Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Minivan do Kwid, novo Renault Triber 2021 é lançado na Índia por R$ 38.700

Utilitário de sete lugares recebeu novidades estéticas e mais tecnologia ao mesmo tempo que segue mais barato que o Kwid brasileiro

Por Eduardo Passos Atualizado em 27 abr 2021, 12h20 - Publicado em 27 abr 2021, 12h17
Renault Triber 2021 leva sete ocupantes mas custa menos que o Kwid brasileiro
Renault Triber 2021 leva sete ocupantes mas custa menos que o Kwid brasileiro Divulgação/Renault

Apostando no que vem fazendo sucesso, a Renault lançou a versão 2021 do seu utilitário Triber. Equivalente ao SUV de sete lugares do Kwid, o carro recebeu atualizações estéticas e novos equipamentos, mas chama atenção mesmo pelo preço camarada.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90

A reestilização vem quase dois anos após a estreia do Triber no mercado da Índia, onde desempenha bem desde agosto de 2019. O projeto da ‘mini-minivan’ segue uma parceria entre a matriz francesa da Renault e sua filial indiana, focado nas demandas locais.

No caso do novo Triber, as novas ideias se destacam no design do sete-lugares, que recebe cor de teto diferente da carroceria e nova pintura Marrom Cedro. Completando a leve maquiagem, que aproxima o estilo do carro à identidade global da Renault, os retrovisores ganharam repetidores de setas em led.

Teto preto dá ares mais ousados ao utilitário
Teto preto dá ares mais ousados ao utilitário Divulgação/Renault

Por dentro as novidades são mais práticas e focadas no motorista, como os controles de áudio e telefone que finalmente foram instalados no volante. O banco do condutor também foi modificado para oferecer ajustes de altura.

Interior do Triber não é luxuoso mas atende muito bem pelo preço
Interior do Triber não é luxuoso mas entrega muito pelo preço Divulgação/Renault

Em termos de mecânica, o Triber é modesto e segue com o motor 1.0 de sempre. A unidade de força gera 72 cv de potência e 9,8 kgfm, extraídos ao máximo pelo câmbio manual de cinco velocidades ou pelo peculiar Easy-R, automatizado por ação eletro-mecânica.

É evidente que o Triber não se destaca pelo luxo ou desempenho; a Renault não apenas sabe como reforça isso. O foco da marca é oferecer sete assentos por pouco dinheiro, ciente de que se trata do segundo país mais populoso do mundo, com metade do poder de compra per capita do Brasil, por exemplo.

Continua após a publicidade
Lanterna traseira do Renault Triber 2021
Lanterna traseira do Renault Triber 2021 Divulgação/Renault

Mesmo assim o modelo de 3,99 metros (ideal para os caóticos centros urbanos da Índia) conta com bons itens de série, como o painel de instrumentos em display de led e central multimídia de 8’’.

A versão mais barata do Renault Triber 2021, a RXE, custa o equivalente a apenas R$ 38.729 e vem apenas com câmbio manual, mas já oferece ABS, controle de tração, para-choques na cor da carroceria e sensor de estacionamento, dentro outros itens não tão óbvios para a faixa de preço.

SUV é menor que um Sandero mas vem com três fileiras de assento em todas as versões
SUV é menor que um Sandero mas vem com três fileiras de assento em todas as versões Divulgação/Renault

O Triber topo-de-linha, versão RXZ, atinge R$ 55.762 e, além do câmbio automatizado, conta com faróis e DRLs em led, rodas de liga leve estilizadas, freio de estacionamento elétrico, seis alto-falantes, câmera de ré, entrada e partida do motor sem chave e acabamento interno em tons de prata e black piano.

Em comparação, o subcompacto Renault Kwid é vendido no Brasil apenas com câmbio manual e custa entre R$ 42.090 (versão de entrada, Life) e R$ 53.290 (versão de topo, Outsider).

Versão de topo traz até porta-latas refrigerado no console central
Versão de topo traz até porta-latas refrigerado no console central Divulgação/Renault

Como o mercado nacional traça paralelos com o meio automotivo indiano, o Triber segue especulado para chegar ao Brasil. A Renault não revela os planos futuros do SUV, mas sabe-se que um novo motor 1.0 turbo, derivado do Kriger, está nos planos para 2022. 

A unidade elevaria o desempenho do sete-lugares para 100 cv de potência e 16,3 kgfm. Segundo a imprensa local, a novidade foi adiada por conta da pandemia de covid-19 mas, quando chegar, também incluirá novo câmbio CVT.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Capa Quatro Rodas Abril

Continua após a publicidade
Publicidade