Grandes Brasileiros: Volkswagen Saveiro (1ª geração)

Irmã do Gol, a picapinha tinha pique tanto para o trabalho como para a balada

Volkswagen Saveiro Esta frente foi a despedida da primeira geração

Esta frente foi a despedida da primeira geração (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Lá se vão 35 anos desde que o utilitário derivado do Gol aportou nas revendas Volkswagen. A Saveiro chegou ao mercado em 1982 como a terceira derivação do Gol, depois do Voyage e da Parati, e a terceira opção do segmento das picapes leves no país, depois da Fiat 147 Pick-up/City e da Ford Pampa. Era fiel ao primeiro Gol, com motor refrigerado a ar.

Sua capacidade de carga chegava a 570 kg, incluindo o peso do motorista. O estepe foi parar atrás do banco do passageiro, criando um ressalto visível da caçamba. A barra estabilizadora da suspensão, abolida no Gol, voltou na Saveiro, que adotou novas molas helicoidais e amortecedores recalibrados.

No eixo traseiro, uma válvula equalizadora ajudava na estabilidade durante as frenagens. O conjunto mereceu elogios de QUATRO RODAS no teste de estreia do modelo em outubro de 1982.

Volkswagen Saveiro Traseira com molas helicoidais: estabilidade elogiada

Traseira com molas helicoidais: estabilidade elogiada (Christian Castanho/Quatro Rodas)

Carregada, a Saveiro pedia terceira em subidas que faria em quarta, quando de caçamba abanando. Afinal, os 66 cv de seu motor 1.6 faziam apenas o possível. Com 141,038 km/h de máxima e 15,45 km/l de consumo rodoviário, a Saveiro agradou.

O primeiro comparativo das três picapes concorrentes mais a Chevy 500 da Chevrolet foi publicado na edição de agosto de 1984. Movida a álcool e com partida a frio automatizada, a Saveiro acelerou de 0 a 100 km/h mais rápido, em 16,95 segundos. Por outro lado, foi a que mais consumiu.

No ano seguinte chegaria o motor 1.6 refrigerado a água, o AP-600, acompanhado do câmbio de cinco marchas para a linha 1986. Mais potente e econômico, ele deixou o desempenho da Saveiro “esmagadoramente superior” em outro comparativo das quatro picapes, de outubro de 1986. Ela foi de 0 a 100 km/h em 11,80 segundos, com máxima ao redor de 160 km/h.

Em 1987, faróis, grade e lanternas foram redesenhados. O para-choque dianteiro ficou envolvente. Um ano depois painel, volante e rodas eram renovados.

Volkswagen Saveiro Acabamento simplificado na versão básica

Acabamento simplificado na versão básica (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O motor 1.8 de 95 cv viria em 1990, um ano antes dos faróis “chinesinhos” mais afilados. Apostando no apelo jovem do modelo, a VW lançou a série especial Saveiro Sunset, com aparência mais esportiva. Isso continuou com a Saveiro Summer de 1996. No ano seguinte, veio a injeção multiponto.

Após meses de buscas, foi por uma feliz coincidência que o leitor Leandro Coelho, comerciante de São Paulo, escreveu à redação oferecendo sua Saveiro CLi 1.8 para estas fotos.

Modelo 1997/98, ela é do último ano da primeira geração. “Era para ser um carro de uso e levar material de construção, mas, quando vi o carro tão conservado, limpo e polido, decidi evitar levar cargas”, ele afirma.

Volkswagen Saveiro Na caçamba, o ressalto ajuda a acomodar o estepe na cabine

Na caçamba, o ressalto ajuda a acomodar o estepe na cabine (Christian Castanho/Quatro Rodas)

A segunda geração, baseada no Gol “Bolinha”, veio em 1998. Levava 700 kg por ter entre-eixos maior. Para 1999, a versão TSi usava motor 2.0 de 109 cv. Nova frente em 2000, a versão esportiva Crossover de 2004, a SuperSurf de 2006 e os motores flex do mesmo ano foram as mudanças mais marcantes dessa geração até a chegada da atual.

Na história da VW no Brasil, o Gol fez valer seu nome pelos 22 anos como líder de mercado. Ele é um verdadeiro gol de placa. A Saveiro, um Gol de caçamba.

Veja também

Ficha técnica – VW Saveiro CLi 1.8

  • Motor: dianteiro, longitudinal, 4 cilindros, 1781 cm³, injeção multipoint, a gasolina
  • Diâmetro x curso: 81,0 x 86,4 mm
  • Taxa de compressão: 10,0:1
  • Potência: 98 cv a 5.500 rpm
  • Torque: 15 mkgf a 3.000 rpm
  • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Carroceria: picape cab. simples, 2 portas
  • Dimensões: comprimento, 406 cm; largura, 162 cm; altura, 137 cm; entre-eixos, 236 cm; peso: 883 kg
  • Suspensão: Dianteira: independente, McPherson, com suporte tubular, braços triangulares inferiores e amortecedores hidráulicos. Traseira: interdependente com corpo autoestabilizante de perfil em “V”, braços longitudinais tubulares, molas helicoidais e amortecedores hidráulicos telescópicos
  • Freios: disco na dianteira e tambor autorregulável na traseira
  • Rodas e pneus: aço, 13 X 5J, pneus Goodyear GPS2 175/70 R13

Teste QUATRO RODAS – maio de 1997

  • Aceleração 0 a 100 km/h: 11,18 s
  • Velocidade máxima: 167,3 km/h
  • Frenagem 80 km/h a 0: 32,4 m
  • Consumo: 11,1 km/l (médio), 9,8 km/l (cidade) e 12,9 km/l (estrada, vazio)
  • Preço (abril 1997): R$ 15.355
  • Preço (atualizado IPC-SP/FIPE): R$ 45.697
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. MRC web.solution

    “Em 1987, faróis, grade e lanternas foram redesenhados. O para-choque dianteiro ficou envolvente. Um ano depois painel, volante e rodas eram renovados.” – Que me lembre, embora tenha recebido os novos faróis e lanternas, em 87 ela ainda não tinha parachoque envolvente, o que passou a oferecer só na próxima reestilização da família BX, hoje chamada de “chineizinho”.
    Vale um conserto no texto Quatro Rodas, provavelmente esse estagiário não era nascido nessa época, e viu os exemplares que sobreviveram e foram modificados.

  2. Jorge Franco

    A 1.6 Cli 1997, faz 11 km na cidade e 18 na estrada a 110 de maxima, com carga leve e o motorista, com gasolina.