Clique e assine por apenas 5,90/mês

O artesão que cria “no olho” miniaturas perfeitas de clássicos a R$ 4.000

Modelos feitos pelo baiano Leonardo Araújo são feitos a mão, mas têm processo produtivo rigoroso e possuem várias partes funcionais

Por Renan Bandeira - 14 mar 2020, 07h00
Leonardo Araújo/Reprodução

Quem nunca sonhou em guardar todos aqueles carros que admira em uma prateleira? É isso que o baiano Leonardo Araújo (conhecido nas redes pelo apelido Guiga MiniTrucks) faz desde pequeno.

Sem condições de comprar carrinhos funcionais – que abriam as portas e mexiam as rodas – durante a infância, ainda em Itambé, interior da Bahia, Leonardo resolveu realizar esse sonho com as próprias mãos – literalmente.

O que ele não sabia é que trabalharia com os sonhos de outras pessoas, e que isso viraria sua profissão.

O baiano veio para São Paulo quando tinha apenas dez anos e carregou, junto de sua mala, a habilidade de artesão que transforma as placas de MDF, ou de metal, em miniaturas perfeitas.

Leonardo Araújo/Reprodução

Segundo ele, todo o trabalho é manual e parte do pedido do cliente, que geralmente quer uma réplica de seu veículo atual, ou algum outro que fez história na vida.

O processo produtivo acontece em quatro etapas: compra de material, desenho, corte e acabamento. Os modelos demoram em média dois meses para ficar prontos e custam entre R$ 2.500 e R$ 4.000.

Assim que o pedido é feito, Leonardo vai atrás da matéria prima – as miniaturas podem ser produzidas em madeira MDF, alumínio, PVC, polietileno e fibra de vidro.

Leonardo Araújo/Reprodução

Com tudo em mãos, começam os desenhos das peças que vão compor todo o corpo do carrinho.

Perguntado sobre o padrão para a confecção dos elementos, Leonardo afirmou que tudo é feito no “olhômetro”, mas prometeu que suas miniaturas são entregues em escalas 1:8, no caso de carros, e 1:14 para caminhões.

Depois dos componentes estarem devidamente no papel, eles são cortados para tomar forma e servirem de molde para o corte das peças da miniatura.

Após isso, é iniciada a parte de união utilizando: cola, resina ou parafusos.

Leonardo Araújo/Reprodução

Tudo está colado e é hora do carrinho ganhar suas curvas e vincos para ficar igual ao original.

Continua após a publicidade

O artesão afirma que, embora tenha maquinário, a finalização do processo é todo com as mãos. “Apesar de ter micro retífica e outras ferramentas, o que mais uso é estilete e lixa.”

No final desta etapa, o brinquedo passa pelo controle de qualidade, que é feito por ele mesmo, na cozinha de sua casa.

“Muitas vezes eu fazia uma cabine e colocava em cima da mesa da cozinha, enquanto eu tomava um café, para analisar cada ângulo e ver se eu estava vendo na minha frente algo igual a cabine original. Quando não estava, quebrava e fazia de novo”, afirmou.

Leonardo Araújo/Reprodução

Aprovada na rigorosa análise, a miniatura vai para a pintura. Para isso, o artesão utiliza o mesmo procedimento de automóveis: preparação da lataria com lixa d’água, primer, tinta para pintura automotiva, verniz e polimento.

Para formar as lanternas, faróis e setas, Leonardo corta partes de lanternas de caminhão e encaixa na carroceria. Rodas, pneus e o interior dos brinquedos são de madeira e o pára-brisas é de acrílico.

Leonardo Araújo/Reprodução

Achou que estava completo? Ainda não acabou. Ele foi além do que queria quando era criança e desenvolveu, por meio de uma placa, um circuito elétrico alimentado por uma bateria 12V que deixa funcionais todas as partes luminosas do brinquedo.

[wpvideo RyM6E8Pq]

Além disso, na última evolução de suas miniaturas, desenvolveu um sistema que torna o volante do carrinho funcional. Ou seja, quando acionado, o conjunto de rodas e pneus dianteiro esterça.

Leonardo nos confessou que tem um queda maior por fazer caminhões Mercedes-Benz e carros como Ford Maverick e Chevrolet Opala. No entanto, deixou claro que a principal motivação para fazer os projetos são as histórias que eles envolvem.

 

“Teve um pedido em que o filho presenteou o pai com uma [Ford] F4000. Tudo que conseguiram foi graças a esse caminhão. Então, ele pediu para eu fazer e presenteou o pai, que ficou sem palavras. Depois, me enviaram um vídeo do pai emocionado. Isso que é gratificante.”, afirmou o construtor.

Continua após a publicidade
Publicidade