Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Comparativo: estreante, Honda City hatch enfrenta o líder Chevrolet Onix

Estreando na versão hatch, o Honda City enfrenta o Chevrolet Onix, que é o líder do segmento por seis anos consecutivos

Por Guilherme Fontana Atualizado em 23 fev 2022, 10h31 - Publicado em 23 fev 2022, 12h00
City x Onix
Modelos de mesmo segmento, mas com propostas diferentes Fernando Pires/Quatro Rodas

Em uma de suas manobras mais arriscadas no Brasil, a Honda decretou o fim do aclamado Fit para colocar, em seu lugar, o inédito City hatch. Conceitualmente, um não tem nada a ver com o outro, a começar pela carroceria monovolume, do Fit, e a hatchback, do City. Assim, a Honda abandona um lugar de tradição e sucesso para embarcar em um segmento nunca antes explorado.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Por aqui, o City hatch chega para brigar com ninguém menos que o carro mais vendido do Brasil por seis anos consecutivos, o Chevrolet Onix, e os coadjuvantes da categoria, Volkswagen Polo e Toyota Yaris (este recém-renovado).

City
City traz visual mais arredondado e personalidade Fernando Pires/Quatro Rodas

Para recepcionar o estreante, convocamos o líder Onix para um comparativo. Polo e Yaris também foram chamados, mas as fábricas não possuíam unidades atualizadas para testes e, por isso, ficaram de fora.

Nivelamos os modelos por preços. O Onix é exatamente o que você vê aqui, na versão Premier II, de R$ 102.340. Já o City considerado é o de entrada, EXL, que custa R$ 114.200. A unidade das imagens é da versão Touring, única disponível para testes e que sai por R$ 122.600

Onix
Onix exibe design de estilo sóbrio e genérico Fernando Pires/Quatro Rodas

As diferenças entre os hatches começam no visual e nas dimensões. Menor, o Onix é dono de uma aparência mais sóbria e discreta, com faróis e lanternas pequenos e traços mais retilíneos. As rodas são de 16 polegadas. Já o City quer chamar atenção com seu formato mais arredondado, e os faróis e lanternas espichados.

Assim como no rival, ele também traz faróis halógenos com projetores, luzes diurnas e lanternas de led, e rodas de 16 polegadas – no Honda, elas são diamantadas e, por isso, parecem menores do que realmente são.

Compartilhe essa matéria via:
City
Espaço traseiro do City é melhor do que no Onix Fernando Pires/Quatro Rodas

Por falar em dimensões, o City é 18 cm maior no comprimento e 5 cm no entre-eixos. Na altura, a diferença é de pouco mais de 2 cm. As medidas mais generosas do City se refletem no espaço interno, especialmente no banco traseiro, que leva ocupantes sem aperto algum. Inclusive, curiosamente, o City hatch é mais espaçoso do que o sedã.

Além disso, ele ainda herda o sistema de modularidade dos bancos do Fit, para tentar não deixar os fãs do modelo desamparados. Entretanto, o porta-malas do Onix é consideravelmente maior, com 303 litros de capacidade, contra 268 l do Honda. É preciso dizer que os ocupantes traseiros do Onix não conseguirão cruzar as pernas, mas também não ficarão apertados.

Onix
No GM os ocupantes têm menos espaço, mas eles também não irão apertados Fernando Pires/Quatro Rodas

Mais do que dimensões, a grande diferença entre os modelos está nos conjuntos mecânicos. Cada um aposta em uma receita própria e cabe ao comprador decidir qual lhe agrada. Lançando mão de mais recursos tecnológicos, o Onix tem motor 1.0 turbo flex de 116 cv de potência e 16,8/16,3 kgfm de torque (etanol/gasolina), sempre com câmbio automático de seis marchas.

Já o City é mais conservador e preferiu não se render ao turbo, mas uma atualização do motor 1.5 aspirado, que passou a ter um novo cabeçote com duplo comando de válvulas variável, injeção direta e tuchos hidráulicos.

City
Porta-malas do City é menor, segundo a fábrica Fernando Pires/Quatro Rodas

Ele ganha em potência em relação ao hatch da GM, com 126 cv, mas perde no torque, com 15,8/15,5 kgfm (etanol/gasolina). Seu câmbio é automático do tipo CVT, com sete marchas simuladas.

