Clique e assine por apenas 8,90/mês

Fórum Mobilidade: pensar nas pessoas pode evitar caos urbano

Debate levanta problema de que as cidades são feitas para os carros; olhar para outros meios de transporte é uma boa sugestão

Por Vitor Matsubara - Atualizado em 25 set 2017, 20h34 - Publicado em 20 jul 2017, 18h33
Pedestres não são considerados na hora de projetar vias e construções urbanas Flavio Santana/Quatro Rodas

Pensar nas cidades como ambientes feitos para as pessoas, e não para os veículos.

Foi esta a premissa do debate “Arquitetura Urbana – Como Desenhar Cidades Eficientes”, realizado durante o Fórum Mobilidade, evento promovido pelas revistas QUATRO RODAS e SUPERINTERESSANTE, nesta quinta-feira, 20 de julho.

“A gente esquece que as cidades são para as pessoas. De nada adianta fazer pontos de acesso para os meios de transporte se a caminhada até lá for hostil. O foco do desenvolvimento das cidades precisa ser nas pessoas.

É claro que é válido pensar em cidades inteligentes, mas é preciso pensar nos cidadãos, pois são eles os protagonistas”, afirmou Mateus Silveira, diretor de tendências da FCA.

Continua após a publicidade

“A avenida Paulista é um bom exemplo de mobilidade, reunindo vários tipos de transporte em um mesmo lugar convivendo em harmonia. Temos faixa exclusiva para ônibus, estações de metrô, ciclovia e espaço para automóveis particulares e veículos de serviço de transporte privado e compartilhado, como Uber e 99”, completou Mateus.

VEJA AQUI A FALA DE MATEUS SILVEIRA, DIRETOR DE TENDÊNCIAS DA FCA

A jornalista e cicloativista Renata Falzoni engrossou o coro de Silveira, frisando que os automóveis não devem ser o centro das atenções.

Falzoni ressaltou a importância de pensar nos pedestres e ciclistas Flavio Santana/Quatro Rodas

“Não adianta investir apenas nas máquinas. É preciso olhar para o pedestre, projetar vias que obriguem os motoristas a reduzirem a velocidade ao fazerem curvas e outros tipos de manobras. Atualmente, as cidades não são projetadas para as pessoas”, analisou.

VEJA AQUI A FALA COMPLETA DE RENATA FALZONI, JORNALISTA

Continua após a publicidade

Já Guilherme Telles, diretor geral da Uber, ressaltou que não se deve execrar o automóvel. Segundo ele, os serviços de transporte compartilhado podem, sim, exercer um importante papel na redução do trânsito.

Diretor geral da Uber disse que serviço ajuda a diminuir número de carros nas ruas Flavio Santana/Quatro Rodas

“Compartilhar carros não é uma ideia nova, mas é uma ideia que se tornou possível graças à tecnologia. Se você faz um uso mais inteligente do carro, você não precisa mais de tantas ruas, avenidas e viadutos.

VEJA AQUI A FALA DE GUILHERME TELES, DIRETOR GERAL DA UBER

Serviços como a Uber ajudam a tirar carros de circulação das ruas, principalmente quando o usuário opta por viagens compartilhadas. Afinal, neste caso, são várias pessoas viajando em um único veículo”.

Fórum Mobilidade - patrocinadores
arte/Abril Branded Content
Publicidade