Renovado por dentro e por fora, Ford Fusion agora parte de R$ 121.500

Sedã da Ford ganha facelift, mais equipamentos e motor mais potente. Mas o preço também subiu

Ford Fusion Titanium 2.0 AWD Alterações na grade e na parte inferior do para-choques são difíceis de perceber

Alterações na grade e na parte inferior do para-choques são difíceis de perceber  (/)

Líder de vendas entre os sedãs acima dos médios tradicionais, com 2.391 emplacamentos acumulados em 2016, o Ford Fusion ganhou nos últimos meses concorrentes com declaradas pretensões premium, como os novos Honda Civic e Chevrolet Cruze.

Por causa disso, era grande a expectativa a respeito de como a Ford iria posicionar a atualização do modelo, hoje em sua segunda geração. Ele continuará importado do México, e deve começar a ser vendido em outubro.

Além de um facelift que se resume a detalhes visuais (como a grade frontal um pouco alargada, assim como a parte inferior do para-choque, além de um filete cromado na traseira), o carro ganha novidades nos equipamentos e nos motores e uma nova versão intermediária.

Ford Fusion Titanium 2.0 AWD Atrás, um filete cromado agora integra as lanternas

Atrás, um filete cromado agora integra as lanternas  (/)

A versão de entrada SE agora custa R$ 121.500, um aumento de R$ 7.100 sobre a tabela anterior. Ela mantém o motor 2.5 de 173 cv e 24,1 mkgf de torque (com etanol), que segundo a Ford ficou até 7% mais econômico.

A SE já traz de série rodas aro 18, faróis com DRL de leds, central multimídia Sync 3 com Apple CarPlay e Android Auto, oito airbags, cintos de segurança traseiros infláveis, controles de tração e estabilidade, monitoramento da pressão dos pneus, grade frontal com sistema de abertura e fechamento ativo (para melhorar a refrigeração ou a aerodinâmica, conforme a demanda) e o seletor E-shifter, um botão rotativo que substitui a alavanca de câmbio (sempre automático de seis marchas).

Ford Fusion Titanium 2.0 AWD Interior ganho nova central Sync 3 e botão rotativo substituindo a alavanca de câmbio

Interior ganho nova central Sync 3 e botão rotativo substituindo a alavanca de câmbio  (/)

Apesar de recheada, a versão de entrada deve se restringir ao nicho das vendas diretas, pois a nova configuração SEL com o motor 2.0 EcoBoost de 248 cavalos (14 a mais que os 234 cv anteriores) e 38 mkgf custará R$ 125.500 (apenas 4 mil reais a mais que a SE), batendo de frente com o Honda Civic Touring 1.5 Turbo (R$ 124.900). O 2.0 EcoBoost tem turbo e injeção direta, e funciona apenas com gasolina.

Mais adiante ficará o Titanium 2.0 EcoBoost (R$ 138.000, aumento de R$ 10.600 sobre o anterior), que acrescenta faróis full led, sistema de som Sony aprimorado com 12 alto-falantes, sistema de monitoramento de ponto cego com alerta de tráfego cruzado, assistente de mudança de faixa, sensores crepusculares e de chuva e bancos dianteiros com ajustes elétricos, aquecimento e refrigeração.

Por fim, o Titanium 2.0 EcoBoost AWD (R$ 154.500, ou R$ 9.100 a mais que o anterior) oferece tração integral, piloto automático adaptativo, alerta de colisão e detector de pedestres com frenagem automática de emergência, assistente de estacionamento autônomo, capaz de estacionar o carro sozinho em vagas paralelas e perpendiculares e teto solar (que nas outras versões é oferecido como opcional por R$ 4.000).

Teoricamente, seus rivais diretos seriam o VW Passat, Hyundai Azera, Honda Accord e Toyota Camry. Nenhum deles, porém, possui números de vendas expressivos no país.

Na prática, o Fusion renovado deve mesmo disputar mercado com os sedãs de entrada de Mercedes, Audi e BMW, e com as versões top de linha de Civic (Touring 1.5 Turbo, por R$ 124.900) e Jetta (2.0 Highline com o pacote de equipamentos Premium, por R$ 126.433), com o Cruze LTZ 1.4 LTZ Plus (R$ 107.450) num patamar de preço mais baixo.

Além de espaço e potência maiores que o dos sedãs médios, e com equipamentos e tecnologias que a maioria dos concorrentes da categoria premium só disponibilizam em versões mais caras, o Fusion também promete menores custos de revisões e seguro.

O plano de manutenção com preços fixos deve somar R$ 1.636 nos primeiros 30 mil quilômetros ou 36 meses de uso, com garantia de três anos e planos adicionais que prolongam o período para quatro e cinco anos.

A Ford ainda não divulgou novidades a respeito da outra versão em linha no Brasil, o Titanium Hybrid, hoje tabelado em R$ 149.400.

 

Não perca na edição de outubro de QUATRO RODAS o teste de pista completo do novo Ford Fusion!

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s