Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como motores de ciclo Miller ficam mais econômicos que os de ciclo Otto?

Pequenas mudanças no tempo de abertura das válvulas do motor podem reduzir bastante as perdas mecânicas e o consumo

Por Leonardo Barboza Atualizado em 17 Maio 2022, 09h41 - Publicado em 17 Maio 2022, 07h10
Por que motores de ciclo Miller são mais econômicos que os motores de ciclo Otto?

Luís Alfredo, São Paulo (SP)

Em primeiro lugar, é necessário dizer que, para operar no ciclo Miller, o motor precisa ter pelo menos um comando de válvulas variável na admissão, que permite escolher o início e o fim do momento de abertura da admissão do motor.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Dito isso, de acordo com o engenheiro Erwin Franieck, do instituto SAE4Mobility, o ciclo Miller é mais econômico porque a maior perda de eficiência de um motor a combustão vem da necessidade da admissão de ar com o acelerador só um pouco acionado.

Continua após a publicidade

Ou seja, o vácuo no coletor de admissão gera grande dificuldade para o pistão fazer a sucção do ar. “Para evitar esse esforço e reduzir o gasto de energia, em vez de manter a borboleta mais fechada, pode-se abri-la, reduzindo o vácuo na sucção”, diz o engenheiro.

“E, quando o pistão voltar a subir para comprimir, mantém-se a válvula de admissão aberta, de forma que o ar novo que entrou a mais possa ser expelido para o coletor de admissão até chegar à mesma quantidade calculada para a queima, fechando-se então a válvula de admissão, injetando o combustível exato e fazendo a queima com esforço reduzido.”

Compartilhe essa matéria via:

Há uma perda de potência e torque em relação aos motores de ciclo Otto. Por isso, ou os motores simulam o ciclo Miller em alguns momentos (por meio do comando de válvulas variável) ou compensam a perda com um turbo ou um motor elétrico (híbridos). 

Ao reduzir a quantidade de ar admitida, torna-se necessário menos combustível para se obter a queima perfeita, enquanto o turbo ajuda a reduzir a perda de potência decorrente da menor massa da mistura ar-combustível.

O motor a gasolina do Toyota Corolla Hybrid é um 1.8 que rende modestos 101 cv e 14,2 mkgf de torque, números que seriam poucos até mesmo para um 1.4. No caso do Fusion Hybrid, seu 2.0 gera 143 cv e 18 mkgf de torque, enquando o antigo 2.0 Duratec tinha 148 cv e 19,5 mkgf com ciclo Otto. Em ambos os exemplos, a potência inferior do motor à combustão é equilibrada pela força do motor elétrico.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)