Clique e assine por apenas 5,90/mês

Volkswagen Jetta pode ganhar novo motor 1.5 TSI mais potente e econômico

Sedã médio terá reestilização em 2021, quando receberá o novo motor turbo com injeção direta e que tem até desativação de cilindros

Por Henrique Rodriguez - 6 out 2020, 13h14

O início iminente da produção do Volkswagen Taos no México pode beneficiar o Jetta, com quem compartilha a fábrica e a mesma variante da plataforma modular MQB. A novidade seria o moderno motor 1.5 TSI, que já é usado pelo Golf na Europa.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 8.90

A informação é do site Roadshow, que questionou o chefe de engenharia da Volkswagen para a América do Norte, Wolfgang Demmelbauer-Ebner, se o sedã médio também receberia o novo motor. A resposta ainda garantiu a reestilização do Jetta: “Teremos um ajuste do seu ciclo de vida no futuro”. 

O novo 1.5 TSI representa a evolução do 1.4 TSI e também faz parte da família EA211. Consegue ser mais econômico e menos poluente, tem mais potência e torque, mas com uma entrega melhor distribuída entre as rotações. Para o Taos, o 1.5 TSI terá 160 cv, contra os 150 cv do Jetta.

O 1.5 TSI justifica o ganho com algumas mudanças. O turbocompressor tem geometria variável, a injeção direta trabalha com pressão ainda mais alta (de 200 para 350 bar) e há um novo sistema que desativa dois cilindros para economizar combustível. A Volks também seguiu a tendência de combinar turbo, ciclo de combustão Miller e alta taxa de compressão.

Continua após a publicidade

Diferente do ciclo Otto, o Miller não fecha as válvulas de admissão quando o pistão chega ao ponto-morto inferior – ele faz isso quando o pistão já está voltando em direção ao cabeçote. Dessa forma, a quantidade de ar admitida é reduzida, diminuindo a necessidade de mais combustível para se obter a queima perfeita.

SUV médio Taos será responsável por estrear o novo motor 1.5 TSI na América do Norte Divulgação/Volkswagen

O ciclo de compressão diminui, gerando menos emissões e consumo melhor. Isso, porém, resulta em perda de potência em um motor com as mesmas características, pois a taxa de compressão diminui. A saída foi elevar a taxa para 12,5:1 – no 1.4 TSI é de 10,5:1 – e aumentar o deslocamento do motor, contrariando a tendência do downsizing.

Não faria sentido para a Volkswagen manter dois motores tão semelhantes no mesmo país. Como o Jetta atual foi lançado em 2018, sua próxima atualização visual é esperada para meados de 2021. O Tiguan, também feito no México, também poderia ganhar o novo motor. Só não dá, ainda, para esperar pelo motor 1.5 TSI no Brasil.

Novo motor 1.5 TSI Evo tem várias tecnologias que logo chegarão aos motores menores da VW Divulgação/Volkswagen

Há dois motivos. O primeiro deles é que o Volkswagen Taos que será vendido no Brasil é fabricado na Argentina e sempre com o motor 1.4 TSI já conhecido e devidamente adaptado para queimar etanol.

Outro ponto é que o Jetta mexicano também chega ao Brasil com motor 1.4 TSI Flex, que é fabricado em São Carlos (SP) e enviado para o México. Trocar o 1.4 pelo 1.5 por aqui não será tão fácil.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade