Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Fazendeiro alemão processa Volkswagen por mudança climática

Ação pede que a VW encerre sua produção de veículos com motor a combustão até 2030. O tribunal solicitou mais detalhes e provas para apoiar os argumentos

Por Bruno dos Santos 23 Maio 2022, 19h41

Na última sexta-feira (20) a justiça alemã questionou as alegações do fazendeiro Ulf Allhoff-Cramer de que a Volkswagen é parcialmente responsável pelos impactos que o aquecimento global está causando em seus negócios.

Assine a Quatro Rodas a partir de R$ 9,90

Em suas alegações, o fazendeiro diz que o solo está mais seco por conta das mudanças climáticas e isso está prejudicando suas plantações, gado e florestas comerciais. Segundo ele, diversos outros agricultores também são atingidos com mais força e rapidez do que o esperado e que a VW, como segunda maior montadora do mundo, contribuiu para o dano.

vista aérea da fábrica da VW em Wolfsburg
Fábrica da Volkswagen em Wolfsburg, Alemanha Divulgação/Volkswagen

Na primeira audiência, o tribunal na cidade de Detmold pediu ao autor e seus advogados que fornecessem mais detalhes e provas para apoiar seus argumentos. O juiz também pediu esclarecimentos se o demandante já sofreu danos relacionados ao clima ou está apenas esperando que eles aconteçam. A próxima audiência está marcada para 9 de setembro.

O grupo ambientalista Greenpeace apoiou o caso e tem apoiado outros semelhantes na Alemanha para responsabilizar as empresas e o governo por essas mudanças climáticas. Alguns casos tiveram sucesso mas outros foram arquivados, enquanto um chegou ao tribunal superior da Alemanha e ordenou que o governo aumentasse seus esforços para reduzir as emissões de gases do efeito estufa.

Continua após a publicidade

Compartilhe essa matéria via:

No caso de Allhoff-Cramer, o fazendeiro pede que a VW encerre sua produção de veículos com motor de combustão até 2030. Porém, as montadoras alemãs já rejeitaram solicitações semelhantes de grupos ambientalistas no passado.

Em comunicado, a Volkswagen disse que pretende reduzir suas emissões “tão rápido quanto os negócios permitirem”, porém estabeleceu o prazo até 2050 para reduzir as emissões de dióxido de carbono para zero.

Além disso, também afirmou que não pode enfrentar esse desafio sozinha, alegando que a transformação também depende da regulamentação do governo, desenvolvimento tecnológico e colaboração do comprador.

A empresa acrescentou que acredita que disputas em tribunais civis através de ações judiciais contra empresas individuais com essa finalidade não são o lugar nem o meio para fazer justiça para essa tarefa importante.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Continue lendo, sem pisar no freio. Assine a QR.

Impressa + Digital

Plano completo de QUATRO RODAS. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da QUATRO RODAS, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Comparativo entre os principais modelos do mercado.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.

Receba mensalmente a QUATRO RODAS impressa mais acesso imediato às edições digitais no App QUATRO RODAS, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Tudo sobre as novidades automobilísticas do Brasil e do exterior.


a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)