Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Lei seca revogada

Por Redação 5 fev 2013, 14h21

Por Péricles Malheiros

02 226 km

Ao retirar cada novo carro de Longa Duração, o discurso é o mesmo: “Pare no primeiro posto e abasteça, pois o tanque está quase a zero”, dizem os vendedores. Também não são raros alguns deslizes que denotam desconhecimento do produto. Em tempos de motores flex, a bobagem que mais se ouve é sobre a necessidade de variar os abastecimentos com etanol e gasolina. “É para não acostumar as peças com um só tipo de combustível”, dizem os técnicos, contrariando a recomendação das próprias fábricas.

Habituado a fazer o parto de cada novo rebento da frota de Longa Duração, o pai da seção, o editor Péricles Malheiros, voltou da concessionária paulistana Caltabiano impressionado. “O vendedor fez a melhor entrega técnica dos últimos anos de Longa Duração”, disse. Além de apresentar cada equipamento da cabine, o funcionário da Caltabiano fez questão de abrir o capô e comentar sobre o fato de o motor ser de alumínio, ter comando de válvulas variável e poder ser abastecido com etanol ou gasolina em qualquer proporção. O profissional deu outros sinais de obediência às regras da fábrica: “O carro vem sem protetor de cárter e não temos ele na lista de acessórios. Mas não recomendo a instalação no mercado paralelo, pois a peça pode gerar ruídos ou até influenciar no fluxo de ar no cofre. Espere até que a fábrica homologue o equipamento e disponibilize na rede”.

Cumprido o rito técnico, o vendedor entregou uma cartela com os preços das revisões e disse: “O Etios tem três anos de garantia. Por favor, nada de manutenção em posto de gasolina. Qualquer dúvida, procure uma autorizada”.

Continua após a publicidade

Vida iniciada, nosso Etios já encarou sua primeira viagem, entre a capital de São Paulo e a interiorana São Pedro. “Achei o Etios mais na mão que oVersa. Mas achei o velocímetro central muito ruim. Distante e em ângulo em relação ao motorista, torna a leitura imprecisa e não imediata”, diz o revisor de texto Renato Bacci, piloto responsável pela estreia rodoviária doToyota.

Consumo

No mês (45,4% na cidade): Etanol – 9,3 km/l

Desde dez/12 (45,4% na cidade): Etanol – 9,3 km/l

As travas são elétricas, mas sem controle remote | Viagem de estreia foi entre São Paulo e São Pedro

Continua após a publicidade

Publicidade