Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Crash-test do VW T-Cross mostra: segurança e juízo não fazem mal a ninguém

Visitamos um laboratório de testes de segurança e vimos de perto uma simulação de acidente frontal. Violência do impacto impressiona

Por Paulo Campo Grande
Atualizado em 30 Maio 2019, 15h20 - Publicado em 29 Maio 2019, 07h00
No teste, o T-Cross bateu vindo a 64 km/h contra barreira deformável (Divulgação/Volkswagen)

Estimulada pelo movimento Maio Amarelo, que visa à conscientização para redução de acidentes de trênsito no mundo, a Volkswagen abriu seu laboratório de testes de segurança em São Bernardo do Campo (SP), onde são desenvolvidos e avaliados seus carros.

Os jornalistas convidados passaram um dia inteiro conhecendo como se faz um carro do ponto de vista da segurança, desde o projeto até a linha de produção.

Os airbags inflam em cerca de 30 milesegundos (Divulgação/Volkswagen)

O que mais nos impressionou nessa visita foi ver como as colisões ocorrem de forma assustadoramente violenta e rápida, acompanhadas de um estrondo e com grande poder de destruição de coisas e pessoas.

Os acidentes reproduzidos nos laboratórios seguiram protocolos determinados por normas feitas com base nas estatísticas dos acidentes reais.

A carroceria é projetada para deformar absorvendo assim parte da energia envolvida no impacto (Divulgação/Volkswagen)

O ponto alto do dia foi o crash-test real de uma unidade do recém-lançado SUV T-Cross.

Para esse ensaio, a VW seguiu os critérios determinados pelo instituto Latin NCAP, que prevê o choque frontal parcial, envolvendo 40% da dianteira do veículo, contra uma barreira deformável (padronizada) a 64 km/h.

Continua após a publicidade
A pintura dos dummies serve para se verificar como os airbags tocam nos manequins (Divulgação/Volkswagen)

A colisão durou precisamente 120 milésimos de segundo desde o momento em que o carro toca a barreira até o fim da batida.

Quem piscou nessa hora certamente não viu o choque, mas ainda conseguiu ouvir o forte som do impacto e ver o estrago feito no veículo.

Depois que varreram as peças que se soltaram, cacos de para-choque, grade dianteira e faróis, os engenheiros da VW liberaram o acesso ao carro. Deu dó do T-Cross novinho em folha.

Um veículo classificado com cinco estrelas garante maior nível de segurança a todos os ocupantes (Divulgação/Volkswagen)

Dentro do SUV havia quatro manequins simulando pessoas: dois adultos na frente e duas crianças, uma na cadeirinha e outra sentada, atrás.

Como o T-Cross recebeu cinco estrelas nesse teste, para proteção de adultos e crianças, felizmente, todos se salvaram.

Continua após a publicidade

Por mais que saiba que os dummies são manequins de aço, plástico e cheio de sensores, a gente fica imaginando como seria se fossem pessoas de carne e osso, que mesmo se safando do pior, estariam sofrendo física e emocionalmente.

No banco de trás, as crianças pareciam bem. Já na frente, os bonecos adultos que foram maquiados antes do crash contemplavam seu rosto carimbado nas bolsas dos airbags.

Dummies são bonecos de aço e plástico recheados de sensores e instrumentos que registram os efeitos dos impactos (Divulgação/Volkswagen)

No mínimo, os passageiros da frente sentiram o calor do gás em seus faces. Mas é no mínimo mesmo.

Porque sem a proteção dos airbags, dos cintos de segurança, do volante retrátil, dos pedais desarmáveis e da estrutura deformável do carro, os dummies não estariam mais aqui para contar a história.

Para os testes testes do Latin NCAP são utilizados manequins de 75 kg e 1,75 m de altura, que contemplam a média da população.

Continua após a publicidade

Crianças são representadas por bonecos que simulam indivíduos com idades de 1,5 e 3 anos, com altura e pesos compatíveis.

Este teste simula o choque da cabeça de um pedestre contra o capô do motor (Divulgação/Volkswagen)

Segundo os engenheiros da VW, no entanto, não basta que os carros sejam seguros.

Para reduzir o número de acidentes e de vítimas, é necessário que as vias sejam seguras (sonho meu…) e as pessoas sejam conscientes e tenham comportamento adequado no trânsito.

No caso do crash-test do T-Cross, os dummies poderiam estar na oficina de reparos agora (ou até na lata do lixo), se viajassem sem cinto de segurança ou com a cadeirinha mal fixada (caso do bebê).

Ou ainda se o motorista estivesse sentado muito próximo ao volante e com as mãos em qualquer posição diferente da correta (imaginando um relógio, com a mão esquerda no 9 e a direita no 3).

Continua após a publicidade

Ou, talvez, se o passageiro da frente estivesse se sentindo na praia e decidisse apoiar os pés no painel, algo muito comum (e perigoso) de se ver nas ruas.

Os airbags laterais (no bancos) e de cortina (no teto) protegem os ocupantes nas colisões laterais (Divulgação/Volkswagen)

De acordo com os especialistas, a força com que as bolsas dos airbags disparam é suficiente para dobrar ao meio essa pessoa que viaja com as pernas apoiadas no painel, jogando as pernas contra a cabeça.

Ou seja: bom comportamento não só diminui os riscos como também reduz as consequências de um acidente quando ele não pode mais ser evitado.

Volante retrátil e pedais desarmáveis ajudam a evitar ferimentos no motorista (Divulgação/Volkswagen)

Além do crash do T-Cross a VW mostrou outros ensaios com deflagração de airbags frontais, laterais e de cortina e reprodução de acidentes com pedestres utilizando equipamentos que simulam partes do corpo humano como pernas, pélvis e cabeça.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.