Jeremy Clarkson: Mercedes G 63 é o SUV ideal para desafiar os “anticarro”

Com dobradiças aparentes e chassi de carruagem, suvão mantém espírito da Primeira Guerra, mas tem tudo para encantar sua criança interior

O novo se parece bastante com o antigo: robusto, forte e com estilo militar

O novo se parece bastante com o antigo: robusto, forte e com estilo militar (Divulgação/Mercedes-Benz)

Com dobradiças aparentes e chassi de carruagem, o Mercedes G 63 mantém o espírito da Primeira Guerra, mas tem tudo para encantar sua criança interior

A rodovia M1 é a espinha dorsal da Grã-Bretanha. Todos os dias cerca de 140.000 veículos trafegam por ela. Por isso, é vital para o bem da nação – e nossa sanidade – que seja mantida aberta e fluindo.

Qualquer um com um mínimo de bom senso deveria perceber isso. Só que não. Porque um trecho de 21 km foi fechado por 12 noites.

Trabalhadores que convertiam o acostamento numa quarta faixa precisariam remover algumas árvores, mas não pelos métodos tradicionais, porque o barulho das árvores caindo poderia acordar uma família de ratinhos silvestres que hibernava ali.

Então, os trabalhadores foram forçados, andando na ponta dos pés, a estacionar os guindastes na pista, para que as árvores pudessem ser arrancadas com cuidado e em silêncio, antes de serem carregadas em caminhões que as aguardavam.

Como é que é? Isso não ia acordar os bichinhos?

O fato é que apenas 2% da Grã-Bretanha é pavimentada. E o resto é verde. O que significa que os ratinhos têm um monte de lugares para morar, e lamento, mas se uma dúzia deles tem de ser acordada para manter a espinha dorsal da Grã-Bretanha funcionando, então que seja.

Mas vivemos em tempos estranhos, em que o motorista fica abaixo da salamandra e do morcego na ordem de prioridades.

E certamente estamos muito abaixo dos pedestres. O instituto Health Watchdog anunciou que, quando estradas são construídas, quem está a pé deve ter prioridade em relação aos motoristas.

A vice-presidente disse até que deseja que as estradas sejam tão atraentes que as pessoas se sintam incentivadas a largar o volante e caminhar.

Sim, e talvez em vez de coletes salva-vidas, aviões deveriam ter paraquedas, para que passageiros que estejam sobrevoando uma bela paisagem do mundo possam saltar e fazer um passeio pelo lugar.

Nossos gloriosos líderes estão até pensando em instalar rotatórias estilo holandês, para facilitar a vida da espécie no topo da hierarquia social – o ciclista.

Há uma rotatória dupla onde eu moro, e em teoria ela não é complicada. Mas ela confunde qualquer um que a encontre. As pessoas ficam paradas ali por horas, catatônicas pelo espanto e confusão.

A rotatória holandesa tem um anel externo para ciclistas. Você dá a preferência a eles e, quando não houver mais nenhum, um carro por vez pode cruzar para o anel interior, que funciona como uma rotatória normal. Não funciona. É muito confuso.

Mas é o que nossos líderes desejam: que nós fiquemos confusos.

Compravam por achar que ele era descolado. E era mesmo!

Compravam por achar que ele era descolado. E era mesmo! (Divulgação/Mercedes-Benz)

Eles querem que fiquemos presos em um engarrafamento de 80 km causado por ratinhos dormindo. Eu sempre disse que se o automóvel tivesse sido inventado ontem, nenhum governo da Terra permitiria que a população em geral o usasse.

Ele seria reservado para os militares e serviços de emergência. A ideia de que você, um contador, pudesse usar um para visitar seus avós no interior, seria risível.

Mas como tivemos essa liberdade por mais de 100 anos, agora eles não podem simplesmente tirá-la. Então, estão incomodando tanto a vida do viajante independente que terminamos desistindo e tomando um dos seus ônibus.

E é por isso que você não pode evitar sorrir quando descobre que a Mercedes acabou de lançar o seu G-Wagen, ou Mercedes-AMG G 63, como ele é chamado agora.

O modelo antigo era, de fato, um caminhão militar.  Projetado nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial, era feito de carvão e latão e guarnecido com bordas afiadas e pontos onde você podia montar uma metralhadora Spandau.

Mas, então, no final do século 20, alguém resolveu que, se fosse equipado com um motor movido a gasolina em vez de vapor e revestissem o interior com couro, ele poderia ser usado por civis.

Apesar do seu preço ridiculamente alto, deu certo. Impulsionadas talvez pelo desejo de não ser mais um motorista de Range Rover, as pessoas compraram G-Wagens e andaram por aí neles, achando que estavam passando uma imagem descolada.

E estavam. Mas, Deus do Céu, eles eram terríveis de dirigir. E apertados. E beberrões. E burros.

O novo modelo tenta lidar com esses pontos fracos. E então, em vez de um sistema de direção feito de esperança, ele possui um conjunto de cremalheira e pinhão eletromecânico.

E em vez de uma suspensão dianteira feita de pedaços de um navio de guerra alemão, ele traz braços sobrepostos. Mas continua tendo um chassi de longarinas. Como uma carruagem.

Isso significa que, embora continue irrequieto enquanto você dirige, ele vai mesmo para onde você quer que vá. E como ele é maior do que suas versões anteriores, você não se sente mais esmagado lá dentro.

Por fora ele é bem parecido com o modelo antigo: robusto, forte e com estilo militar. Você ainda tem dobradiças aparentes e portas que você tem de bater forte – bem forte – para que realmente fechem.

Mas por dentro ele é totalmente diferente. Você tem telas com meio metro de largura e um sistema de iluminação que deixariam a boate Pacha, em Ibiza, com vergonha.

Todo adolescente que viu e sentou no G-Wagen que eu estava testando queria um imediatamente. E minha criança interior de nove anos também.

Eu gostei especialmente do motor, um V8 biturbo que desenvolve 585 cv e um torque de 86,7 mkgf, de romper os pulmões. Isso significa que você pode chegar a 100 km/h em 4,5 segundos, e isso é hilário.

Mas não tão hilário quanto os escapamentos que saem pelas laterais do carro, não na traseira. Por quê? Ora, por que não?

Você poderia imaginar que, como ele foi ajustado para a vida nas cidades, parte de sua capacidade off-road se perdeu. Talvez sim.

Mas o carro continua tendo uma enorme distância livre em relação ao solo e descobri que, mesmo com pneus de estrada, ele lidou melhor com uma estradinha de terra até do que o Land Rover mais lameiro.

Eu ainda escolheria ter um Range Rover. Ele tem mais dignidade. E não é tão caro. 

Mas eu adorei o G-Wagen, sobretudo porque simplesmente não há outro carro fabricado hoje em dia que enfrente tão firmemente a tempestade anticarros sem sentido que vem de todos os outros lugares.

Este é um carro que genuinamente desafia ciclistas, ratos silvestres e vigilantes do governo. E só por isso eu desejo o melhor para ele.

Clarksômetro

  • Mercedes-AMG G 63
  • Motor: 3.982 cm3, V8, biturbo, gasolina, 585 cv a 6.000 rpm, 86,7 mkgf a 2.500 rpm
  • Câmbio: automático, 9 marchas, 4×4
  • Peso: 2.560 kg
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 4,5 s e velocidade máxima de 220 km/h
  • Preço: 143.305 libras (R$ 717.000)
  • Nota do Jeremy: 4 estrelas

Jeremy Clarkson

É jornalista, apresentador do programaThe Grand Tour e celebridade amada pelos fãs e odiada por algumas marcas

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s