Clique e assine por apenas 5,90/mês

Novo VW Golf foi desenhado por um brasileiro; ele nos conta sua trajetória

Nascido em Piracicaba, Felipe Montoya entrou para a VW como estagiário de design e hoje assina os carros mais importantes da marca nos últimos tempos

Por Joaquim Oliveira, de Munique (Alemanha) - Atualizado em 22 nov 2019, 11h50 - Publicado em 28 out 2019, 07h00
Felipe Montoya e a maquete em tamanho real feita de argila do elétrico ID.3, que também tem seu toque Divulgação/Volkswagen

Se você perguntar a Felipe Montoya Bueloni se vale a pena perseguir seus sonhos, ouvirá um “sim” de pronto. E não é difícil entender o motivo.

Nascido em Piracicaba (SP), Felipe gostava de sentar para desenhar assim que chegava da escola. Valia qualquer tipo de desenho, mas principalmente carrinhos. Seus pais logo perceberam essa aptidão e aos oito anos já estava matriculado em uma escola de arte aos 8 anos de idade – que frequentou até os 15 anos de idade.

A perseverança e a paixão por carros levaram ele longe, geográfica e profissionalmente. Hoje com 36 anos, Felipe Montoya assina o design exterior da oitava geração do Volkswagen Golf.

“Curiosamente, meu pai, Neto Bueloni, também é entusiasta de carros e um grande fã de automobilismo (ele costumava correr em karts, na verdade)”, conta com brilho nos olhos enquanto me recebe para mostrar o Golf, sua maior criação até o momento.

Felipe Montoya defende cada traço da nova geração do Golf Divulgação/Volkswagen

“Ainda me lembro de assistir a corridas de Fórmula 1 e Indy com ele, de passar horas lendo revistas de automobilismo e, claro, Quatro Rodas, e de ver as fotos das suas corridas. Tudo isso teve um grande impacto na formação da pessoa que sou hoje”. Também entram na conta os desenhos dos karts e dos F1 que o pai carinhosamente fazia para ele.

Mas Felipe demorou um pouco para perceber que havia a possibilidade de se tornar um designer de carros e transformar sua paixão em profissão.

As informações eram mais escassas na época, principalmente em Piracicaba.

“Foi aos 17 anos, quando comecei a cursar Engenharia Civil na Unicamp, em Campinas, que fiquei sabendo que havia curso de Design voltado para automóveis em outra universidade”. Ele ainda tentou fazer os dois cursos simultaneamente, mas logo ficou claro que o seu caminho seria o design, especificamente o de automóveis.

No terceiro ano do curso, decidiu participar do Concurso de Design promovido anualmente pela Volkswagen do Brasil. E foi bem: ficou entre os dez primeiros. Mas a concorrência era forte e somente os três primeiros eram agraciados com um estágio na fabricante.

Esboço do novo Golf criado por Montoya Divulgação/Volkswagen

Mas Felipe tentou novamente em 2006, quando o tema foi “Qual é o Próximo Sedan Volkswagen?”. Desta vez venceu a competição e no ano seguinte começou seu estágio de um ano no Volkswagen Design Studio, em São Bernardo do Campo (SP). Dá para dizer que ele nem concluiu essa etapa.

“Tudo aconteceu muito rápido. Meu chefe na época, Gerson Barone, então chefe de design da Volkswagen Brasil, me ofereceu a posição de designer de exteriores quando eu estava na metade do estágio. Logicamente agarrei essa vaga, que 2009 acabou me levando ao “Brazilian Corner” na sede da Volkswagen, em Wolfsburg”.

Divulgação/Volkswagen

O “Brazilian Corner”, surgiu da necessidade da Volkswagen de ter um estúdio dentro de sua sede dedicado à reestruturação e aprovação do design dos carros da marca para o Brasil e a América Latina. Designers, engenheiros, especialistas em ergonomia e modeladores expatriados formavam a equipe.

Continua após a publicidade

“A ideia inicial era de ficar por lá durante três meses, mas Klaus Bischoff (chefe global de design da Volkswagen) acabou selecionando um dos meus esboços para alguns projetos, como o Gol G6 e o Novo Fox”.

Divulgação/Volkswagen

Por conta do talento reconhecido, Felipe Montoya só retornou ao Brasil para buscar mais malas. O que era para ser três meses já soma mais de dez anos – e contando.

Foi trabalhando em Wolfsburg que Felipe conheceu Oliver Stefani. Hoje chefe de design da Skoda, Stefani era o chefe de design exterior na época.

“Ele foi importante para meu progresso, pois me colocou para trabalhar em uma equipe liderada pelo também brasileiro Marco Pavone (então chefe de equipe e hoje chefe de design exterior da VW). Ele tinha vários projetos em mãos, como a reestilização do VW Up! que seria produzido no Brasil”.

Daí até Felipe passar a ser um componente fixo da equipe de design exterior da VW foi um pequeno grande passo, dado no final de 2013.

Os designers brasileiros Marco Pavone e Felipe Montoya Divulgação/Volkswagen

Desde então Felipe Montoya já eternizou sua criatividade em diversos carros, mas gosta de destacar o novo Bora para o mercado chinês, o elétrico ID.3 e, claro, o novo Golf. Vale destacar que estes dois últimos são os carros mais importantes da VW para os próximos anos a nível global.

O ID.3 é o primeiro modelo da nova família de carros elétricos da Volkswagen Divulgação/Volkswagen

O Golf tem um gostinho especial para Felipe por ter sido o primeiro com design exterior chefiado por ele. “Quando me convidaram, senti que tinha ganho a Champions League”, admite emocionado, antes de começar a me explicar os traços mais importantes da nova geração do VW mais vendido da história.

“Este novo Golf mantém as proporções, porque temos que honrar a história de um carro com 45 anos de vida. O elemento de design dominante é a coluna C larga, caraterística do Golf ao presente nas sete gerações anteriores.

A coluna C larga acompanha o Golf desde sua primeira geração Divulgação/Volkswagen

 

A coluna torna a carroceria mais dinâmica e a projeta para frente, ao mesmo tempo que atrai a atenção para a traseira, trazendo o traço marcante do Golf original para o presente. É o teto que acrescenta o caráter autêntico e esportivo ao novo carro”.

Embora o principal mercado deste novo Golf seja a Europa, o design criado por Felipe Montoya foi bem aceito por seus conterrâneos. 68% dos mais de 4.200 leitores que responderam enquete de QUATRO RODAS aprovaram este novo Golf, que é o mais brasileiro da história.

 

Continua após a publicidade
Publicidade