Clique e assine por apenas 8,90/mês

Por R$ 139.990, JAC T80 será o carro de marca chinesa mais caro do Brasil

Com porte de Toyota SW4 e painel de Mercedes-Benz Classe S, modelo leva sete passageiros e quer passar ar de refinamento

Por Henrique Rodriguez - Atualizado em 19 dez 2018, 18h18 - Publicado em 19 dez 2018, 18h14
O T80 tem frente alinhada com o novo estilo dos JAC Christian Castanho/Quatro Rodas

A partir de fevereiro a JAC Motors terá um concorrente para os Peugeot 5008, Volkswagen Tiguan e Mitsubishi Outlander no Brasil. Será o SUV T80, que entra em pré-venda na próxima sexta-feira (21) por R$ 139.990.

QUATRO RODAS testou o modelo em junho, quando ainda passava por adequação para o mercado brasileiro. Ele chegará como o modelo de marca chinesa mais caro de nosso mercado, superando os R$ 132.777 do Lifan X80, também um concorrente direto.

Tampa do porta-malas se abre com as lanternas Christian Castanho/Quatro Rodas

Houve mudanças desde então. O 2.0 turbo com injeção indireta (no coletor de admissão) a gasolina teve ganho de potência: passou 190 para 210 cv. Contudo, o torque de 30,6 mkgf foi mantido. O câmbio é automatizado com dupla embreagem e seis marchas.

Interior lembra o Mercedes Classe S da geração passada Christian Castanho/Quatro Rodas

O SUV surpreende pelas dimensões. Com 4,79 metros de comprimento, 1,90 m de largura, 1,76 m de altura e 2,75 m de entre-eixos, tem porte de Toyota SW4.

Continua após a publicidade
JAC T80 tem saída de ar-condicionado para a segunda fileira Christian Castanho/Quatro Rodas

Por dentro, se destaca por ter quadro de instrumentos digital e central multimídia no mesmo nicho do painel – que, por sinal, lembra muito o Mercedes Classe S da geração passada, com direito a relógio analógico no meio.

O T80 ainda tem câmera 360 graus com visão 3D, alerta de pontos cegos, freio de estacionamento elétrico com função auto-hold, bancos dianteiros ventilados e com ajuste elétrico, e ar-condicionado de duas zonas com saídas independentes para as duas fileiras posteriores.

Segunda fileira pode correr para frente, aumentando o espaço da terceira Christian Castanho/Quatro Rodas
Publicidade