Clique e assine com até 75% de desconto

Longa Duração: Toyota Prius usa motor elétrico a seu favor na serra

Criado para a vida urbana, desta vez o Prius foi escalado para uma série de passeios pela região serrana do Rio de Janeiro

Por Péricles Malheiros 17 jul 2018, 17h28
Estrada e serra: como anda o Prius fora de seu hábitat Henrique Rodriguez/Quatro Rodas

Por definição, carros híbridos são concebidos para entregar seu máximo potencial de economia na cidade, onde o anda e para do trânsito pesado faz com que o carro rode prioritariamente no modo elétrico.

Ainda assim, aqui no Longa Duração, o Prius não terá moleza: seguirá sendo testado no mesmo ritmo dos demais carros da frota, ou seja, terá muita estrada em seu currículo.

O repórter Henrique Rodriguez fez uma viagem entre São Paulo e Rio de Janeiro (RJ), o que lhe rendeu um bom aprendizado sobre o comportamento do híbrido na estrada.

Função Freio-motor ativada com apenas um toque Henrique Rodrigues/Quatro Rodas

“No trecho plano, a boa aerodinâmica permite rodar a cerca de 120 km/h apenas com motor elétrico. Basta ser comedido com o pedal do acelerador.

A suspensão filtra muito bem as ondulações do asfalto, mas em trechos sinuosos, como a serra de Petrópolis, o peso do conjunto de baterias instalado sob o assoalho se traduz em uma impressão ao volante fora do convencional.

Os pneus, muito estreitos, cantam com facilidade, mas não há desequilíbrio em um nível que assuste”, conta Henrique.

Continua após a publicidade

O repórter relata ainda que o motor elétrico dá uma boa ajuda no início da subida, mas depois, conforme a bateria perde carga, o Prius se torna mais dependente do motor a gasolina.

Em compensação, os freios regenerativos conseguem recuperar a carga rapidamente em descidas.

Há apenas um inconveniente: o barulho da ventilação forçada da bateria, alojada à direita do banco traseiro, se sobrepõe ao de rolagem dos pneus, comprometendo o conforto acústico na cabine.

Freio- motor: basta um toque no câmbio Henrique Rodrigues/Quatro Rodas

Na descida de serra, Henrique usou a função de freio-motor (modo B), ativada com um breve toque na alavanca de câmbio.

“O funcionamento fica um pouco mais barulhento, mas a capacidade de regeneração de energia a partir da frenagem é ampliada”, diz Henrique.

  • Toyota Prius – 14.556 km

      Consumo

      • No mês: 16,4 km/l com 31,2% de rodagem na cidade
      • Desde fev/18:16,9 km/l com 33,2% de rodagem na cidade
      • Combustível: gasolina
      • Gastos no mês: R$ 815
      • Combustível: R$ 1.538

      Ficha técnica

      • Versão: 1.8 16V Híbrido
      • Motor: 4 cil., diant., transv., 1.798 cm3, 16V, 98 cv a 5.200 rpm, 14,5 mkgf a 3.600 rpm/ elétr., 72 cv, 16,6 mkgf/potência combinada, 123 cv
      • Câmbio: aut., CVT
      • Seguro (perfil QUATRO RODAS): R$ 6.634
      • Revisões (até 60.000 Km): R$ 3.707
      Continua após a publicidade
      Publicidade