O dia em que encontramos uma VW Kombi perdida no Japão

Cobrindo o Salão de Tóquio, fomos surpreendidos por um belo exemplar da segunda geração da van rodando em plena terra do sol nascente

Ela é celebridade: japonês tirando foto ao lado da Kombi

Ela é celebridade: japonês tirando foto ao lado da Kombi (Leonardo Felix/Quatro Rodas)

Era um domingo de aparente descanso da correria proporcionada pela cobertura do Salão de Tóquio 2019.

Um pequeno grupo de jornalistas aproveitava o último dia de estada na capital japonesa para caminhar por Harajuku, região conhecida pelas lojas de cosplay e pelas figuras que rodam pelas ruas com as mais diferentes (e bizarras) fantasias.

Mas não foi um local vestido de Pikachu ou uma nativa se passando por Sakura Cardcaptor o que encontramos. Foi uma Volkswagen Kombi. Sim, uma Kombi. Perdida no Japão.

Em aparente bom estado, a minivan chamava a atenção parada em uma estreita rua do bairro, a ponto de levar pessoas a tirarem fotos a seu lado.

Enquanto os curiosos se deleitavam com aquele estranho e forasteiro veículo laranja e marrom com cabine do motorista arranjada à mão francesa, QUATRO RODAS começou a procurar seu dono.

Logo ele apareceu: um rapaz entre seus 30 altos ou 40 e poucos anos, acompanhado do filho, um simpático bebê de não mais que quatro aninhos. Fomos conversar com ele.

No cantinho da foto, escondido atrás da coluna A, vinha “Yuzo”, o dono do carro. Dentro da cabine, o filho

No cantinho da foto, escondido atrás da coluna A, vinha “Yuzo”, o dono do carro. Dentro da cabine, o filho (Leonardo Felix/Quatro Rodas)

Com inglês ruim e não muita paciência (afinal, certamente aquela não deveria ser a primeira abordagem), apesar de alguma simpatia no rosto, o jovem respondeu a algumas poucas perguntas antes de fazer soar o ronco tão característico do motor arrefecido a ar e partir.

Nem seu nome foi possível anotar, mas aqui adotaremos uma licença poética para chamá-lo de Yuzo.

Usando a idade do filho como referência, Yuzo estimou ter comprado sua Kombi há cerca de oito anos, através de um amigo que a importou de Los Angeles, Estados Unidos. Esse mesmo amigo se encarregou de repintá-la.

E foi só. Com um bocado de pressa, logo nosso personagem se despediu e arrancou. Sequer foi possível fazer a pergunta mais importante de todas: por que comprar uma Kombi no Japão? Puro estilo, certamente.

Yuzo arranca com a Kombi. Quem sabe um dia não nos encontramos de novo?

Yuzo arranca com a Kombi. Quem sabe um dia não nos encontramos de novo? (Leonardo Felix/Quatro Rodas)

Com a ajuda do enciclopédico colega Jason Vogel, do jornal O Globo, foi possível decifrar alguns detalhes da Kombi naturalizada nipônica. Estamos falando de um exemplar da Clipper, de segunda geração, conhecida internacionalmente como Type 2.

Por ter sido trazida dos EUA (os refletores laterais alaranjados denunciam isso), sua produção ocorreu na Alemanha, onde a Type 2 foi mantida em linha entre 1967 e 1979 (por aqui, ela continuou sendo fabricada até o fim de 2013).

Em meu breve papo com Yuzo, observei ainda que a alavanca era de um câmbio automático (de três marchas), e não do conhecido manual de quatro relações.

Isso significa que a unidade em questão só poderia ser do ano/modelo 74 em diante, e que seu motor era 1.7 de 61 cv (73/74), 1.8 de 67 cv (74 a 76) ou 2.0 de 69 cv (76 a 79).

Descobriu onde está a insígnia da VW?

Descobriu onde está a insígnia da VW? (Leonardo Felix/Quatro Rodas)

Tampouco sabemos o quanto Yuzo pagou por sua Kombi, mas uma breve pesquisa no mercado de usados japonês apresenta preços nas faixas de 2 milhões a 6 milhões de ienes, o equivalente a valores entre R$ 75 mil e R$ 220 mil.

Não é tão caro quanto pensávamos. Já a Kombi de primeira geração, a popular “corujinha”, chega a valer quase 40 milhões de ienes, o que, aí si, alcança espantoso R$ 1,5 milhão.

Sobre a simpática exemplar Clipper flagrada em solo nipônico, vale observar ainda que ela possui luzes de milha âmbares auxiliares e um discreto decalque em branco, dourado e branco nas laterais.

Além disso, o dono optou por tirar o logotipo da VW da dianteira e deixá-lo exposto no para-brisa, bem à frente de uma placa de identificação alemã.

Talvez tenha sido uma singela forma encontrada por Yuzo para destacar sua reverência a este clássico capaz de angariar fãs nos lugares mais longevos e inesperados do mundo. Até no Japão.

País no qual, aliás, encontros de entusiastas de VW refrigerados a ar passaram a ser comuns, e também onde a Suzuki “homenageou” a Transporter 3, van sucessora da Type 2 (nunca vendida no Brasil) com o kei car Carry ST-90.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s