Clique e assine por apenas 8,90/mês

Flagra: novo Toyota Corolla está pronto para ganhar ruas em outubro

Décima segunda geração aparece quase sem camuflagem em rodovia de São Paulo. Entenda o que muda no sedã médio mais vendido no Brasil

Por Leonardo Felix - 26 jun 2019, 18h06
Flagra do Toyota Corolla híbrido flex Guilherme Barbosa/Quatro Rodas

Veja só quem está rodando quase sem camuflagem em plena rodovia Castelo Branco, que liga São Paulo Capital a Sorocaba e Indaiatuba, no interior do estado – cidades em que a Toyota possui fábrica.

Sim, é a nova geração do Corolla, e praticamente sem camuflagem. Apenas alguns pequenos pedaços de pano branco foram usados para esconder os traços dos balanços dianteiro e traseiro do modelo, quase que por uma questão protocolar.

Muito pouco para que não se dê conta de que se trata da linha 2020 do sedã médio. Tanto que o leitor Guilherme Barbosa, autor das imagens, sacou qual era o modelo tão logo o viu.

Protótipo estava quase sem camuflagem Guilherme Barbosa/Quatro Rodas

Resta saber se a unidade flagrada possui o tão aguardado motor 1.8 híbrido flex de ciclo Atkinson, herdado do Prius – assim como a plataforma modular TNGA.

Continua após a publicidade

No Prius, que é movido só a gasolina, o conjunto gera 123 cv de potência e 16,6 mkgf de torque combinados, dados que devem ser incrementados a partir da preparação para que também seja aceito etanol na câmara.

Visual do Corolla europeu será o mesmo adotado pelo modelo brasileiro Divulgação/Toyota

Versões convencionais do modelo usarão um 2.0 tetracilindro naturalmente aspirado, também bicombustível, só que novo, da família M20A-FKS: ele tem bloco de alumínio, injeção direta e 40% de eficiência térmica.

Tal motor rende ótimos 170 cv, substancialmente acima dos 154 cv do 2.0 usado atualmente. Já os 20,9 mkgf não mudam muito em relação ao pico de 20,7 mkgf do quatro-cilindros atual.

Design é mais conservador que o da esportiva versão norte-americana Divulgação/Toyota

A diferença é que a curva de torque será mais acentuada em rotações mais baixas, privilegiando arrancadas e retomadas.

Continua após a publicidade

Aliado a esta unidade motriz estará uma nova geração da caixa CVT (continuamente variável) com simulação de sete marchas da geração atual, incluindo uma engrenagem responsável apenas por atuar (e aprimorar) apenas nas arrancadas.

Novo desenho do painel rompeu completamente com a geração atual do modelo Divulgação/Toyota

Tanto o novo Corolla 1.8 híbrido flex quanto o 2.0 com injeção direta e câmbio CVT com marcha auxiliar serão lançados no mercado brasileiro em outubro, com visual similar ao sedã de 12ª geração que será comercializado na Europa.

Em relação a dimensões, serão 4,64 metros de comprimento (+2 cm), 1,78 m de largura (+1 cm) e 2,70 m de entre eixos (mesma medida do atual). Apenas os 1,43 m de altura do irmão europeu devem mudar, a depender da calibração de suspensões voltada ao mercado brasileiro.

Vale lembrar que o Corolla 2020 será produzido em Indaiatuba. QUATRO RODAS já experimentou a configuração híbrida do modelo. Confira nossas impressões clicando aqui.

Publicidade