Clique e assine por apenas 8,90/mês

Holden: mãe do Omega australiano tem seu fim declarado pela GM

Divisão australiana da General Motors encerrará suas operações até 2021

Por Guilherme Silva - Atualizado em 17 fev 2020, 21h36 - Publicado em 17 fev 2020, 21h12
Holden Commodore se tornou Chevrolet Omega no Brasil Holden/Divulgação

Com uma estratégia cada vez mais focada na América Latina, Estados Unidos e China, a General Motors decretou o fim da subsidiária australiana Holden. Todas as atividades da marca, controlada pela gigante norte-americana desde 1931, serão encerradas até o ano que vem.

Dos cerca de 800 funcionários, 600 serão dispensados. Os 200 restantes serão mantidos no fornecimento de peças e assistência técnica por mais 10 anos para cumprir a lei australiana.

Linha da Holden é composta por carros de Opel. Chevrolet, GMC e Buick Holden/Divulgação

A Holden encerrou a fabricação de automóveis na Austrália em 2017. Desde então, comercializa versões de carros da Buick, GMC, Opel e Chevrolet com sua marca.

A GM também confirmou que deixará de produzir veículos na Tailândia, onde as instalações da fábrica de picapes serão vendidas à chinesa Great Wall. A empresa diz que “vai investir em mercados onde possui estratégias adequadas para impulsionar retornos sólidos e priorizar investimentos globais”.

Continua após a publicidade
Holden FX do final dos anos 1940 Holden/Divulgação

Há cinco anos, a GM já havia deixado a Rússia e tirado a marca Chevrolet da Europa. Em 2017, encerrou as atividades na África do Sul e vendeu as marcas Opel (Alemanha) e Vauxhall (Reino Unido) ao grupo francês PSA, dono da Peugeot e Citroën. Nos últimos anos, a empresa também deixou Índia, Indonésia e Vietnã.

Com vendas em queda na Índia e Oceania, a GM decidiu encerrar o desenvolvimento e produção de carros com volante do lado direito (mão inglesa).

Holden Ute SS Storm: uma picape baseada no Commodore e com motor V8 Holden/Divulgação

A Holden entrou no ramo de automóveis em 1908, mais de meio século após a sua fundação como fabricante de selas. A empresa foi adquirida pela General Motors em 1931, mas só fabricou o primeiro carro australiano após a Segunda Guerra Mundial.

A linha Commodore foi lançada em 1978, baseada no alemão Opel Senator, dando origem a diversos modelos, especialmente à peculiar picape Ute.

Continua após a publicidade
O Holden Commodore surgiu em 1978 Holden/Divulgação

Embora não tenha operado oficialmente no Brasil, a Holden foi responsável pela continuidade do Chevrolet Omega em nosso mercado, entre 1998 e 2012. A marca australiana enviava para cá o sedã Commodore, rebatizado com o nome do modelo criado pela alemã Opel.

O Omega australiano fez relativo sucesso por oferecer bom nível de equipamentos, espaço interno generoso e desempenho parecidos com os de sedãs de luxo de marcas europeias e japonesas. Ele era sempre equipado com motor V6 a gasolina, câmbio automático de seis marchas e tração traseira.

020215-celeb-07.jpg
Chevrolet Omega Fittipaldi: além de uma edição especial do Monza, o bicampeão mundial de F-1 Emerson Fittipaldi emprestou seu sobrenome a uma versão do Omega lançada em 2011 Marco de Bari/Quatro Rodas

A última configuração (que teve uma série especial em homenagem ao ex-piloto Emerson Fittipaldi), levava sob o capô o Alloytec V6 3.6 com injeção direta, que rendia 292 cv de potência e 36,7 kgf.m de torque.

O Omega acelerava de 0 a 100 km/h em bons 6,8 segundos e atingia os 235 km/h de velocidade máxima, segundo os dados de fábrica.

Continua após a publicidade

A plataforma Zeta do Commodore/Omega era compartilhada com outros carros de grande porte e tração traseira da General Motors, incluindo o Chevrolet Camaro de quinta geração, lançado no Brasil em 2010.

Publicidade