Clique e assine com até 75% de desconto

Guia de usados: Chevrolet Spin é imbatível na relação custo/benefício

Nenhum outro automóvel carrega tanto custando tão pouco

Por Felipe Bitu 5 mar 2020, 09h20
A versão Active7 chegou em 2018 trazendo o novo visual da Spin Christian Castanho/Quatro Rodas

Lançada em 2012 (já linha 2013), a Spin chegou com a árdua tarefa de, numa só tacada, substituir dois modelos de sucesso da GM: a Meriva e a Zafira. E foi outro sucesso.

A versão mais procurada é a LTZ com sete lugares e câmbio automático GF6, de seis marchas: bem escalonado, ele consegue explorar as limitações do arcaico motor Econo.Flex 1.8, com razoáveis 17,1 mkgf de torque e parcos 108/106 cv (etanol/gasolina).

Traz de série ar, direção, trio, ABS, airbag duplo, rodas de liga, computador de bordo, sensores de ré, volante multifuncional e regulagem de altura para volante e banco do motorista.

Vale pagar um pouco mais pelos modelos 2014 em diante, que já trazem a valorizada central multimídia MyLink com tela de 7 polegadas sensível ao toque.

Importante lembrar que a terceira fileira de bancos da LTZ acomoda bem crianças ou adultos baixinhos, mas decepciona pelo rebatimento difícil e por ocupar 157 litros no porta-malas. Por isso, a LT de cinco lugares satisfaz quem prioriza porta-malas (são 710 litros).

Frente à LTZ, a LT perde computador de bordo, sensor de ré e volante multifuncional.

Baseada na LT, a série Advantage estreou em 2014, sempre na cor cinza Mond e com decoração externa própria, faróis de máscara negra e rodas mais escuras.

A segunda fileira corre 6 cm em trilhos para abrir espaço para a terceira fileira Christian Castanho/Quatro Rodas

Em 2015, foi a vez da pseudoaventureira Activ, muito bem aceita, com seu estepe externo, apliques na carroceria e acabamento exclusivo. O conjunto mecânico não mudou, mas o vão livre do solo aumentou 8 mm em função das rodas de 16 polegadas e dos pneus 205/50.

O câmbio automático GF6-2 foi a maior novidade da linha 2016, 50% mais rápido nas trocas de marchas. Quem faz questão do câmbio manual deve escolher a 2017 em diante, que passou a ter seis marchas para reduzir consumo e ruído na estrada.

O motor foi recalibrado para 111 cv. O MyLink foi atualizado no modelo 2018, aceitando Android Auto e Apple CarPlay.

A única reestilização foi apresentada em meados de 2018: faróis mais refinados com filetes de led, lanternas avançando sobre a tampa e segunda fileira de bancos que desliza sobre trilhos. A Activ perdeu o estepe na traseira e assim ganhou a companhia da Activ 7, com sete lugares.

Ao longo dos anos, a Spin ficou devendo um motor mais atual, mais airbags e o ESP, indispensáveis em um carro com proposta familiar.

Tome cuidado só com minivans com kits GNV: os que foram instalados pela própria rede de concessionárias Chevrolet preservam a garantia total de três anos do veículo.

E evite a rara versão básica LS: é facilmente identificada pela ausência dos vidros elétricos e em muitos casos vinda de frotas governamentais sem um bom histórico de manutenção.

Onde o bicho pega

Câmbio: A caixa automática GF6 requer troca de fluido a cada 80.000 km sempre que tiver uso severo (engarrafamentos frequentes ou trajetos diários muito curtos). Alta vibração e trancos nas trocas são indícios de problemas mais sérios, abordados na seção Autodefesa: reparo caro e que exige mão de obra própria.

Chicote: Quedas na aceleração é resultado de mau contato no conector do chicote do acelerador ou danos por vazamento de solução da bateria. O defeito é seguido do código 84 no painel de instrumentos.

Embreagem:  Seu funcionamento irregular ocorre em função da entrada de ar no atuador hidráulico. A falha costuma ser sanada com a troca da peça (R$ 370, sem mão de obra) e sangria do circuito hidráulico.

Suspensão: O problema mais comum é o desgaste dos coxins dos amortecedores dianteiros. Por serem baratos, vale a pena verificar o estado geral dos amortecedores e outros itens como coifas, batentes e bieletas.

Ar-condicionado: Veja se não ocorrem falhas intermitentes na refrigeração, quase sempre geradas pela bobina do compressor. Nos casos extremos, é necessária a substituição completa do compressor.

Recalls: Foram sete. Fixação do powertrain, filtro e bomba de combustível, respiro do tanque, entrada de ar abaixo do para-brisa, caixa de fusíveis e relê da caixa de fusíveis.

A voz do dono

Nome: Vânia Fernandes
Idade: 54 anos
Profissão: funcionária pública
Cidade: Petrópolis (RJ)

Continua após a publicidade

O que eu adoro: “Gosto da posição elevada de dirigir, que ajuda na visibilidade e no acesso ao interior. Tem todo o espaço de que uma família precisa e é muito prática para o uso diário, sendo fácil de dirigir e de estacionar.”

O que eu odeio: “O isolamento acústico não é bom: motor, câmbio e freios formam uma sinfonia constante. Os plásticos do acabamento interno deixam a desejar e o consumo do modelo 2014 é alto sobretudo na estrada.”

Preço médio dos usados* (tabela KBB Brasil)

Modelo 2014 2015 2016 2017 2018

LS manual

36.038

46.404

47.431

LT manual 41.054

43.322

47.806

51.816

LT automática

35.523

43.969 46.082
LTZ manual

41.361

48.362 50.269 54.630

56.884

LTZ automática

44.243

48.741 52.766 57.504

61.377

Advantage automática

37.512

44.938 53.597

55.854

Activ automática 49.740 53.899 57.253

58.205

* Valores em reais calculados pela KBB brasil para A compra pelo particular

Preço das peças

Peças Original Paralelo
Para-choque dianteiro R$ 405 R$ 375
Farol completo (cada um) R$ 1.929 R$ 1.315
Disco de freio (par dianteiro) R$ 506 R$ 420
Pastilhas de freio (par dianteiro) R$ 389 R$ 331
Amortecedores (os quatro) R$ 1.236 R$ 1.160
Kit de embreagem R$ 982 R$ 735

Nós dissemos

Julho de 2012

“Para armar a terceira fileira de bancos da Spin, basta puxar duas tiras na parte de trás. A primeira rebate o encosto e a segunda move o conjunto todo para a frente. Três problemas: o conjunto não é bipartido, a tira elástica que prende o conjunto no apoio de cabeça da fileira central só alcança o do lado direito e, apesar de escamoteável, o banco extra não pode ser retirado.”

  • Pense também em um…

    Fiat Doblò

    Fiat Doblò

    Tem 18 anos de mercado e a última reestilização ocorreu há uma década: sobrevive em função de um projeto maduro, que não apresenta defeitos e pela versatilidade dos sete lugares (exceto na versão Adventure, com seis lugares em função do estepe externo). Como ele pesa no mínimo 1.250 kg, priorize sempre as versões com motor E.torQ 1.8 16V de 130/132 cv. 

    Continua após a publicidade
    Publicidade