Clique e assine por apenas 8,90/mês

Flagra: como será o novo Renault Duster nacional por fora e por dentro

Segunda geração do SUV - ou seria uma reestilização profunda? - será lançada no começo de 2020 com motor turbo (e certa dose de atraso)

Por Leonardo Felix - 11 jul 2019, 07h00
Novo Duster passeia quase pelado por Curitiba. Repare que as rodas são inéditas Eduardo Skrock/Quatro Rodas

A segunda geração do Renault Duster tardou um bocado, mas não falhará em chegar ao Brasil.

Eduardo Skrock, leitor de QUATRO RODAS e morador de Curitiba (PR), região metropolitana onde está localizada a fábrica da marca francesa – o complexo fica em São José dos Pinhais -, flagrou um protótipo rodando quase sem camuflagem pela capital paranaense.

Duster brasileiro terá grade diferente do Dacia Duster europeu Eduardo Skrock/Quatro Rodas

As imagens denunciam que o SUV está pronto para ganhar as ruas. E, conforme apurado por QUATRO RODAS junto a fornecedores, o lançamento acontecerá no primeiro semestre de 2020.

Skrock conseguiu fazer fotos de frente, de traseira e também de alguns detalhes internos do modelo.

Continua após a publicidade
Assim será a frente do nosso novo Duster Divulgação/Renault

A dianteira, obviamente, terá uma grade diferente em relação ao novo Dacia Duster europeu, alinhando o visual à atual identidade da Renault. Isso também forçará mudanças nos contornos superiores e vincos do para-choque.

O formato de faróis é igual, embora haja possíveis diferenças nos arranjos internos das luzes halógenas.

Já a traseira será idêntica à do modelo que recebe a insígnia da marca de baixo custo romena, incluindo lanternas com uma pegada “quadradinha” que parecem bastante inspiradas no Jeep Renegade.

A tração 4x4 continuará disponível como opcional no modelo nacional
Lanternas têm clara inspiração no Jeep Renegade Divulgação/Renault

É uma nova geração ou não é?

Esta é a grande discussão que permeará o lançamento do novo Duster. A julgar pelo fato de que o SUV manterá a antiga plataforma B0 e quase não sofrerá alterações de dimensões, a resposta seria não.

Continua após a publicidade

Na Europa, o Duster ganhou 0,5 cm de comprimento e 1 cm de altura, perdendo 0,2 cm de largura. A distância entre os eixos, porém, fica estagnada nos mesmos 2,67 metros de outrora.

Por outro lado, há muitas outras atualizações de carroceria: os moldes de praticamente todas as estampas diferem total ou parcialmente. O capô é mais elevado e arredondado.

Esta imagem mostra bem como o capô é mais alto e a coluna A, mais inclinada Eduardo Skrock/Quatro Rodas

A coluna A é mais inclinada, mudança estrutural importante, o que também levou à adoção de um novo desenho para as portas dianteiras.

A linha de cintura passará a ser ascendente e os vincos laterais acompanharão de maneira mais clara os contornos de portas e para-lamas. Até as soleiras são novas.

Continua após a publicidade
Aqui podemos ver como o novo Duster terá painel e volante iguais aos do modelo europeu Eduardo Skrock/Quatro Rodas

Entretanto, a tampa do porta-malas talvez seja a área que mais recebeu modificações: seus vincos delineiam as lanternas e sua faixa superior é proeminente em relação ao nicho de placa.

Por dentro, painel, volante e guarnições também são inteiramente novos.

Assim (ou quase assim) será o interior do novo Duster brasileiro Divulgação/Renault

A motorização receberá outro incremento importante: segundo o site Autos Segredos, o atual motor 2.0 quatro-cilindros naturalmente aspirado de 148 cv será substituído por um 1.3 turbo flex da família TCe, também tetracilindro, porém com injeção direta e potência na casa de 170 cv. Ele virá aliado a câmbio tipo CVT.

Nas versões mais baratas, o Duster manterá o atual 1.6 SCe de 120 cv com etanol, em opções manual ou automática continuamente variável.

Publicidade