Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Envemo Camper era o Jeep Cherokee brasileiro com peças de Uno e Chevette

SUV com chassi do Engesa, o Camper tinha peças de Opala, Chevette e Uno, mas era luxuoso, confortável e valente em qualquer terreno

Por Fábio Black 3 abr 2021, 16h17
Camper 4X4, da Envemo.
O Camper foi inspirado no Jeep Cherokee, mas os faróis são do Fiat Uno Acervo Quatro Rodas/Quatro Rodas

Por conta da proibição da importação de automóveis, muitas empresas brasileiras se aventuraram em fazer seus próprios projetos. Muitos deles eram tão bons que são venerados até hoje. O Envemo Camper é um deles.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 7,90

Totalmente inspirado no Jeep Cherokee, o Envemo Camper foi apresentado no Salão do automóvel de 1988, mas só chegou às lojas em maio de 1990. Durou até 1995, quando a Envemo entrou em falência. Mas isso não ofuscou suas qualidades, que estavam no DNA.

  • Considerado primo do Engesa 4, por utilizar o mesmo chassi, mas com distância entre eixos aumentada, o Camper tinha atributos importantes. O espaço interno era maior, tinha acabamento e equipamentos dignos dos carros de luxo da época e ainda tinha rodar confortável. Os atributos off-road vinham à tona na hora certa e deixava evidente que o chassi havia sico aprovado para o uso militar.

    Envemo Camper
    Carroceria de fibra sobre o chassi do Engesa 4 fizeram dele um excelente veículo 4×4. Detalhe para a lanterna do Chevette Acervo Quatro Rodas/Quatro Rodas

    Até havia outros carros nacionais que mandavam bem na terra, mas o  Envemo Camper tinha estilo interessante, de um SUV dos anos 2000 e não de um jipe de 10 anos antes. Mas cobrava-se caro por ele: atualizando os valores de 1992, custava o equivalente a R$ 379.251 de hoje. Um Jeep Wrangler novinho custa R$ 419.000. 

    E talvez o Camper tenha sido, de fato, a versão brasileira do Jeep Cherokee, sua musa inspiradora do Camper. E justamente por ser nacional, fazia uma salada com peças de carros comuns: havia diversas peças Chevrolet, como lanternas do Chevette e painel do Opala Diplomata, mas os faróis eram do Fiat Uno. O Envemo Camper tinha versões a gasolina, àlcool e diesel, com tração 4×2 e 4×4.

    Em Abril de 1992 (edição 381), Quatro Rodas testou um carro de produção nacional com atributos e estilo que somente anos depois se tornaria febre mundial: o SUV – Sport Utility Vehicle. Vamos relembrar o teste feito pelo jornalista Douglas Mendonça com a versão Diesel 4×4. Acompanhe na íntegra:

    Envemo, Camper
    Em nossa pista de testes, o Envemo Camper teve bom desempenho Acervo Quatro Rodas/Quatro Rodas

    O LUXO SAI DA ESTRADA
    A Camper 4×4 diesel prova que é capaz de rodar em qualquer terreno com conforto

    Quem procura uma veículo resistente, a diesel, com tração nas quatro rodas e ainda com acabamento luxuoso agora tem uma opção nacional: a Camper 4×4 diesel. Até então, essas características só eram encontradas em modelos importados, a um custo duas vezes maior do que os cerca de 35.000 dólares que a Envemo pretende cobrar.

    Com um estilo totalmente inspirado na Jeep Cherokee norte-americana, essa van tem como ponto forte o chassi e o sistema de suspensão, os mesmos utilizados pela Engesa para atender às rígidas exigências militares. Além, é claro, de equipamentos pouco comuns de serem oferecidos nas versões de série, como direção hidráulica, vidros verdes com para-brisa degradê e pneus radiais 215/80 R16.

    Continua após a publicidade
    Envemo Camper
    Interior luxuoso contemplava todos os opcionais possíveis para a época, emprestados da familia Chevrolet Acervo Quatro Rodas/Quatro Rodas

    O modelo testado ainda possuía outros opcionais recomendáveis num veículo desse porte: ar-condicionado, retrovisores externos de controle elétrico, rodas e pneus especiais de aro 15, faróis auxiliares com tela protetora, toca-fitas, revestimento de bancos em couro, lavador e desembaçador traseiro. Componentes que dão à Camper um nível de conforto inexistente entre os jipes e picapes nacionais.

    O interior é surpreendentemente amplo, pois seu comprimento total – de apenas 4,15 metros – chega a ser menor que o de esportivos, como Mitsubishi 3000GT. O acesso é dificultado pela altura do assoalho ao solo e pela opção por somente duas portas, o que complica o entra-e-sai dos ocupantes do banco traseiro. Os fabricantes, no entanto, já acenam com uma versão quatro portas.

    Envemo Camper

    Depois de se mostrar resistente e confortável, uma van de luxo também precisa ser competente nas estradas. E a Camper não deixou a desejar. Equipada com o motor Maxion S4 – antigo Perkins – de 4 cilindros em linha e injeção direta, cilindros em linha e injeção direta, ela atingiu 131,6 Km/h de velocidade máxima na pista de testes e levou pouco menos de 25 segundos para a aceleração de 0 a 100 km/h.

