Mercedes 600: o carro unanimidade entre artistas, ditadores e o Papa

O carro mais luxuoso e caro disponível há 50 anos também era um dos mais complexos

Rainha Elizabeth II e o Príncipe Philip em Munique a bordo do Mercedes 600 Landaulet, 1966

Rainha Elizabeth II e o Príncipe Philip em Munique a bordo do Mercedes 600 Landaulet, 1966 (Divulgação/Mercedes-Benz)

O que o Saddam Hussein, David Bowie, Pablo Escobar e o Papa Paulo VI tinham em comum? O gosto refinado para carros. 

Eles fazem parte do rol de personalidades que tiveram um exclusivíssimo Mercedes 600 à disposição na garagem.

Versão Pullman tem 3,9 m de entre-eixos

Versão Pullman tem 3,9 m de entre-eixos (Divulgação/Mercedes-Benz)

Lançado em 1963, o Mercedes 600 foi o carro mais luxuoso e caro do mundo em seu tempo. Também era o mais complexo.

Suspensão era pneumática e amortecedores tinham pressão ajustável

Suspensão era pneumática e amortecedores tinham pressão ajustável (Divulgação/Mercedes-Benz)

Entre os mimos, estavam a abertura e fechamento automático do porta-malas, trava das portas e tampa do tanque, além da automatização do ajuste dos bancos, da abertura do teto solar e dos vidros das portas.

Elton John teve seu Mercedes 600

Elton John teve seu Mercedes 600 (Reprodução/Internet)

Na falta de sistemas elétricos robustos e confiáveis, tudo isso era operado por um sistema hidráulico concentrado no porta-malas.

Até os comandos do ar-condicionado eram hidráulicos e havia um sistema engenhoso para desligar o freio de estacionamento ao ligar o motor.

Isso quando ter direção hidráulica já era luxo.

Kit de reparo do sistema hidráulico ainda incluía mangueiras sobressalentes

Kit de reparo do sistema hidráulico ainda incluía mangueiras sobressalentes (Reprodução/Internet)

O sistema era operado por óleo mineral pressurizado a 220 bar (praticamente a mesma pressão usada em kits de GNV).

Era um equipamento feito para durar nunca dar problema, mas havia um kit de reparos no porta-malas.

Apesar do tamanho do carro, o espaço reservado para o motorista não era dos melhores

Apesar do tamanho do carro, o espaço reservado para o motorista não era dos melhores (Divulgação/Mercedes-Benz)

O 600 ainda ia um pouco além. Havia freios a disco com pistões duplos nas quatro rodas, que ainda tinham suspensão independente. Em vez de molas, havia bolsas pneumáticas e os amortecedores eram ajustáveis.

Para os passageiros, espaço é o que não falta

Para os passageiros, espaço é o que não falta (Divulgação/Mercedes-Benz)

Ainda era possível mudar a altura ou a rigidez do conjunto por meio de comandos no painel.

Ter uma TV dentro do carro obrigava a instalar uma enorme antena na traseira do carro

Ter uma TV dentro do carro obrigava a instalar uma enorme antena na traseira do carro (Divulgação/Mercedes-Benz)

Mas o acabamento não fica de lado. O interior é todo revestido de couro, veludo e madeira legítima, além de dezenas de apliques cromados.

Cores e texturas podiam ser escolhidos, assim como opcionais diversos, como TV, geladeira, mesinhas retráteis, barbeador (este sim, elétrico) e duas portas a mais, no caso da versão Pullman, mais longa.

Carro do Papa tem apenas um assento na traseira

Carro do Papa tem apenas um assento na traseira (Divulgação/Mercedes-Benz)

As configurações dos bancos eram diversas. Poderia der duas ou três fileiras de bancos, ou com a segunda virada para a frente ou para trás. No caso do carro do Papa, a última tinha apenas um assento dedicado ao pontífice.

O Papa Paulo VI em seu Landaulet

O Papa Paulo VI em seu Landaulet (Reprodução/Internet)

De 1963 a 1981 foram produzidas 2.677 unidades do Mercedes 600. A maioria era da versão Grosser, mais curta, com 5,45 metros de comprimento e 3,2 metros de entre-eixos.

