Clique e assine por apenas 8,90/mês

Lada Niva vai morrer após 43 anos na Europa para dar espaço ao Duster

Empresa controladora da Lada é parceira da Renault, que pretende conquistar órfãos do SUV na Europa ocidental com o Dacia Duster

Por Renan Bandeira - 1 jun 2020, 16h30
Divulgação/Lada

O Lada Niva foi lançado em 1977 na então União Soviética. Aqui no Brasil, o modelo chegou na década de 1990 logo após ser liberada a importação de veículos.

O SUV morreu precocemente por aqui, com apenas sete anos de mercado.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

No entanto, na Europa manteve-se à venda, sendo considerado um veículo com bom custo-benefício. Na Rússia, por exemplo, pode ser comprado por menos de US$ 9.000 (cerca de R$ 48.000).

Lada/Divulgação

O Niva recebeu sua última atualização no último ano, quando ganhou itens como ar-condicionado com botões giratórios, tomadas de 12 Volts, computador de bordo etc.

No entanto, as novidades não parecem ter sido eficazes para manter o SUV russo nas lojas.

Continua após a publicidade
Divulgação/Lada

De acordo com o site Jalopnik, um relatório da agência alemã Autonotizen aponta que o modelo está próximo de seu fim. Com mais de 40 anos de produção, uma remessa final de veículos teria chegado à Alemanha.

Ao que tudo indica, o Niva deixará de ser vendido na Europa Ocidental – onde concentra a maioria de suas vendas – assim que seu último lote acabar.

O motivo para isso parece é um tanto óbvio. Atualmente, a Lada é controlada pela empresa russa AvtoVaz, que possui parceria com a Renault.

O modelo manteve suas características quadradas e desatualizadas desde quando foi lançado e concorre com os SUVs de baixo custo na Europa, sendo um deles o Duster.

Dacia Duster Dacia/Divulgação

Ao que tudo indica, a Renault, atual dona da Lada, pretende migrar os clientes do SUV russo para o Dacia Duster, que é mais atualizado e possui maior potencial para brigar na categoria.

E, com isso, o Niva seria aposentado, pelo menos na Europa ocidental, sendo mantido em produção talvez apenas para abastecer mercados como Ásia e leste da Europa.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade