Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Bem além da sua vontade

Por Jeremy Clarkson 4 fev 2013, 09h42

Você nunca fará uma curva
 com os pneus traseiros soltando fumaça. Mas é bom saber que
 o M135i é capaz de fazê-lo

Quando compramos um carro realmente rápido, a última coisa que queremos é um carro realmente rápido. Podemos pensar que queremos. Mas não é verdade. A velocidade máxima de um carro importa quando você é uma criança: “O carro do meu pai é mais rápido que o do seu”. E também importa quando você é um adolescente.

Eu comprei um VW Scirocco quando tinha 20 anos porque a revista What Car? disse que ele ia de 0 a 100 km/h um pouquinho mais rápido que o Vauxhall Chevette do meu amigo. Mas, quando você vira adulto, percebe que nunca vai acelerar de 0 a 100 km/h no melhor tempo possível porque: a) as pessoas vão pensar que você é um imbecil; e b) depois de fazer isso você vai precisar de uma embreagem nova. Nem você pode ceder à tentação daquele passatempo dos anos 70 de provar aos outros motoristas que você tem um carro mais rápido que o deles, porque atualmente qualquer carro chega a 200 km/h. Isso significa que tem de passar dos 200 km/h para provar isso, e nessa velocidade você vai perder a carteira de motorista.

Bem, vamos direto ao ponto: se tudo o que você quer de um carro é velocidade, deve comprar um Nissan GT-R. Se você usar seu controle de largada, ele dispara da imobilidade como se tivesse um foguete encaixado na traseira. E ele continua acelerando até que seu medo faça com que você tire o pé do pedal. E ainda nem chegamos ao ponto forte: sua tração nas quatro rodas permite que você faça qualquer curva na velocidade que quiser. Com exceção de alguns carros específicos para track days, o Nissan GT-R é o carro mais rápido que o dinheiro pode comprar. Mas você não comprou um, certo? Porque ele é meio feio. E é um Nissan. E você ficou pensando que seus amigos e vizinhos poderiam rir de você.

Meu colega James May recentemente comprou um carro realmente rápido. É uma Ferrari 458 Italia, que com o vento a favor chega aos 320 km/h. Mas ele nunca vai chegar perto dessa velocidade com ela. Nunca. E, mesmo se ele a levasse para um autódromo – o que é improvável –, seria deixado para trás por um GT-R. Você compra uma Ferrari porque acha que ela o torna interessante, rico e atraente.Você compra uma porque gosta da sensação que ela passa, ou do estilo, ou do estilo do vendedor. Você compra uma porque à noite, quando está escuro e você está se sentindo um inútil, pode dizer para si mesmo: “Mas eu tenho uma Ferrari”. E você vai se sentir melhor. Eu sei. Já passei por isso.

Outro amigo recentemente comprou um Mercedes C 63AMG Black Series. E alguns dias depois me mandou um torpedo dizendo que ele era um pouco assustador quando acelerado a fundo. Eu não saberia dizer, cara. Nunca pisei fundo no meu Black Series, um CLK, porque há uma enorme diferença entre admirar um jacaré que está dormindo e cutucá-lo com uma vara curta.

Continua após a publicidade

Eu tenho um Black por várias razões. Eu gosto das portas sem coluna central. Gosto dos arcos das rodas com aberturas de ventilação. Gosto dos assentos anatômicos. E gosto do barulho que ele faz. Infelizmente, para emitir esse tremendo som, o motor precisa ser muito potente, o que, como subproduto, torna o carro muito rápido. Mas não rápido do mesmo jeito de um GT-R. Você pode usar a velocidade do Nissan. Se tentar usar a velocidade de um Mercedes Black,
você vai encontrar uma árvore.
 Ou um poste. Todo ser humano
na face da Terra gosta da sensação de ter as coisas um pouquinho fora de controle. Empurre 
uma criança bem alto em um
balanço e ela gritará de satisfa
ção. Porém, quando uma criança grande começa a entrar com seu carro em uma curva rápido demais, o som que ela faz tende a mudar um pouco.

O que me leva ao novo BMW Série 1. O M135i, topo de linha, tem recebido ótimas avaliações porque, ao contrário dos hatches de alto desempenho feitos pelos concorrentes, tem tração traseira. Isso significa que você pode “deixar a traseira escorregar nas curvas”. De fato você pode, mas há um preço a pagar por isso. Como o carro tem tração traseira, o grande motor de seis cilindros pode ser montado longitudinalmente. E ele tem um eixo de transmissão passando sob a cabine, e lá atrás, debaixo do porta-malas, há vários componentes que não são necessários em um carro de tração dianteira. Resultado prático: você tem menos espaço interno do que, digamos, em um Ford Focus. Assim, você paga mais para ter menos espaço, simplesmente para ter a capacidade de fazer derrapagens controladas em curvas. Algo que você nunca, jamais fará.

Mas o negócio é outro. Eu tenho um relógio que funciona debaixo d’água a 1 000 metros de profundidade. Minha casa tem encanamentos que podem mandar água fervendo para meu chuveiro. E eu muitas vezes vou a restaurantes que servem comidas tão complexas que estão muito além dos limites do meu paladar estragado pelo cigarro. E, como sabemos, tenho um carro que pode ir 130 km/h mais rápido do que eu jamais andarei. E é isso que dá ao BMW M135i um apelo tão grande.Você nunca fará uma curva com os pneus traseiros soltando fumaça. Mas é bom saber que, se quisesse, poderia.

E também há muitas outras coisas para elogiar no carro. O assento do motorista é soberbamente confortável, o volante é excelente, os controles são impossivelmente germânicos e a posição de pilotar é perfeita. Entre e, não importa o que o tempo tenha feito com seu corpo, você se sentirá imediatamente sintonizado à máquina.

E tem o motor. Para apaziguar aqueles com tendência a encontrar postes, ele é equipado com um turbo composto – significa que, depois de um mínimo de turbo lag, vem um fluxo sem fim de potência grave e tempestuosa. No mundo real, onde existem outros motoristas, postes e policiais de trânsito, este carro é tão rápido quanto você jamais vai querer. E, como ele tem tração traseira, as rodas da frente não precisam assumir múltiplas funções. Elas só têm de se preocupar com a direção, o que faz com que o carro passe a sensação de equilíbrio. Ele é fantástico – tão bom quanto o Mercedes A 250 AMG que eu testei recentemente era ruim. E ainda tem mais. Embora tenha um visual melhor que o de seu antecessor – que tinha a aparência de uma van de padeiro –, ele ainda não é exatamente lindo. Mas, ao contrário dos seus rivais, ele não tem firulas visuais. Como todos os BMW modernos, é discreto e de bom gosto. Sim, os concorrentes têm maior espaço interno, mas é coisa de alguns centímetros aqui e um pouquinho acolá. Se você gosta de carros e realmente adora dirigir, é um preço que vale a pena pagar.

Mas tem uma coisa. Eu realmente gostaria que a BMW reservasse a designação M para carros cujo motor vem da divisão esportiva da marca, em vez de colocá-la em qualquer modelo que seja um pouquinho mais rápido que o usual. O M135i pode ter um M decorando a traseira. Mas, se você olhar o carro por baixo, verá que não há um diferencial de deslizamento limitado. Por isso, não dá para dizer que seja realmente um modelo M. A não ser que o M aqui signifique Marketing.

 

Continua após a publicidade

Publicidade