Carro mais luxuoso do mundo nos anos 1960 era vendido com três opções de carroceria

Carro mais luxuoso do mundo nos anos 1960 era vendido com três opções de carroceria (Divulgação/Mercedes-Benz)

Da versão Pullman, com 6,24 metros de comprimento e entre-eixos de 3,9 metros foram feitas 428 unidades, além de 59 do Landaulet, o Pullman conversível apenas na traseira, e somente duas unidades cupê.

Cupê teve apenas duas unidades produzidas

Cupê teve apenas duas unidades produzidas (Divulgação/Mercedes-Benz)

O Mercedes 600 era tão pesado para a época (o Pullman tem 2.770 kg), que o motor mais potente da marca na época, o seis cilindros 3.0 de 160 cv que equipava o Mercedes 300, não dava conta. Assim nasceu o V8 6.3 de 250 cv e 51 mkgf de torque.

O motor chamado M100 gerava 250 cv

O motor chamado M100 gerava 250 cv (Divulgação/Mercedes-Benz)

Combinado ao câmbio automático de quatro marchas, levava o sedã aos 100 km/h em 10 s e fazia o 600 superar os 200 km/h com facilidade.

David Bowie e seu 600 Landaulet

David Bowie e seu 600 Landaulet (Reprodução/Internet)

Quem queria ser visto a bordo do Mercedes 600 escolhia o Landaulet. É o caso do Papa Paulo VI, da Rainha Elizabeth II – que não usava seus Rolls-Royce e Bentley em algumas viagens –, Saddam Hussein, Josip Broz Tito (ex-ditador da antiga Iugoslávia), Hosni Mubarak (ex-ditador do Egito), Kim il Sung (ex-ditador da Coreia do Norte) e… David Bowie.  

Rei Fahd bin Abdulaziz da Arábia Saudita e Hosni Mubarak

Rei Fahd bin Abdulaziz da Arábia Saudita e Hosni Mubarak (Reprodução/Internet)

A maior parte dos estadistas optavam pelo 600 Pullman. É o caso dos exemplares do rei Hussein da Jordânia, de Idi Amin Dada (ex-ditador de Uganda), Nicolae Ceauşescu (ex-ditador da Romênia), Jean-Bedel Bokassa (ex-ditador da República Centro Africana), Francois Tombalbaye (ex-ditador do Chade) e Jomo Kenyatta (ex-primeiro-ministro do Quênia), que não raramente se debruçavam no teto solar metálico para serem vistos.

O líder soviético Leonid Brezhnev e o ex-ditador da Iugoslavia Josip Broz Tito em Belgrado, 1971

O líder soviético Leonid Brezhnev e o ex-ditador da Iugoslavia Josip Broz Tito em Belgrado, 1971 (Reprodução/Internet)

Mas o líder da União Soviética Leonid Brezhnev e o líder comunista chinês Mao Tsé-Tung optaram por exemplares blindados de fábrica do Mercedes 600 Pullman. 

Tudo que sobrou do Mercedes 600 de Pablo Escobar

Tudo que sobrou do Mercedes 600 de Pablo Escobar (Reprodução/Internet)

Pablo Escobar não escolheu esse opcional: seu carro foi alvejado por tiros e incendiado durante um confronto com um cartel de drogas rival.

Personalidades se dividiram entre os Pullman e os Grosser. O magnata grego Aristóteles Onassis, a atriz Elizabeth Taylor, o ator Rowan Atkinson e os apresentadores Jay Leno e Jeremy Clarkson optaram pela versão mais curta.

O carro de Jack Nicholson sofreu uma colisão proposital em As Bruxas de Eastwick. O ator reformou o veículo e, anos depois, doou ele para um museu em Los Angeles

O carro de Jack Nicholson sofreu uma colisão proposital em As Bruxas de Eastwick. O ator reformou o veículo e, anos depois, doou ele para um museu em Los Angeles (Reprodução/Internet)

Já os cantores Elton John e Elvis Presley, a estilista Coco Chanel (cujo carro seria vendido posteriormente a Jay Kay do Jamiroquai), o fundador da Playboy, Hugh Hefner, e Jack Nicholson (que comprou o carro usado no filme As Bruxas de Eastwick) optaram pela versão longa. 

George Harrison foi o primeiro dos Beatles a comprar um Mercedes 600, um Grosser branco. No ano seguinte John Lennon comprou um Pullman branco.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s