Assine QUATRO RODAS por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Novo Peugeot 408 é misto de sedã com SUV cupê e faz 76,9 km/l de gasolina

Irmão do Citroën C5 X, novo Peugeot 408 abandona motores a diesel e investe na eletrificação e design arrojado

Por Joaquim Oliveira Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 21 jun 2022, 23h00 - Publicado em 21 jun 2022, 23h00

Olhamos hoje para a gama da Peugeot e tudo o que não é SUV ou crossover está já em minoria: 208, 308 e 508 contra 2008, 3008, 5008 e, dentro de poucos meses, o 408. A base técnica (plataforma EMP2) é a mesma do Citroën C5 X e a própria carroceria tem muito em comum nesta espécie de cruzamento de genes de perua, SUV e sedã de 5 portas a que se convencionou chamar crossover, com a sua maior distância ao solo entre a dos dois últimos tipos de veículos mencionados.

Visualmente chama a atenção a acumulação de arestas nos perfis e também o largo capô emparedado pelos flancos elevados e com a enorme grade frontal na cor da carroceria, além dos finos faróis frontais (em matrizes de leds) e o para-choque traseiro “invertido”.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

Apesar da distância entre-eixos ser idêntica à do “primo” Citroën (2,79 m), a Peugeot quis ter um carro com uma imagem um pouco mais esportiva. Por isso, encurtou o comprimento total em cerca de 12 cm (4,69 m), ampliando a largura em 3,3 cm (1,85 m) e reduzindo a altura em quase 1 cm (1,48 m), sabendo-se que mais largura e menos altura são importantes protagonistas para que a estabilidade do comportamento dinâmico seja superior.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

Mas não só, claro; porque o ajuste das suspensões tem muito a dizer nessa matéria. E mesmo com o hardware igual, os engenheiros franceses admitem que procuraram privilegiar mais a eficácia em curva do que promover o domínio do conforto, que é muito mais caraterístico da Citroën (também por essa razão, a altura ao solo do Peugeot é 0,6 cm inferior).

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

A gama de motores é coincidente com a do C5 X, mas adiciona uma segunda opção híbrida plug-in menos potente, o que significa que não há qualquer oferta diesel. Assim, temos o motor 1.2 litros, de 3 cilindros, com 130 cv (consumo médio de aproximadamente 16,7 km/l, não estando ainda homologado mas usando os números do Citroën como referência) e os dois híbridos plug-in.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

Ambas as versões PHEV utilizam motor 1.6, mas com potência de 150 cv e 180 cv, respectivamente. Quando somado ao motor elétrico dianteiro de 110 cv, o Peugeot 408 híbrido plug-in chega a 180 cv ou 225 cv — essa última a versão e-225, que terá consumo médio na ordem de 76,9 km/l.

Continua após a publicidade

Não há versões 4×4; nem sequer controle de tração com programação específica para facilitar a deslocação em pisos escorregadios que a Peugeot utiliza nos SUVs. Além disso, todos os 408 usarão câmbio automático de 8 velocidades até a segunda metade de 2023. Daí em diante, uma alternativa será a versão 100% elétrica (uns meses, portanto, após o lançamento destes 1.2 e híbridos plug-in).

Até 55 km de autonomia elétrica

Os híbridos plug-in usam uma bateria de íons de lítio de 12,4 kWh (com garantia de 8 anos ou 160.000 km) que deverá permitir uma autonomia elétrica de aproximadamente 55 km, sendo que em modo totalmente elétrico, o 408 tem uma velocidade máxima limitada a 135 km/h (mais uma vez usando os números oficiais do C5 X, tecnicamente o mesmo carro).

O carregador de bordo tem uma potência de 3,7 kW, podendo o cliente optar pelo de 7,4 kW (ambos monofásicos) por um valor adicional. Os tempos de carregamento total da bateria oscilam entre 7h30 (numa tomada comum, de 8 Ah) e 3h30 (tomada reforçada 16 Ah e a 3,7 kW) ou 1h55m (numa Wallbox, a 7,4 kW).

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

Por dentro reencontramos a configuração i-cockpit, com o volante pequenino cujo aro superior fica abaixo do quadro de instrumentos, para que esta assuma uma espécie de função de head-up display. Por isso o Citroën C5 X tem um HUD e o Peugeot 408 não, ainda que o primeiro cumpra a sua função de forma mais próxima da projeção de informação “na estrada” diante do veículo.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

O quadro de instrumentos digital é de 10” e pode ser personalizado, além de dispor de diversos modos de apresentação: navegação, radio/mídia, sistemas de assistência, fluxos energéticos e, nas versões GT, um efeito 3D que já conhecemos do recente 308.

Continua após a publicidade

Aposta no i-cockpit mantém-se

Ao centro do painel temos a central multimídia de 10”, um pouco mais abaixo do que a instrumentação e direcionada para o condutor. Abaixo do qual estão colocados os botões digitais para acesso direto a funções que se usam com frequência.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

Mais baixo, já no console central, fica o comando da caixa automática, que nas versões híbridas tem uma posição “B” para aumentar a recuperação de energia, mas longe de um sistema “One Pedal Drive”. Na linha 1.2 a gasolina, também há a posição M, para trocar manuais e também o seletor dos modos de condução: Eco, Normal, Sport, a que se juntam o Electric e Hybrid nos 408 plug-in híbridos.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

Tal como no C5 X, o espaço interior é amplo em largura — ainda que três ocupantes adultos atrás viajem mais “aconchegados” — e especialmente em comprimento na segunda fila, enquanto a altura é um pouco mais limitada (quem tem até 1,85 m não sentirá grandes restrições), até pela forma da carroceria na transição para a traseira, que também pede cuidado nas entradas e saídas pela forma de descida prolongada da coluna C.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

O isolamento acústico foi cuidado com a utilização de vidros dianteiros de maior espessura do que o normal na Peugeot (3,85 mm) e as versões mais equipadas têm mesmo vidros duplos nas janelas dianteiras. O porta-malas tem capacidade de 536 a 1.611 litros (incluindo os 36 utilizáveis por debaixo do piso do bagageiro), podendo transportar objetos com até 1,89 m de comprimento quando os bancos traseiros são rebatidos.

Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

É um volume bastante generoso, mas ainda assim inferior ao do Citroën (545 a 1.640 l) por este último ser, como referimos anteriormente, mais comprido e mais alto. Estes são os volumes da versão com motor 1.2 de 3 cilindros, enquanto os híbridos plug-in perdem cerca de 60 litros de capacidade, uma vez que o piso do bagageiro está colocado numa posição 4 cm mais elevada, devido aos componentes do sistema de propulsão elétrica.

Continua após a publicidade
Peugeot 408
(Divulgação/Peugeot)

As vendas do novo Peugeot 408 na Europa começam no primeiro trimestre de 2023, sendo o carro produzido em França (Mulhouse), ao contrário dos primeiros Citroën C5 X que foram importados de Chengdu, na China, onde o 408 também será fabricado para os mercados asiáticos. Não estando ainda os preços definidos, naturalmente não andarão muito longe dos do Citroën, que se situa entre 33.400 (1.2 mais acessível) e 47.200 euros (híbrido plug-in de 225 cv) em Portugal.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Os automóveis estão mudando.
O tempo todo.

Acompanhe por QUATRO RODAS.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Quatro Rodas impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.