Estepe de uso temporário pode ser proibido pelo governo

Tramitando na Câmara dos Deputados em Brasília, projeto de lei foi aprovado na Comissão de Defesa do Consumidor

Estepe temporário é mais fino e leve (Eduardo Svezia/Quatro Rodas)

Usado pelas montadoras em todo o mundo, o estepe temporário pode ser vetado no Brasil. Um projeto de lei do deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) passou pela primeira comissão na Câmara dos Deputados, e torna obrigatório a todos os veículos comercializados no país – nacionais ou importados – o estepe do mesmo tamanho dos outros quatro pneus.

Caso vire lei, a montadora que descumprir terá que indenizar o proprietário do veículo em 30 dias com 10% do valor do veículo. 

Os estepes temporários são mais finos e só podem ser utilizados em velocidade limitada de 80 km/h. Ao optar por este tipo de pneu, os fabricantes conseguem liberar espaço no porta-malas e, sobretudo, reduzir o peso do veículo.

A versão menor também causa menos danos ao meio ambiente (por usar menos material) e por ser mais leve, facilita a troca para pessoas mais frágeis em uma emergência.

Porém, o deputado Fábio Mitidieri (PSD-SE) não enxerga desta maneira. “O uso do estepe temporário pode trazer riscos elevados para os condutores e passageiros desses veículos”, diz o texto de Mitidieri. Esse trecho tramitará anexado ao projeto.

Na prática, o estepe temporário tem uso, como o próprio nome esclarece, restrito. Serve para que o veículo possa se locomover até o destino dos ocupantes. Ou até um local adequado para o reparo definitivo.

A comissão que aprovou o projeto no fim do último mês foi a de Defesa do Consumidor da Câmera dos Deputados. Restam outras três para análise, as comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços; de Viação e Transportes; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Após passar por todas essas fases na Câmara, o projeto vai para o Senado. Se aprovado, será encaminhado à Presidência da República. E, se for aprovado, o Brasil estará, mais uma vez, na contramão do mundo.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Waslon T. A. Lopes

    Lei para que as estradas sejam bem conservadas não existe, não é, nobre deputado?

  2. Waslon T. A. Lopes

    O estepe mais fino não atraem tantos gatunos!

  3. Fernando Bello Rodrigues de Freitas

    Aluguei uma Mercedes C200 – modelo dos mais simples da marca alemã – quem nem tinha estepe ! O carro anda com o pneu “vazio” até coisa de 100km; portanto, o estepe é desnecessário. Eita Brazil zil zil zil – a gente só anda pra trás.

  4. Dardan Moreira

    Político gasta tempo com o que não é necessário. Além de tudo não sabe o motivo da limitação do estepe provisório em 80 Km/h. Ele não vai estourar se chegar a 120 Km/h, por exemplo(máxima velocidade permitida nas estradas); o que acontece é que um carro esportivo com pneus 245 por exemplo, pode rodar em uma curva mais fechada ou em situação de chuva, pois esta´com um dos pneus de baixo atrito por ser fino , descompensando o controle de estabilidade do carro. Mas o uso do estepe é uma situação de emergência e o motorista não pode querer sair disputando racha com este pneu provisório, é claro.

  5. Alfredo Rocha

    Deve estar levando uma nota esse deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS) das fábricas de pneus

  6. Lucas Santos

    A desculpa para a proibição é porque traz risco a segurança!? Mas como assim? Acho que a preocupação é mais estética do que segurança.

  7. Lucas Santos

    A desculpa para a proibição é porque traz risco a segurança!? Mas como assim? Acho que a preocupação é mais estética do que segurança.

  8. EDUARDO MARTINS DOS REIS

    Pior que o estepe mais fino atrai os gatunos sim. Uma passada rápida no Mercado Livre se encontra estepe temporário de Audi a R$1500,00. Com relação ao kit de reparo, é uma temeridade ter que depender disso em nossas estradas lunares sendo que a maioria dos problemas são causados por rasgos e quebra de roda.

  9. Vanderlei Nunes

    Quem mora em cidade grande não liga pra estepe, temporário ou não. Agora pessoas iguai a mim que moram no interior do pais, que enfrentam estradas ruins e até de terra, sabem bem que esse estepe não funciona nas maioria das regiões do País. Repórter cita meio ambiente e espaço no porta malas como vantagem. Beleza, mas e a segurança fica aonde? Sugiro à Revista que faça um teste com estes estepes aqui nos rincões do Brasil. Tenho um New Fiesta Sedan 2014/2015 e joguei fora o estepe e coloquei um normal.

  10. Samir Tuffi Saliba

    O verdadeiro motivo para adotarem esse pneu “ultrafino”, no lugar de um pneu das mesmas medidas dos demais do veículo, sem dúvida é REDUÇÃO DE CUSTOS, para as montadoras.
    Como um pneu “ultrafino”, que não admite uma velocidade maior que 80km?h, pode ser “seguro”???
    E mais: Caso você esteja viajando com sua família num feriado prolongado, e o pneu fure, você será OBRIGADO A TERMINAR TODA A VIAGEM com esse pneu ultrafino…
    Apóio totalmente que os estepes sejam pneus IGUAIS aos utilizados nos veículos.
    Com o estepe “fino”, quem sai perdendo, mais uma vez, é o consumidor…