Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Por que Niki Lauda foi o campeão mais resiliente da história da F1

Tricampeão enfrentou rejeição da família, desejo de suicídio e acidente quase fatal para se tornar uma das maiores lendas do automobilismo mundial

Por Leonardo Felix Atualizado em 21 Maio 2019, 07h41 - Publicado em 21 Maio 2019, 07h00
Lauda não gostava de ser fotografado do lado onde as cicatrizes eram mais presentes Fernando Pires/Quatro Rodas

Morreu Andreas Nikolaus Lauda. Morreu Niki Lauda.

Uma figura que se tornou tão corriqueira nos bastidores da Fórmula 1 que Fernando Pires, editor de arte de QUATRO RODAS e também fotógrafo, conseguiu produzir as belas imagens que compõem este triste obituário sem muita dificuldade ao longo do GP do Brasil de 2016.

“Eu poderia ter feito muito mais [fotos]. Ele passava tanto pelo paddock que eu até desencanei. Devia ter feito mais”, comenta um incrédulo Fernando, como se não acreditasse que um ícone de seu calibre não é eterno. E não é.

Um desavisado não diria que este senhor de boné foi um dos maiores nomes do automobilismo mundial Fernando Pires/Quatro Rodas

Talvez seja um pouco, também, porque Lauda caminhava pelos corredores da F1 de maneira um tanto descompromissada, como se nada de tão importante tivesse representado.

Vestia quase sempre uma camisa social abrigada por um discreto suéter ou, se estivesse mais frio, uma jaqueta.

Na cabeça, um boné com a marca de algum patrocinicador tentava amenizar as imperfeições provocadas, nos cabelos e na face, pelas queimaduras sofridas no GP da Alemanha de 1976.

Se algum desavisado o visse naquelas circunstâncias, dificilmente identificaria que ali caminhava uma das maiores lendas da história do automobilismo mundial. Só repararia, com certeza, nas chamativas cicatrizes que compunham o rosto.

Mas o austríaco nascido em Viena não merece homenagens apenas por ter sido tricampeão mundial e detentor de 25 vitórias na princial categoria do esporte a motor.

Faz jus a elas, especialmente, pelas circunstâncias em que desenvolveu sua tão bem-sucedida carreira.

Lauda foi campeão em 75, 77 e 84 Fernando Pires/Quatro Rodas

Lauda nunca foi um abastado que teve a vida de piloto financiada pela família. Pelo contrário: sua escolha de profissão gerou desaprovação por parte dos pais, o que o levou a romper laços familiares até o fim dos dias.

Para financiar o salto necessário das competições locais de F-Vee para a Fórmula 2, em 1971, Niki recorreu a suntuosos empréstimos bancários que o permitiram comprar uma vaga na equipe March.

Tampouco sua transição para a F1 foi fácil. Promovido por Robin Herd, então chefe da March, a segundo piloto de Ronnie Peterson em 72, o ás fez uma temporada de estreia terrível.

Sem marcar pontos e com dívidas enormes a quitar, chegou a cogitar o suicídio no fim daquele ano.

Continua após a publicidade

Lauda conversando com Nelson Piquet. Ao fundo, Lewis Hamilton. Somados, 11 títulos mundiais Fernando Pires/Quatro Rodas

Após cavar uma quase milagrosa segunda chance na BRM, em 73, alcançou desempenho mais digno e virou amigo de Clay Regazzoni. Líder da BRM até então, o suíço assinou contrato com a Ferrari para 74 e fez questão de convencer a escuderia a levar, de lambuja, Lauda como seu escudeiro.

Mal sabia Regazzoni o peso da decisão que tomara: Lauda aproveitou o ambiente muito mais salubre de Maranello e o belíssimo projeto 312T, desenvolvido por Mauro Forghieri, para impor sua filosofia metódica de trabalho. Logo se tornou a nova referência do time em termos de velocidade e finesse técnica.

O primeiro título poderia ter vindo já em 74, quando Niki foi, definitivamente, o piloto mais veloz do campeonato. Porém, alguns erros e também quebras cruciais o tiraram do páreo. Acabou ficando para 75, numa campanha dominante.

Depois veio 76 e o fatídico acidente em Nürburgring, que quase lhe custou a vida e foi determinante para o desfecho da temporada em favor de James Hunt.

Imagem rara era ver Lauda sem um boné Fernando Pires/Quatro Rodas

Mesmo carregando em seu corpo as sequelas do incêndio no Inferno Verde – visíveis em sua face e que, tantos anos depois, acabariam decisivas para abreviar sua vida -, foi capaz de regressar às pistas poucas semanas depois para brigar pelo título de 76.

Perdeu, mas confirmou o bicampeonato em 77, e ainda o tri em 84. No meio do caminho, chegou a interromper a carreira para se tornar dono de uma companhia aérea, a Lauda Air, que nunca decolou da forma como o piloto gostaria.

Sobre a Lauda Air, aliás, vale notar que a frota de aviões da empresa era batizada com nomes de ícones da música, como Freddie Mercury, Kurt Cobain, George Harrison, Miles Davis, Frank Zappa e afins.

Mesmo representando a Mercedes, Lauda transitava bem em outras equipes, como nesta imagem em que conversava com Christian Horner e Helmut Marko, da Red Bull Fernando Pires/Quatro Rodas

Sobre Lauda, é preciso dizer que a fama de piloto extremamente frio pintada em Rush não era totalmente certeira.

Sim, Niki era calculista, e provou isso nas conquistas dos campeonatos de 77 e, especialmente, 84, quando barrou um ávido Alain Prost puramente na base da astúcia, mesmo já não apresentando a mesma velocidade do jovem companheiro francês de McLaren.

Só que um indivíduo frio como o personagem do filme não teria a audácia de mandar Bernie Ecclestone às favas antes mesmo do fim da campanha de 79, quando estava de saco cheio das limitações e invencionismos da Brabham.

Os últimos anos de vida Lauda dedicou a uma função um tanto simbólica de “presidente não executivo” da equipe Mercedes. Dizem que teve papel decisivo na contratação de Lewis Hamilton, lá em 2012.

Nenhum desses méritos Andreas Nikolaus fazia muita questão de ostentar em seu caminhar tranquilo pelos paddocks da F1 com sua camisa, seu suéter, sua jaqueta e seu boné.

Apenas as cicatrizes, estas com certeza, seriam capazes de denunciar que ali passava o mais resiliente dos campeões na história do automobilismo.

Continua após a publicidade

Publicidade