Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Problema no motor E.torQ 1.8

Donos reclamam de avarias no motor da Fiat

Por Antonio Pimentel Atualizado em 22 abr 2021, 16h55 - Publicado em 15 out 2013, 02h07

auto-defesa auto-defesa

O motor E.torQ 1.8, da Fiat, foi apresentado em 2010 cheio de moral. O uso de corrente em vez de correia para o comando de válvulas era uma garantia de maior durabilidade. Para alguns proprietários de Fiat, porém, não foi essa a impressão que ficou.

É o caso do empresário Vincenzo Bianco Montesano Simone, de São Paulo, que teve duas quebras do motor em carros diferentes na sua família, ambos com picapes Fiat Strada Adventure CD. “Estava dirigindo quando começou a fazer um tec-tec, que aumentava conforme eu acelerava. Até que a picape quebrou no dia em que a garantia vencia. Tive que levá-la ao meu mecânico de confiança, que descobriu pistões quebrados”, diz.

A visita ao mecânico, aos 30 000 km, que custou cerca de 4 000 reais, se repetiu aos 60 000 e aos 90 000 km. “Somando tudo, meu prejuízo ficou em 10 000 reais”, diz. Não bastasse isso, a Strada do seu pai sofreu o mesmo mal e também não teve o conserto realizado em garantia.

Algo que o engenheiro agrônomo José Machado de Assunção Neto, de Vilhena (RO), conseguiu depois de muita cobrança. “Com apenas 2 700 km, o motor começou a fazer barulho e eu parei o carro. Na autorizada, detectaram que a cabeça de um dos pistões havia quebrado e ainda afetou o cabeçote. Dois meses depois, apareceu o mesmo problema: quebra de pistão. Quando deu defeito de novo, eu me cansei. Após muita reclamação, a Fiat me mandou um motor novo, que foi trocado e nunca mais deu defeito”, diz Neto.

Além de quebras, alguns proprietários reclamam de falhas dos motores E.torQ, como o advogado Rogério Romanin, de Araras (SP), dono de um Bravo 1.8. “Meu carro ficou 28 dias na concessionária e os vários engenheiros que analisaram o caso não encontraram a solução. Desde o primeiro dia, quando está frio, o motor fica pipocando até morrer e, quando quente, afoga nas acelerações.”

O POVO RECLAMA

“Com 30 000 km, o motor estourou pela primeira vez e, antes dos 40 000 km, estourou novamente.”

Continua após a publicidade

Ricardo Leister de Godoy, empresário, Leme (SP), dono de uma Strada Adventure 1.8

“Meu carro fundiu o motor com 7 500 km, após cinco meses de uso e 17 entradas em concessionária.”

Luiz Cezar de Macedo Braga, mecânico, Taguatinga (DF), dono de um Bravo 1.8

RESPOSTA

A Fiat diz que só conhecia um dos casos apurados, que já teria sido resolvido pela garantia. Ela afirma ainda que “não tem conhecimento de nenhuma quebra sistêmica ou problema crônico nas famílias de motores E.torQ”.

CONTE-NOS SEU PROBLEMA

Seu carro tem algum defeito de fabricação ou de projeto que o deixa irritado? Ouviu falar de problema que mereça um recall? Passou por uma situação em que seus direitos de consumidor foram violados? Então escreva para nós: 4rodas.abril@abril.com.br

Continua após a publicidade

Publicidade