Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Por que o Chevrolet Onix vende tanto?

Compacto será líder de vendas pelo terceiro ano consecutivo. Listamos possíveis razões para tanto sucesso

Por Henrique Rodriguez Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 9 jan 2018, 18h26 - Publicado em 4 dez 2017, 19h15
Retrovisores e teto são pintados de preto
Projeto GEM deve dar origem ao sucessor do Onix – e mais oito modelos (Leo Sposito/Quatro Rodas)

O Chevrolet Onix é um fenômeno. O compacto fabricado em Gravataí (RS) teminará 2017 como o carro mais vendido do Brasil pelo terceiro ano seguido.

Em novembro, foram 18.611 emplacamentos: seu melhor mês desde o lançamento, em outubro de 2012.

Ainda foi o único carro que conseguiu superar a marca de 100.000 unidades emplacadas entre janeiro e novembro. E por muito: foram 171.148 unidades no acumulado, contra as 96.769 do Hyundai HB20, o segundo colocado.

Tudo isso, mesmo após ter sido reprovado nos testes de colisão do Latin NCAP.

Continua após a publicidade
Onix recebeu nota zero do Latin NCAP (Latin NCAP/Divulgação)

Mas o que será que fez o Onix desbancar modelos consagrados, como Volkswagen Gol e Fiat Palio, e permanecer no posto mais desejado da indústria automotiva? Tentaremos descobrir.

Nem bom, nem ruim

Destaque para as rodas aro 15 na cor cinza
Apesar do visual incrementado, o Onix Effect não tem desempenho além do aceitável (Leo Sposito/Quatro Rodas)

Mesmo com cinco anos de lançado, o projeto do Onix ainda se mostra atual. O design, atualizado em 2016, é atual, o acabamento é correto e o espaço interno é razoável. A suspensão é bem acertada e transmite robustez característica dos Chevrolet. Mas não dá para dizer que o Onix é o melhor de seu segmento nestes aspectos.

Continua após a publicidade

Posição de dirigir

banco do chevrolet Onix
Mesmo na regulagem mais baixa o banco do motorista fica alto (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Onix não é um carro alto, mas dá essa impressão a quem senta nos bancos da frente. Os bancos dianteiros são altos – mesmo na regulagem mínima – e o painel é baixo e recuado.

É algo que, quase de forma subliminar, dá sensação de poder e ajuda a preservar o espaço para as pernas de quem vai no banco de trás. Só é ruim para os mais altos: o espelho interno fica na linha de visão e dificulta a visibilidade de placas e semáforos.

O hatch se beneficia por compartilhar a plataforma com a GSV (Spin, Cobalt, Prisma e do falecido Sonic), o que lhe dá uma vantagem de construção.

Continua após a publicidade

Nem muito, nem tão pouco

O motor 1.4 conta com até 106 cv
O motor 1.4 rende até 106 cv – 1 cv a mais que o Up! 1.0 TSI (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Os motores 1.0 8V de 80 cv e 1.4 8V de 106 cv do Onix não são novos, mas receberam atualizações junto da reestilização. Não têm os melhores números de potência e torque, mas entregam desempenho honesto, bons números de consumo e têm boa fama nas oficinas.

De acordo com os testes da QUATRO RODAS, o motor 1-litro fez 10,6 km/l na cidade e 15,4 km/l na estrada, e precisou de 14,6 s para chegar aos 100 km/h. O 1.4 marcou 11 e 14,2 km/l nos mesmos regimes e abastecido com gasolina. Seu tempo de 0 a 1oo km/h foi de 12 s. 

Bons câmbios

Alavanca do câmbio do Chevrolet Onix seis marchas
Chevrolet Onix têm câmbio manual de seis marchas com os motores 1.0 e 1.4 (Divulgação/Chevrolet)

No primeiro semestre, as versões 1.0 do Onix responderam por 60% nas vendas. Destes, 56,3% eram da versão Joy, que mantém o visual antigo do Onix. Se o Onix não tem motor três cilindros, é o único 1.0 com câmbio manual de seis marchas e a marcha extra alivia o motor em regime rodoviário.

Entre as vendas do 1.4, 38% tinham câmbio automático, um número considerável para um compacto. Talvez o segredo esteja no próprio câmbio. É um automático de seis marchas, não quatro como o Toyota Etios, nem automatizado como nos Fiat Argo Drive 1.3, VW Gol Comfortline 1.6 I-Motion ou Renault Sandero Easy´R. Só Hyundai HB20 1.6, Citroën C3 e Peugeot 208 têm câmbio semelhante.

É conectado

Fácil de operar, a central multimídia MyLink traz Apple CarPlay e Android Auto
Fácil de operar, a central multimídia MyLink traz Apple CarPlay e Android Auto (Leo Sposito/Quatro Rodas)

A central MyLink também tem culpa. Disponível desde o lançamento do Onix, ela democratizou as centrais multimídia entre os compactos. No início não tinha funções muito avançadas, mas hoje é compatível com Apple Carplay e Android Auto.

Continua após a publicidade

Hoje o MyLink é mais comum nas versões do hatch do que o computador de bordo. Apenas quem levar para casa as versões LTZ e Activ terá informação de consumo no quadro de instrumentos, mas o MyLink é opcional de R$ 1.400 na versão LT 1.0 e de série nas LT 1.4, LTZ, Activ e Effect.

Amigo do bolso

Chevrolet Onix LTZ 1.4 Eco
Onix é o compacto com melhor valor de revenda (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na edição especial Melhor Compra deste ano, o Chevrolet Onix teve o segundo menor índice de desvalorização entre todos os modelos avaliados. Seus 8,3% de depreciação no primeiro ano só são superados pelos 4,5% do Honda HR-V EX.

Em outras palavras, hoje qualquer outro concorrente direto do Onix perde mais valor no primeiro ano de uso. E se tem uma coisa que o brasileiro detesta é perder dinheiro na hora de vender o carro, principalmente em um momento de crise.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.