Clique e assine por apenas 5,90/mês

Velho Chevrolet Cobalt continua vivo no Uzbequistão – e tem fila de espera

Sedã foi lançado na ex-república soviética em 2012 e até já mudou de marca, mas o visual nunca foi atualizado. Agora, retornará para a Rússia

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 20 ago 2020, 10h00 - Publicado em 20 ago 2020, 08h00
Ravon R4, o Chevrolet Cobalt para o Uzbequistão UzAuto/Divulgação

Faz quase um ano que o Chevrolet Cobalt deixou de ser vendido no Brasil. O sedã viu sua faixa de preço ser ocupada pelas versões mais caras do Onix Plus e acabou cedendo seu espaço na fábrica de São Caetano do Sul (SP) para a produção do novo Tracker.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Mas se engana quem pensa que esse movimento marcou a aposentadoria do Cobalt. O sedã compacto de porte avantajado continua em produção em dois países da antiga União Soviética, até é vendido por outra marca e tem fila de espera. A novidade é que ele está retornando ao mercado russo.

Linha de produção da UzAuto em Asaka UzAuto/Divulgação

Tudo começou no Uzbequistão. A produção do Cobalt na cidade de Asaka teve início em 2012, comandada pela GM Uzbekistan – uma joint-venture entre a estatal UzAvtoSanoat (75%) e a General Motors (25%) que chegou a deter 94% das vendas de automóveis novos no país.

Mas em 2015 a joint venture começou a ser desfeita, transformando a empresa na UzAuto Motors, estatal. E já em 2015 os carros trocaram o emblema da Chevrolet por uma nova marca: a Ravon. 

Chevrolet domina nas ruas do Uzbequistão Reprodução/Internet

Desde então, o Chevrolet Cobalt é vendido no Uzbequistão como Ravon R4. Mudaram a marca e a grade, mas o sedã nunca recebeu o visual atualizado lançado por aqui em 2015. O motor, diga-se, sempre foi diferente. Em vez dos 1.4 e 1.8, usa um 1.5 16V a gasolina de 107 cv e 13,7 kgfm, com opção de câmbio manual de cinco marchas ou automático de seis. Os preços começam em 95.768.000 somes usbeques, o equivalente a R$ 51.430.

A linha da Ravon é ainda inclui o hatch R2 (Chevrolet Spark), pelo equivalente a R$ 39.500, e o sedã de entrada Nexia R3 (Daewoo Nexia/Chevrolet Kalos), por R$ 46.900. Todos são modelos da GM descontinuados nos principais mercados da empresa.

Interior é o mesmo que se via no Brasil até cinco anos atrás Reprodução/Internet

Em 2019 a relação entre a estatal UzAuto e a General Motors começou a melhorar. A empresa passou a vender os importados Chevrolet Malibu (R$ 150.000), Tracker (R$ 102.000), Equinox (R$ 140.000) e Trailblazer (R$ 163.000).

Agora volta a vender carros com a gravata dourada na grade, acabando com a Ravon. Ou seja: a grande novidade para 2020 é voltar a vender seus carros com o mesmo visual abandonado cinco anos atrás. 

Continua após a publicidade
Ravon R3, que voltará a ser chamado de Chevrolet Nexia Ravon/Divulgação

Os preços não são ruins, mas vale considerar duas questões. A primeira é que o Comitê Antimonopólio do país proibiu reajuste dos preços feito em março e obrigou a fabricante a devolver valores cobrado a mais. A segunda é que o PIB, geral e per capita, do Uzbequistão é consideravelmente menor que o do Brasil.

Mesmo assim, os carros da Chevrolet e Ravon têm fila de espera.

Para comprar um carro novo, o cidadão uzbeque precisa preencher um formulário online, escolher a configuração do seu carro e aceitar os termos de um contrato. A partir daí, recebe um número de identificação que pode ser usado para acompanhar a evolução da fila eletrônica e descobrir quando será o processo para a finalização da venda em um concessionário. Em média, a espera é de três meses.

Exportação para a Rússia

Parece ter dado certo, tanto que a UzAuto já tem autorização para vender seus carros com a marca Chevrolet na Rússia e Bielorrússia. Mas precisou contornar algumas questões.

Carros fabricados no Uzbequistão e montados no Cazaquistão têm duas plaquetas Reprodução/Internet

Rússia e Cazaquistão têm acordo de livre-comércio. Para se valer disso, a estatal UzAuto Motors usa a Kazakhstani Keles Distribution (KKD), que já importava os Ravon semi-desmontados (SKD) para finalizar no Cazaquistão – onde os vende como Chevrolet – para viabilizar a exportação para a Rússia. Sim, é uma bagunça! 

Cabe a uma subsidiária da KKD, a Keles Rus, vender os Chevrolet Cobalt e Nexia na Rússia e na Bielorrússia.

Para a confusão ser maior, a GM manteve uma pequena operação na Rússia a partir de 2015 para oferecer os enormes SUVs Tahoe e Traverse. Então a Rússia terá duas Chevrolet.

Bem, nós temos Hyundai Motor Brasil e Hyundai Caoa…

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da nova edição de quatro rodas? clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade
Publicidade