Clique e assine com até 75% de desconto

McLaren venderá seus superesportivos no Brasil em 2018

Grupo Eurobike será responsável pela importação das linhas 570 e 720 S

Por Vitor Matsubara 9 out 2017, 19h02
Primeira unidade do 570S Coupé trazida para o Brasil já foi vendida Vitor Matsubara/Quatro Rodas

A McLaren Automotive iniciará suas operações no país em 2018. A marca britânica será representada oficialmente pela Eurobike, empresa sediada em Ribeirão Preto (SP).

O Brasil será o segundo país com representação oficial da McLaren na América do Sul – o primeiro foi o Chile. Henry Visconde, presidente do grupo Eurobike, afirmou à QUATRO RODAS que a negociação incluiu uma visita de representantes da McLaren ao Brasil antes de o contrato ser assinado.

Formato dos faróis remete ao desenho do logotipo da McLaren Vitor Matsubara/Quatro Rodas

A primeira concessionária está em construção na zona sul de São Paulo, mais precisamente no bairro da Vila Olímpia. E a inauguração está prevista para janeiro de 2018.

O espaço seguirá  os padrões globais de identidade visual e atendimento da marca, de acordo com o importador. Segundo Visconde, os serviços de pós-venda poderão ser realizados tanto na loja paulista quanto em revendas de outras marcas representadas pela Eurobike, sob autorização da própria McLaren Automotive.

Profissionais da importadora, inclusive, já participaram de um treinamento ministrado pela McLaren, no México.

Rodas de alumínio são mais leves do que as convencionais Vitor Matsubara/Quatro Rodas

Inicialmente, a marca venderá os modelos 570 S, 570 GT, 570 Spider e 720 S. A empresa já aceita encomendas. Até agora um exemplar do 570 S Coupé já foi trazido e vendido (também de acordo com a Eurobike).

Pintado na cor Laranja Ventura, o carro tem o pacote Track Pack, que traz bancos de competição com estrutura em fibra de carbono, revestimento interno em Alcantara, rodas de alumínio mais leves e uma asa traseira 12 milímetros mais alta – que acrescenta 29 kg de pressão aerodinâmica a 241 km/h.

O motor V8 3.8 biturbo desenvolve 570 cv a 7.500 rpm. Dados informados pela marca indicam aceleração de 0 a 100 km/h em 3,2 segundos e velocidade máxima de 328 km/h.

Acabamento interno em Alcantara é um dos itens oferecidos no Track Pack McLaren/Divulgação
Painel totalmente digital exibe apenas informações essenciais para não distrair o motorista McLaren/Divulgação

Todas as possibilidades de personalização (incluindo cores externas e opções de revestimentos internos) serão oferecidas no Brasil. Esta é a razão alegada pela Eurobike para não definir preços exatos, já que os valores variam de acordo com a escolha dos opcionais.

Seletores alteram os modos de condução e estabilidade Vitor Matsubara/Quatro Rodas
Câmbio de sete marchas é acionado por teclas no console central Vitor Matsubara/Quatro Rodas

Mesmo assim, a Eurobike espera praticar valores próximos aos do já conhecidos no milionário mercado de superesportivos – algo em torno de R$ 1,5 milhão para o 570 S e R$ 2,5 milhões no caso do 720 S.

A expectativa é vender 25 unidades em 2018, “dependendo da situação econômica do país”, segundo Visconde.

Continua após a publicidade
Motor 3.8 V8 biturbo tem 570 cv – explicando o número 570 no nome do carro Vitor Matsubara/Quatro Rodas

O otimismo é grande a ponto de o presidente da empresa de importação já ter garantido uma unidade do P15, o hiperesportivo de aproximadamente 800 cv. Esse modelo é o sucessor do P1 e será lançado apenas em 2018.

Apesar da falta de informações oficiais, a revista Autocar especula que apenas 500 unidades serão produzidas. Cada uma delas não custará menos de 800 mil libras esterlinas.

Crise já afetou outras marcas de luxo

A McLaren desembarcará no país em um momento desfavorável para as marcas de luxo. Várias fabricantes desistiram do mercado brasileiro ou reformularam sua estratégia de venda nos últimos anos.

Aston Martin importou carros oficialmente para o Brasil durante seis anos Marco de Bari/Quatro Rodas

O caso mais recente é o da Aston Martin. Trazida pelo grupo SHC em 2011, a empresa encerrou suas operações no país em maio de 2017. As baixas vendas determinaram o fim da linha: apenas duas unidades do modelo Vantage foram vendidas em 2016, muito pouco para quem chegou a emplacar 36 unidades em um único ano.

Bugatti e Bentley também sentiram na pele os efeitos da recessão econômica. Representadas pela British Cars do Brasil, as empresas dividiram o mesmo estande no Salão do Automóvel de São Paulo de 2010.

A grande estrela do espaço na ocasião foi um Veyron, avaliado em R$ 7,7 milhões. Da mostra paulistana o carro partiu para a única concessionária da Bugatti no Brasil, onde ficou exposto à espera de um comprador.

Como isso nunca aconteceu, o veículo foi levado de volta à Europa e a Bugatti deixou o Brasil no começo de 2017.

Veyron no Brasil: oferecido por R$ 7,7 milhões
Veyron veio ao Brasil só a passeio: carro voltou à Europa sem comprador Marco de Bari/Quatro Rodas

A Bentley também deixou de ter um ponto de venda após o fim da sociedade estabelecida pela British Cars. Atualmente, a Caraigá (concessionária das marcas Audi e Volkswagen) é o único local autorizado a realizar os serviços de pós-venda dos carros da marca no Brasil.

Outro caso emblemático é o da Rolls-Royce. A lendária fabricante foi trazida pelo grupo Via Italia (importador autorizado das marcas Ferrari, Lamborghini e Maserati) em 2012. Na época, a importadora abriu uma grandiosa concessionária de 500 m2 na avenida Cidade Jardim, uma das vias mais nobres de São Paulo (SP).

A Rolls-Royce ainda está no Brasil, mas vende seus carros no showroom da Maserati Rolls-Royce/Divulgação

Porém, a falta de resultados expressivos (nenhum carro foi emplacado em 2016) fez a marca deixar o local alguns anos depois. Atualmente, os carros da Rolls-Royce estão expostos na loja da Maserati, localizada a menos de 3 km dali, na Rua Colômbia.

  •  

     

    Continua após a publicidade
    Publicidade