    Na comparação com um modelo a gasolina, que utiliza o motor 4 cilindros do Opala, a versão diesel foi mais ágil, sendo superada apenas no nível de ruído, com 3,34 decibéis a mais.

    Envemo Camper
    Seus atributos 4×4 foram herdados do Engesa 4 que tem homologação militar Acervo Quatro Rodas/Quatro Rodas

    Para um carro que pesa quase 2 toneladas, a Camper alcançou bons resultados de consumo, com uma média geral de 9,81 km/l. Na estrada, rodando a 100 km/l com sua carga máxima (550 quilos), ela chegou a 10,80 km/l. Vazia, apenas com o motorista, marcou 11,19 km/l. Mesmo no pesado trânsito urbano, embora não seja o veículo ideal, os resultados foram satisfatórios, assim como o desempenho nas frenagens.

    Com uma carroceria bem acabada e em fibra de vidro – o que evita a ferrugem nas regiões litorâneas – , a Camper 4×4 diesel reuniu as condições necessárias para se firmar como uma luxuosa van fora-de-estrada e satisfazer uma fatia de mercado praticamente esquecida pelas montadoras e ainda não ocupada pelas importadoras.

    Envemo Camper
    Inspiração americana de design. Chassi militar, carroceria de fibra e acabamento de luxo Acervo Quatro Rodas/Quatro Rodas

    Teste de desempenho – ENVEMO CAMPER

    • Aceleração
      0 a 100 km/h: 24,79 s.
      0 a 1.000 m: 41,99 s – 122,8 km/h.
    • Velocidade máxima: 131,6 km/h.
    • RETOMADA
      D 40 a 80 km/h (quinta marcha): 16,68 s.
      D 40 a 100 km/h (quinta marcha): 26,54 s.
      D 40 a 120 km/h (quinta marcha): 40,60 s.
    • Frenagens
      60/80/120 km/h – 0 m: 14,7/26,3/58,3 m.
    • Consumo
      Urbano: 8,74 km/l.
      Rodoviário: 11,19 km/l.
    • Nível de ruído
      Ponto morto: 63,0 decibéis
      80 km/h (5º marcha): 78,0 decibéis
      100 km/h (5º marcha): 80,6 decibéis
      120 km/h (5º marcha): 82,6 decibéis
      Média ponderada: 80,34 decibéis
    • Frenagens
      40 – 0 km/h: 7,6 m
      60 – 0 km/h: 17,8 m
      80 – 0 km/h: 31,8 m
      100 – 0 km/h: 49,6 m
      120 – 0 km/h: 71,5 m

    Ficha técnica – Envemo Camper

    Envemo Camper
    Chassi do Envemo 4 tinha homologações militares. Acervo Quatro Rodas/Quatro Rodas
    • Motor: Maxion S4, diesel, dianteiro, longitudinal, 4 cilindros em linha, comando de válvulas lateral, alimentação por injeção direta com bomba injetora rotativa.
      Diâmetro x curso: 100,0 x 127,0 mm
      Cilindrada: 3990 cm3
      Taxa de compressão: 18,5:1
      Potência: 92 cv (67,7 kW), ABNT a 2800 rpm.
      Torque: 28,1 mkgf (275,7 Nm) ABNT a 1600 rpm.
    • Câmbio: Mecânico, tração nas quatro rodas, cinco marchas com a seguinte relação:
      1.ª) 6,89:1
      2.ª) 3,92:1
      3.ª) 2,34:1
      4.ª) 1,49:1
      5.ª) 1,00:1
      Ré: 6,99:1
      Diferencial dianteiro 3,07:1
      Diferencial traseiro 3,07:1
    • Carroceria: em fibra de vidro, laminado com estrutura de aço, dois volumes, duas portas, cinco passageiros: dimensões externas com 415,0 cm de comprimento, 179,0 cm de largura, 173,0 cm de altura.  247,0 cm de distância entre eixos, 149,0 cm de bitola dianteira e traseira.
      Tanque: 90 litros
      Porta-malas: 580 litros
      Carga total: 550 kg
      Peso do carro testado: 1 910 kg
    • Suspensão: Dianteira e traseira com eixo rígido, barras oscilantes transversais e longitudinais, molas helicoidais e longitudinais, molas helicoidais e amortecedores, curso de 260 mm nas suspensões. 
    • Freios: Disco ventilado na dianteira e tambor na traseira, com servo.
    • Direção: hidráulica: volante de 38cm de diâmetro.
    • Rodas e pneus: Rodas de liga leve (opcional) aro 15 x tala de 6 polegadas; pneus radiais 255 x 15.
    • Equipamentos e preço
      De série: direção hidráulica, vidros verdes com pára-brisa degradê, faróis halógenos lavador e limpador do vidro traseiro, retrovisores externos com controle manual interno e pneus radiais 215/80R16.
      Opcionais: ar-condicionado, retrovisores externos com controle elétrico, rodas de liga leve, pneus radiais 255 R15, pintura metálica, vidros elétricos, bagageiro, faróis auxiliares, rádio/toca-fitas, suporte para engate de carreta, guincho elétrico, revestimento dos bancos em tecido ou couro.
    • Preço: 66 300 000 cruzeiros, corrigidos  pelo IGP-M (FGV), custaria em torno de R$ 379.251,85 nos dias de hoje

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    capa 743

      Continua após a publicidade
      Publicidade