Lançar um modelo só na versão mais cara também tem seus riscos

As marcas costumam trazer para o Brasil só a versão topo de linha, cara e equipada, e só depois as intermediárias. A estratégia visa aumentar os lucros

Equinox estreou na versão topo de linha Premier

Equinox estreou na versão topo de linha Premier (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Na vida, aprendemos desde cedo que devemos começar por baixo para evoluirmos com o tempo. Na indústria automobilística, porém, essa regra é desrespeitada. Cada vez mais modelos estreiam só na versão cara e, tempos depois, ganham configurações mais baratas.

O Kicks é um bom exemplo. Chegou em julho de 2016 na versão top, SL, seis meses mais tarde, em novembro, ganhou a versão intermediária e só em maio de 2017 chegou a versão mais barata.

Com a Frontier não foi diferente. A picape estreou a nova geração em março na configuração LEa de entrada, SE, só veio em novembro.

Versão de entrada da Frontier chegou depois e perdeu equipamentos para ficar mais barata

Versão de entrada da Frontier chegou depois e perdeu equipamentos para ficar mais barata (Divulgação/Nissan)

O último caso aconteceu com o recém-chegado Equinox. O modelo estreou apenas na versão Premier, topo de linha e após dois meses ganhou a configuração LT mais barata.

A prática é pensada para que o carro seja oferecido com o que tem de melhor. Isso tem dois benefícios: cria uma boa imagem do modelo e maximiza os lucros, já que modelos mais caros trazem faturamento maior para o caixa da empresa.

Quando as versões mais baratas são lançadas, o modelo tem a chance de ser relembrado pelo público, além de ter suas vendas reforçadas.

O próprio Kicks, por exemplo, teve 146% emplacamentos a mais em outubro de 2017 em relação ao mesmo período do ano passado.

Nissan Kicks SL Kicks foi lançado no país na versão topo de linha SL

Kicks foi lançado no país na versão topo de linha SL (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A estratégia, porém, traz riscos. Pode espantar clientes que não têm dinheiro para levar a versão top e acabam desistindo, optando por levar um automóvel da concorrência.

Quem acha muito caro o Equinox Premier, de R$ 149.900, pode acabar migrando para o Jeep Compass Flex, de R$ 134.990.

Ao consumidor, só resta esperar que os lançamentos sejam à moda antiga, com todas as versões juntas, ou que as mais em conta não demorem tanto a chegar. Isso não é raro em modelos de entrada ou compactos. No segmento de luxo ou de nicho, a tendência é que os primeiros compradores paguem mais.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s