi transferida para a fábrica paulistana do Ipiranga em 1971 e a versão 4×2 Luxo deixou de ser produzida em 1972, junto com a suspensão dianteira independente.

Continua após a publicidade
Câmbio era manual de quatro marchas Christian Castanho/Quatro Rodas

Os antiquados motores Willys deixaram de ser oferecidos em 1975, dando lugar a um moderno Ford de quatro cilindros, com 2,3 litros e comando de válvulas no cabeçote.

Seus 17 kgfm a 3.000 rpm e 91 cv a 5.000 rpm levavam a Rural de 0 a 100 km/h em 22 segundos e à máxima de 132 km/h.

Em 1977, a produção foi encerrada, totalizando cerca de 182.000 unidades.

Seu carisma e suas virtudes resistem à ação do tempo: a popularidade atual dos SUVs indica que continuamos alinhados com a cultura automotiva dos Estados Unidos.

Ficha Técnica – Ford Rural Luxo 4×2 1972

  • Motor: longitudinal, 6 cilindros em linha, 2.638 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas simples no bloco, alimentação por carburador de corpo simples; 90 cv a 4.400 rpm;18,6 kgfm a 2.000 rpm
  • Câmbio: manual de 4 marchas, tração traseira
  • Dimensões: comprimento, 454,7 cm; largura, 181,9 cm; altura, 183,4 cm; entre-eixos, 265,4 cm; peso, 1.529 kg
  • Rodas e pneus: aço, 7,10 x 15

Edição – Julho de 1970

Acervo/Quatro Rodas

Aceleração: 0 a 100 km/h em 25,5 s
Velocidade máxima: 131 km/h
Consumo médio: 7 km/l
Preço: Cr$ 20.946 (Modelo Luxo 1972); R$ 99.834 (atualizado IGP-DI/FGV)

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Publicidade