Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Honda City 2021 é o único carro da marca sem controle de estabilidade

Estilo não ganha jogo sem ajuda dos itens de segurança, o velho ponto fraco do hatch

Por Eduardo Passos Atualizado em 5 nov 2020, 19h51 - Publicado em 5 nov 2020, 19h49
O novo Honda City 2021 Divulgação/Honda

Quando um time de futebol balança, é normal que os cartolas substituam o treinador por outro de estilo bem distinto, em busca de um ‘fato novo’ que melhore as coisas. 

A Honda, entretanto, parece mais focada na próxima temporada e anunciou o City 2021 sem grandes mudanças; abrindo espaço para a próxima geração do sedã compacto.

Desenho disfarça o amplo porta-malas de 536 litros Divulgação/Honda

Segundo a japonesa, os destaques do novo modelo incluem faróis com regulagem elétrica de altura e sensor crepuscular para acendimento das luzes de série. Mas um dos pontos que mais chamam atenção é justamente a falta dos sistemas de controle de tração e estabilidade, e também do hill holder, que está relacionado a eles.

Todos os outros modelos da Honda trazem esse importante equipamento de segurança ativa (até mesmo os companheiros de plataforma Fit e WR-V).

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine por apenas R$ 5,90

Oferecido em cinco versões, o novo City tem preço inicial de R$ 67.800, na variante DX. O modelo de entrada já traz itens básicos como ar-condicionado e direção elétrica, além dos obrigatórios ABS e cinto de três pontos para os cinco ocupantes. Os faróis de led também seguem presentes.

Divulgação/Honda

A versão Personal é apenas R$ 390 mais cara e traz piloto automático do tipo ‘cruise control’ e câmbio CVT com conversor de torque, em substituição ao manual de cinco marchas do DX.

Umas das novidades mais significativas do novo City é a inclusão da central multimídia na versão intermediária LX (R$ 82.100), consideravelmente mais cara que os modelos mais simples. A central da Honda não enche os olhos mas cumpre o que se espera, já que oferece suporte às interfaces Android Auto e Apple CarPlay via tela de 7 polegadas. Além disso há assistente de voz para funções do celular, como atender e realizar chamadas.

Com 7 polegadas, a tela multimídia do City também está presente na versão intermediária Divulgação/Honda

Aproveitando a boa tela, a central oferece a visualização da câmera de ré com três ângulos de visão e indicação de distância por cores. E quatro ‘tweeters’ incrementam o sistema de som do veículo.

Continua após a publicidade

Se essa central já estava presente nas versões de topo do City 2020, as mudanças do City EX (R$ 87.400) se resumem a um novo porta-revistas atrás do banco do motorista.

Os destaques do modelo são os mesmos do ano anterior: ar-condicionado digital, airbags frontais e laterais (quatro, no total) e simulação de sete marchas via paddle shifts no volante.

Controle digital do ar-condicionado é comodidade dos Honda City mais caros Divulgação/Honda

Topo de linha, a versão EXL (R$ 93.100) agora traz retrovisor interno fotocrômico e mantém como diferencial um conjunto de seis airbags e faróis full-led.

Nada novo sob o capô

Se mesmo itens simples seguem inalterados no City 2021, é lógico supor que o modelo traz o mesmo bom motor 1.5 FlexOne da linha 2020.

Com 116 cv de potência e 15,3 kgfm de torque, o propulsor conta com o sistema i-VTEC, de abertura variável das válvulas, para otimizar seu desempenho e consumo.

Motor 1.5 flex do City Marco de Bari/Quatro Rodas

Uma falha grave, entretanto, segue sendo a falta dos sistemas de controle de tração e estabilidade em todas as versões. Por mais que a pandemia tenha motivado o Contran a adiar a obrigatoriedade desses itens

Sem ESP, a versão de topo EXL traz seis airbags Divulgação/Quatro Rodas

A falta de novidades da Honda é um indicativo que a nova geração do City, atrasada por conta do atípico 2020, está cada vez mais próxima. Já à venda na Ásia, o novo modelo terá a árdua missão de escalar a tabela dos sedãs compactos mais vendidos, na qual ocupa a 11ª posição.

Dado que concorrentes como o novo Versa trazem até sistemas de autonomia veicular, o próximo City finalmente deverá contar com mais mecanismos de proteção. Seus ‘fatos novos’ também incluem plataforma e motor, além de mudanças profundas no interior.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Continua após a publicidade

Publicidade