Clique e assine por apenas 8,90/mês

ESP completa 25 anos e logo estará em todos os carros brasileiros

Tecnologia foi criada por Bosch e Mercedes-Benz e a partir de 2022 será obrigatória em todos os carros novos do país

Por Renan Bandeira - Atualizado em 21 Maio 2020, 18h25 - Publicado em 21 Maio 2020, 16h26
Tecnologia foi desenvolvida por Bosch e Mercedes-Benz em parceria Bosch/Divulgação

Um dos sistemas de segurança ativa mais importantes presentes em um carro, o controle de estabilidade está completando 25 anos.

A criação é da Bosch em parceria com a Mercedes-Benz. Não por acaso, o primeiro veículo de produção em larga escala foi o Mercedes S 600 Coupé, em 1995. Mas começou a se tornar mais comum no Brasil há pouco tempo. Por força da lei.

Quer ter acesso a todos os conteúdos exclusivos de Quatro Rodas? Clique aqui e assine com 64% de desconto.

Seu objetivo é não deixar que o motorista perca o controle do carro em situações de risco como, desvios bruscos, curvas fechadas ou manobras em pistas molhadas.

Exemplo mostra o comportamento do veículo com ESP (linha contínua) e sem ESP (linha pontilhada) em uma manobra brusca para evitar colisão Bosch/Divulgação

Ele faz isso atuando nos freios, com pressão diferente em cada roda, de forma que o veículo volte em segurança à trajetória original em segurança. Para isso, depende de sensores de velocidade nas rodas, de inércia e de posição do volante, e do processamento dessas informações em um módulo eletrônico.

Em parceria com o controle de tração, o ESP também consegue controlar e limitar a força do motor para facilitar seu trabalho.

Continua após a publicidade

Exemplo disso é quando o condutor entra em uma velocidade acima do que devia para realizar determinada curva.

A tendência é que o veículo comece a sair do traçado da curva deslizando lateralmente. Neste momento, o controle de estabilidade entra em ação reconhecendo a derrapagem e atuando nos freios e acelerador do veículo para que ele retome a trajetória ideal.

Exemplo mostra ação do controle de estabilidade quando o veículo está em velocidade superior ao desejado para efetuar o traçado correto da curva Bosch/Divulgação

O nome do sistema pode variar entre os fabricantes. ESP (Electronic Stability Program) é o mais comum, mas também pode ser chamado de: VSA (Vehicle Stability Assist); PSM (Porsche Stability Management); StabiliTrak; AdvanceTrac; VSE (Vehicle Stability Enhancement); DSC (Dynamic Stability Control); VDC (Vehicle Dynamic Control); DSTC (Dynamic Stability and Traction Control); VSC (Vehicle Stability Control); VSC (Vehicle Skid Control); e ESC (Electronic Stability Control).

Controle de estabilidade faz toda a diferença em condições de baixa aderência, como chuva e neve Divulgação/Mercedes-Benz

No Brasil, o controle de estabilidade se tornou obrigatório nos veículos novos lançados a partir deste ano, como: Chevrolet Tracker, Fiat Strada e Volkswagen Nivus.

Modelos que estavam disponíveis no mercado durante o ano passado têm como prazo 2022 para adotar a tecnologia. Os veículos que receberam facelift ou novas versões neste ano não se enquadram como lançamentos e, portanto, seguem a mesma regra de adoção até 2022.

Botão de controle de estabilidade Christian Castanho/Quatro Rodas

Na dúvida se seu veículo conta com o sistema? Uma das formas é visualizando se no painel do veículo existe um botão com desenho de veículo derrapando (como na imagem acima). Esse botão serve para manter ativado ou não o ESP e o controle de tração. No entanto, é indicado que ele fique sempre acionado. Muitos carros nem sequer permitem que o sistema seja desligado.

Outras formas de tomar conhecimento sobre o equipamento é consultando o manual do veículo ou a ficha técnica com os componentes de segurança do modelo, e procurar uma das siglas citadas acima.

Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da edição de maio da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

Fernando Pires/Quatro Rodas
Continua após a publicidade
Publicidade