Em nossos testes, feitos com gasolina, o Onix se consagrou como dono do melhor desempenho do comparativo. O Chevrolet foi de 0 a 100 km/h em 10,7 segundos, contra os 11,3 segundos obtidos pelo Honda. As retomadas do Onix também foram mais rápidas, com vantagens perto de 1 segundo em cada passagem.

Onix
No Onix, apesar do menor espaço interno, o porta-malas é maior Fernando Pires/Quatro Rodas

No consumo, porém, há maior equilíbrio. Na cidade, o City levou a melhor, com a média de 13,4 km/l, ante 11,8 km/l do Onix. Na estrada, as posições se inverteram, mas com uma superioridade mínima para o Onix. No ciclo rodoviário as médias foram 17,4 km/l para o City, e 17,9 km/l para o Onix.

Além de números, a mecânica de cada um resulta em comportamentos dinâmicos muito diferentes. O Onix apresenta uma ótima vocação urbana por ter uma direção muito leve e ágil no trânsito.

Continua após a publicidade

City
City EXL tem o mesmo motor 1.5, mesmas rodas aro 16 e as mesmas lanternas da versão topo, mas os faróis são halógenos com projetores Fernando Pires/Quatro Rodas

Ele tem boas acelerações, mas que podem se tornar desconfortáveis pela falta de cerimônia do turbo, sempre pronto a prestar seus serviços. Depois de um pequeno intervalo entre o acionamento do pedal e a resposta do motor, o turbo aparece e faz um efeito chicote nos ocupantes. Divertido, porém incômodo.

A suspensão do Onix também pode não ser unânime, já que é mais firme do que a do City e do próprio Onix Plus, a configuração sedã. Por um lado, ajuda em estabilidade e dá uma pegada mais esportiva, mas faz os ocupantes sentirem as imperfeições do solo e ouvirem o trabalho dos amortecedores.

Onix
Onix aposta na modernidade do motor turbo e tem belas rodas. Os faróis são halógenos, mas as lanternas são de led Fernando Pires/Quatro Rodas

No City, o comportamento é inverso. A motorização aspirada preza pela suavidade no funcionamento, principalmente quando unido ao câmbio CVT. As acelerações e retomadas são graduais, apesar do maior nível de ruídos emitidos pela transmissão. A suspensão vai pelo mesmo caminho e foca no conforto dos passageiros, ao contrário do criticado rodar duro das antigas gerações do City.

Buscando equilíbrio

Entrando nos carros fica nítido que o City está um degrau acima do Onix em acabamento. Em relação ao visual, é curioso notar que os modelos trocam de posição quando se trata de ser ousado e conservador. O City adota um estilo mais sóbrio, enquanto o Onix busca ser mais moderninho.

City
Interior do City demonstra que está um degrau acima do Onix em qualidade de acabamento, com visual e materiais mais refinados Fernando Pires/Quatro Rodas

No que diz respeito ao acabamento, o Honda exibe materiais que mostram qualidade superior, mesmo quando são plásticos rígidos. E não há apenas plástico em sua cabine: o painel e as portas recebem revestimento que imita couro, além de apliques prateados e em preto brilhante. O volante também passa sofisticação pelo aro grosso, como em um BMW.

No Chevrolet, os materiais são visivelmente mais simples, com plásticos rígidos e de pior qualidade percebida, mesmo com um aplique central com textura e cor diferente. O apoio de braço nas portas dianteiras recebe material emborrachado que imita couro, assim como os bancos.

CITY
O City é o único com tela digital colorida no quadro de instrumentos, mas a central multimídia tem 8 polegadas, como no concorrente Fernando Pires/Quatro Rodas

Porém, por falar nos bancos, eles são mais estreitos que os do City e têm o encosto embutido, sinal de que a fábrica economizou nesse aspecto, na hora do projeto.

As listas de equipamentos são parecidas. Ambos têm ar-condicionado digital automático, partida do motor por botão, câmera de ré, sensores de estacionamento traseiros, acendimento automático dos faróis, central multimídia com Android Auto e Apple CarPlay sem fio, piloto automático, ESP e seis airbags.

Onix
A cabine tem um visual moderno, mas a maior simplicidade em relação ao City é evidente, mesmo com a faixa central em bege (que também pode ser em cinza) Fernando Pires/Quatro Rodas

A única exclusividade do City está no quadro de instrumentos, que reúne mostrador analógico e tela de 7 polegadas de alta definição, que finalizam o refinamento interno. Porém, o Onix abre vantagem oferecendo itens que não estão presentes nem mesmo na versão mais cara do City, como monitoramento de pontos cegos (no City Touring há apenas a câmera lateral direita), carregador de celulares por indução e assistente de estacionamento automático.

