Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Reforço de imagem

Por Redação 6 nov 2014, 09h00

Por Péricles Malheiros

57 664

Em novembro de 2009, fizemos o exercício de simulação de venda do C4 Pallas e a melhor oferta representava uma desvalorização de 45% em relação ao valor pago pelo modelo zero-quilômetro, 22 meses antes. Depois disso, em julho de 2012, outro francês, o Peugeot 3008, também foi submetido ao balanço da rede, de onde vieram a melhor e a pior proposta, com a indicação de uma desvalorização de, respectivamente, 32% e 56% em relação ao carro novo. Já estávamos preparados para uma tragédia financeira com o 208 de nossa frota, mas…

Passando por proprietário do carro, o repórter visual Eduardo Campilongo visitou três concessionárias Peugeot em São Paulo: Alpes, Paris e Super France. Na primeira, que nos vendeu o carro novo (em agosto de 2013, por R$ 41 920), nenhum comentário sobre a alta quilometragem (quase 60 000 km) e uma oferta de R$ 34 000. Na segunda autorizada visitada, citaram a rodagem avançada e os pneus próximos do fim da vida útil. Ainda assim, repetiram os R$ 34 000 da Alpes. Mas a melhor proposta veio da terceira concessionária, R$ 36 000. “Poderia pagar um pouco mais se o carro não estivesse tão rodado”, disse o vendedor da Super France. No fim da checagem junto à rede Peugeot, o balanço foi muito positivo, com um índice de desvalorização entre 14% e 19%.

Depois de visitar a rede Peugeot, partimos para as concessionárias de outras marcas: a conterrânea Citroën Rivoli e as japonesas Nissan Itavema e Toyota Inter Japan. A Rivoli surpreendeu e fez uma oferta quase tão boa quanto a melhor da Peugeot: R$ 35 000. Na Itavema, o vendedor parou nos R$ 32 000 e, na Inter Japan, em decepcionantes R$ 27 000.

Continua após a publicidade

Para finalizar a pesquisa de mercado do 208, Campilongo foi a duas lojas independentes de veículos novos e usados: “Esse tipo de comerciante diz abertamente que não gosta de ficar com carro francês. Falam que o risco de encalhar na loja é grande, pois o consumidor acredita que as peças são caras”, diz. Nas lojas, os lances foram de R$ 28 000 (M6 Multimarcas) e R$ 27 000 (Nilmag Veículos).

Tanto nas concessionárias como nas lojas, as ofertas foram feitas mediante demonstração do nosso interesse em colocar o 208 de Longa Duração como parte do pagamento de um veículo novo do estabelecimento visitado.

Consumo
No mês: 9,3 km/l com 9,8% de rodagem na cidade
Desde ago/13: 9,1 km/l com 29,7% de rodagem na cidade
Combustível: etanol

Custos no mês
Combustível: R$ 416

Principais ocorrências
7677 km tampa do teto vibra e faz barulho
9618 km buzina com som rouco e abafado
28032 km Perda de eficiência do ar-condicionado
34 196 km Embreagem trepidando nas saídas
39 327 km Chiado nas pastilhas de freio

Continua após a publicidade

Publicidade