Austin FX4

Entre pubs e parques, o modelo atendeu gerações de londrinos numa carreira que durou quase 40 anos

Austin FX4 De 1958 a 1997, essa foi a cara dos táxis em Londres

De 1958 a 1997, essa foi a cara dos táxis em Londres  (/)

Referência cultural e financeira da Europa, Londres é conhecida por ícones como o Big Ben, as cabines telefônicas vermelhas, o metrô e os ônibus de dois andares. Mas para quem gosta de carro não há símbolo maior que os tradicionais táxis pretos, que por décadas foram representados pelo Austin FX4.

Desenvolvido em parceria com a empresa de táxi Mann & Overton, ele foi lançado em 1958, sucedendo o FX3. As especificações atendiam às regras estabelecidas desde 1906 pelo Escritório de Carruagens Públicas (subordinado ao Departamento de Polícia de Londres) e incluía a largura da porta, altura do assoalho e o diâmetro de giro máximo de 7,6 metros. A carroceria vinha da Carbodies e diferenciava-se do FX3 pelas quatro portas: a bagagem dos passageiros viajava ao lado do motorista e não mais em um compartimento exposto. As portas traseiras tinham abertura invertida (suicida) e o teto elevado permitia que os passageiros continuassem utilizando suas cartolas.

Austin FX4 Teto alto para o passageiro não precisar tirar a cartola

Teto alto para o passageiro não precisar tirar a cartola  (/)

Para baixar o custo de produção, suspensões e componentes internos eram herdados do sedã executivo Austin Westminster. Os reparos também eram barateados pelas portas e pelos para-lamas parafusados, que reduziam o tempo de mão de obra. O bom padrão de qualidade era garantido pela produção em baixa escala.

Novidade era o câmbio automático Borg Warner, acoplado ao motor 2.2 diesel com só 55 cv: os turistas desfrutavam de um passeio lento e suave. Atendendo a pedidos dos taxistas, uma transmissão manual foi adotada em 1961, mas permaneciam as críticas à falta de espaço para o condutor e a falta de revestimento acústico.

Apesar do maior custo operacional, um 2.2 a gasolina foi oferecido em 1962. Com 68 cv, era o favorito dos taxistas que circulavam em estradas ou faziam corridas regulares até o aeroporto de Heathrow. Reestilizado em 1968, o FX4 recebeu novas lanternas e, enfim, isolamento acústico na cabine, 4 polegadas maior.

Austin FX4 O terceiro espelho do lado esquerdo (oposto ao motorista) ajudava no trânsito

O terceiro espelho do lado esquerdo (oposto ao motorista) ajudava no trânsito  (/)

Para cortar custos, a Austin cedeu a produção do chassi à Carbodies em 1971, mesmo ano em que o FX4 recebeu um motor 2.5 de 61 cv. Reformulado, o FX4 atravessou os anos 70 sendo aprovado em testes de impacto, recebendo freios assistidos e conquistando novos mercados. Em 1982, a Carbodies adquiriu os direitos de fabricação e o rebatizou como FX4R. Trazia motor Land Rover 2.3 (também com 61 cv), câmbio manual de cinco marchas e direção hidráulica, mas as vendas despencaram quando o motor apresentou problema de lubrificação devido ao uso profissional, como longos períodos parado no trânsito, em marcha lenta.

Para não perder ainda mais clientes, a Carbodies começou a remanufaturar antigos FX4: chassis usados recebiam uma carroceria nova e motores Austin importados da Índia. É o caso deste exemplar de 1966, que se encontra aos cuidados do restaurador Pedro José de Souza Neto, da PJS Restaurações Especiais.

Austin FX4 Apesar de ser 1966, este FX4 recebeu novo interior nos anos 80, prática comum na época

Apesar de ser 1966, este FX4 recebeu novo interior nos anos 80, prática comum na época  (/)

Em 1984, a Carbodies passou a se chamar London Taxis International e o problemático motor foi substituído por um 2.5 também da Land Rover, de 68 cv. Rebatizado FX4S, foi sucedido pelo FX4S-Plus (para até cinco passageiros), pelo FX4W (adaptado para cadeirantes) e pelo Fairway, com motor Nissan 2.7 de 79 cv. Freios a disco vieram só em 1992.

O último FX4 deixou a linha em 1º de outubro de 1997, após 39 anos de serviços. Foi substituído pelo TX I, que segue os mesmos passos: está em sua quarta geração e já prepara a chegada de versões híbridas e elétricas, que em breve irão rodar nas duas margens do Rio Tâmisa.

 

FICHA TÉCNICA
Motor diesel, 4 cilindros em linha de 2,2 litros
Potência 55 cv a 2.800 rpm
Torque 12,3 mkgf a 3.500 rpm
Câmbio automático de três marchas
Dimensões 458 cm (comprimento); 177 cm (altura); 174 cm (largura); 281 cm (entre-eixos)
Peso 1.600 kg
Velocidade máxima 95 km/h
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s