Clique e assine com até 75% de desconto

VW vendeu carros não aprovados pelas autoridades na Europa e EUA

Fabricante comercializou veículos chamados pré-série como usados, ato considerado ilegal; presidente da empresa sabia da situação

Por Thais Villaça 13 dez 2018, 16h42
Volkswagen vendeu carros a consumidores que não foram aprovados pelas autoridades Divulgação/Volkswagen

Após o escândalo do Dieselgate, que estourou em 2015, no qual carros da Volkswagen e Audi com motor a diesel eram equipados com um software que mascarava os índices reais de emissões de poluentes, a empresa alemã parece ter se envolvido em nova polêmica.

Segundo o jornal alemão “Handelsblatt”, um executivo da Volkswagen confirmou que a montadora vendeu veículos chamados pré-série – ou seja, utilizados para testes e apresentações antes da produção em massa – como carros usados para consumidores da Europa e dos Estados Unidos.

Modelos pré-série são usados em testes, como os carros camuflados que costuma ser flagrados antes do lançamento Reprodução/Internet

Essa prática é considerada ilegal, uma vez que os carros não foram aprovados pelas autoridades e deveriam ter sido descartados. A empresa anunciou um recall para esses modelos.

Entre 2006 e 2018, a empresa vendeu cerca de 6.700 veículos (4.000 na Alemanha e o restante em outros países da Europa e nos EUA) pré-série, mas documentos internos afirmam que quase 17.000 unidades foram comercializadas nessas condições. Apenas carros da Volkswagen estão envolvidos – a Audi saiu ilesa desta vez, assim como outras marcas do Grupo.

Após o Dieselgate, montadora está envolvida em mais uma polêmica Divulgação/Volkswagen

Para piorar a situação, o atual presidente da montadora, Herbert Diess, já sabia do problema desde julho de 2016, mas a Volkswagen demorou dois anos para informar os clientes e as autoridades de transporte alemãs.

Um porta-voz da empresa afirmou que não há registros de acidentes com os veículos de teste vendidos e que um levantamento está sendo feito para verificar se algum deles poderia apresentar possíveis problemas de segurança.

  • Alguns modelos afetados vão precisar apenas receber uma atualização de software ou novo sistema de navegação para se tornarem compatíveis com os carros de produção, mas outros têm configuração tão diferentes que devem se transformar em sucata.

    Apesar de o número de veículos afetados na polêmica ser relativamente insignificante se comparado aos 11 milhões de carros envolvidos no Dieselgate, esta é mais uma crise a ser enfrentada pela montadora, que já teve sua reputação manchada nos últimos anos.

    Continua após a publicidade
    Publicidade