Os sensores de estacionamento dianteiros, estes presentes no City mais caro, também fazem parte do Onix na configuração Premier II.

ONIX
Só o Onix vem com carregador de celular por indução, mas quadro de instrumentos é modesto Fernando Pires/Quatro Rodas

Mais um ponto positivo para o Onix vem dos custos. O valor total das revisões até 60.000 km sai R$ 543 a menos: R$ 4.096, contra R$ 4.639 no City. Para levar os modelos para casa, a diferença é de R$ 12.140.

Enquanto o City hatch foca em maior refinamento visual e de acabamento, espaço para os passageiros e suavidade no funcionamento, o Onix deixa a sofisticação de lado e se esforça para ser mais equipado, ter melhor desempenho e mais espaço para as bagagens.

Além disso, é mais barato. Talvez o City se saia melhor diante de Polo e Yaris, mas, por entregar mais por menos, nas versões consideradas, o Chevrolet Onix ganha o comparativo.

Veredicto

O City enche os olhos por ser mais refinado no visual e na direção. Porém, o Onix entrega mais no desempenho e na lista de itens de série, custando bem menos na compra e na manutenção.

Testes – Quatro Rodas

ONIX CITY
Aceleração 0 – 100 km/h 10,7 s 11,3 s
Aceleração 0 a 1.000 m 32,64 s – 161,2 km/h 32,96 / 163,3 km/h
Velocidade Máxima não divulgada não divulgada
Retomadas
D 40 a 80 km/h 4,5 s 5,4 s
D 60 a 100 km/h 5,3 s 6,6 s
D 80 a 120 km/h 7,3 s 8,2 s
Frenagens
60/80/120 km/h a 0 14,7/26,3/59,1 m 15,2/25,4/64,4 m
Consumo
Urbano 11,8 km/l 13,4 km/l
Rodoviário 17,9 km/l 17,4 km/l
Ruído Interno
Neutro/RPM máx. 38/65 dBA 39,9/74,5 dBA
80/120 km/h 62,9/69,7 dBA 66,1/73,9 dBA
Aferição
Velocidade real a 100 km/h 95 km/h 96 km/h
Rotação do motor a 100 km/h em D 2.100 rpm 1.750 rpm
Volante 2,7 voltas 2,7 voltas
Seu bolso
Preço básico R$ 102.340 R$ 114.200
Concessionárias 553 212
Garantia 3 anos 3 anos
Revisões até 60.000 km  R$ 4.096 R$ 4.639

Condições de teste: alt. 660 m; temp., 31,5/35 °C; umid. relat., 68/44,5%; press., 1.013,5/1.012 mmHg

Ficha Técnica – Chevrolet Onix Premier

Motor: flex, diant., transv., 3 cil., 12V, turbo, injeção indireta, 999 cm³, 116 cv a 6.600 rpm, 16,8/16,3 kgfm (etanol/gasolina) a 2.000 rpm
Câmbio: automático, 6 marchas, tração dianteira
Direção: elétrica Suspensão: McPherson (dianteira) e eixo de torção (traseira)
Freios: disco ventilado (dianteira) e tambor (traseira)
Pneus: 195/55 R16
Peso: 1.118 kg
Dimensões: comprimento, 416,3 cm; largura, 204,4 cm; altura, 147,6 cm; entre-eixos, 255,1 cm; porta-malas, 303 l; tanque de combustível, 44 l

Ficha Técnica – Honda City EXL

City – Motor: flex, diant., transv., 4 cil., 16V, injeção direta, 1.497 cm³, 126 cv a 6.200 rpm, 15,8/15,5 kgfm (etanol/gasolina) a 4.600 rpm
Câmbio: automático CVT, 7 marchas, tração dianteira
Direção: elétrica
Suspensão: McPherson (dianteira) e eixo de torção (traseira)
Freios: disco ventilado (dianteira) e tambor (traseira)
Pneus: 185/55 R16
Peso: 1.177 kg
Dimensões: comprimento, 434,1 cm; largura, 174,8 cm; altura, 149,8 cm; entre-eixos, 260 cm; porta-malas, 268 l; tanque de combustível, 39,5 l

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

A edição 754 de QUATRO RODAS já está nas bancas!
A edição 754 de QUATRO RODAS já está nas bancas! Arte/Quatro Rodas
Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo da QUATRO RODAS! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 14,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

App QUATRO RODAS para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês