Dirigimos o novo McLaren GT: mais esportivo e confortável que os rivais

Modelo traduz como poucos o conceito GT que exige desempenho e espaço no porta-malas em doses generosas

McLaren GT chega este mês ao Brasil

McLaren GT chega este mês ao Brasil (Divulgação/McLaren)

A McLaren lança este mês no Brasil seu mais novo modelo, o McLaren GT. A novidade não é propriamente um segredo porque a Eurobike, que representa a marca no país, já havia informado que o modelo chegaria no segundo semestre de 2019.

A empresa, porém, não revelou a data precisa do evento e nem divulgou outras informações que serão reveladas somente na aparentação do carro, como o preço por exemplo.

Na Europa, o McLaren GT custa 228.000 euros, ou seja cerca de R$ 1 milhão (precisamente R$ 1.044.571, com o euro cotado a R$ 4,58). Mas esse valor é apenas o começo da conversa para o comprador brasileiro.

Traseira alongada abriga porta-malas de 420 litros

Traseira alongada abriga porta-malas de 420 litros (Divulgação/McLaren)

Considerando os custos envolvidos na importação (impostos, transporte, seguro) e as margens de lucro (importador, revendedor). Por isso, preferimos não arriscar.

O atual modelo topo de linha da marca no Brasil, o 720S Spider custa atualmente R$ 3,5 milhões.

Segundo informações, a apresentação do superesportivo à imprensa será estática, ou seja: os convidados não vão dirigir o modelo. Mas nós já dirigimos o carro em um evento de lançamento em Mônaco e vamos contar como ele se comporta.

O painel é minimalista mas completo

O painel é minimalista mas completo (Divulgação/McLaren)

As quatro palavras com que a McLaren define o seu novo modelo dão uma ideia bastante concreta dos objetivos que a jovem marca inglesa tem para o seu GT: “Aptidão para Cruzar Continentes”.

E pode-se acrescentar: com bastante conforto junto ao desempenho de superesportivo superior até mesmo ao de qualquer modelo de uma das três linhas da marca: Sports Series, Super Series e Ultimate Series.

As diferenças começam visualmente com a alongada traseira (é 14 cm mais comprido do que um 720S).

GT apresenta comportamento dinâmico exemplar

GT apresenta comportamento dinâmico exemplar (Divulgação/McLaren)

Apesar de bem mais comprido, o GT consegue manter seu peso sob controle porque, tal como qualquer McLaren, a sua estrutura é em fibra de carbono com os painéis de carroçaria em alumínio, o que ajuda a explicar o peso total de 1.530 kg.

Esse peso é 300 kg menor do que um Aston Martin DB11 e, claro, isso beneficia e muito o rendimento. A relação pesoxpotência é de 2,47 kg.

O motor (de 4 litros, V8, de 620 cv, do 720S mas com turbos menores e taxa de compressão maior para favorecer respostas em baixos regimes) foi rebaixado para aumentar o volume do porta-malas.

McLaren GT V8 de 620 cv fica na posição central traseira

V8 de 620 cv fica na posição central traseira (Divulgação/McLaren)

E, na verdade, 570 litros de bagagem (divididos em 150 na frente e 420 atrás) é mais do que muitos sedãs com que nos cruzamos diariamente, muito por mérito do compartimento traseiro.

O ambiente a bordo (com acesso pelas conhecidas portas com abertura  em tesoura) mudou bastante, por várias razões. Os bancos são mais confortáveis do que em qualquer outro McLaren e há uma nova geração de sistema multimídia com tela de 10”, operação mais intuitiva e software de navegação mais moderno.

O painel de instrumentos também tem visual mais moderno, com a tela de 12,3”, combinando elementos analógicos com digitais, que variam as informações de acordo com o modo de dirigir selecionado (Comfort, Sport ou Track).

McLaren acelera de 0 a 100 km/h em 3,2 segundos

McLaren acelera de 0 a 100 km/h em 3,2 segundos (Divulgação/McLaren)

O teto panorâmico em vidro pode ser escurecido com sistema electrocromático para variar a cor e a opacidade em cinco níveis.

O motor V8, como é tradição na McLaren está colocado atrás da cabeça dos ocupantes e faz a sua presença notada constantemente, muito mais do que num GT clássico como um Aston Martin DB11 ou num Bentley Continental GT, que são rivais mais luxuosos, mais espaçosos mas menos esportivos.

Mesmo com as válvulas de escape em modo Comfort o ronco está sempre presente como pano de fundo recordando a natureza de marca esportiva do carro, sendo depois possível escutar a sua banda sonora mais radical quando mudamos o programa de condução do motor para Sport ou Track.

E o motorista com tímpanos menos sensíveis pode até optar pelo escape esportivo opcional, em titânio, para tornar tudo muito mais dramático.

Nos primeiros quilometros do test-drive feitos em zonas urbanas se torna evidente o conforto da afinação da suspensão. O GT é equipado com o sistema pro-ativo de controle de amortecimento que existe no 720S e que em apenas 2 milésimos de segundo deixa os amortecedores preparados para o tipo de asfalto e traçado.

Depois, na estrada, a precisão e rapidez inacreditáveis da direção (porque continua a ser hidráulica) ajudam a conservar aquele comportamento difícil igualar por outro rival, especialmente se se tratar de qualquer dos GT britânicos da Aston e da Bentley.

Portas têm abertura do tipo tesoura, para cima

Portas têm abertura do tipo tesoura, para cima (Divulgação/McLaren)

O câmbio automático de 7 velocidades e dupla embreagem consegue gerir com mestria o torque que lhe chega (mais de 95% do total de 64,3 mkgf entregue das 3.000 rpm) e envia às rodas traseiras calçadas com pneus 295/30 R21 (na frente: 225/35R20).

Os freios com discos cerâmicos reforçam a sensação de segurança quando dirigimos mais perto dos limites.

Segundo a fábrica, o GT acelera em 3,2 s de 0 a 100 km/h, atinge 323 km/h de velocidade máxima, um comportamento deliciosamente eficaz e fácil de controlar no mesmo carro que pode fazer uma viagem tranquila de costa a costa de um grande país ou ir ao supermercado abastecer a casa.

Tampa traseira dá acesso aos reservatórios de água e óleo

Tampa traseira dá acesso aos reservatórios de água e óleo (Divulgação/McLaren)

A McLaren calcula que 1 em cada 4 McLaren vendidos no mundo a partir de 2020 possam ser exemplares do  GT, do qual não vai existir qualquer versão conversível. Quanto muito, um 2+2 para vestir com mais propriedade a pele de Gran Turismo da família.

 

Ficha Técnica – McLaren GT

  • Preço: 228.000 euros (na Europa)
  • Motor: gasolina, V8, central traseiro longitudinal, 32 V, injeção direta, biturbo, intercooler, 3994 cm³, 93 mm x 73,5 mm, 620 cv a 7.500 rpm, 64,3 mkgf a 5.500 rpm
  • Câmbio: automatizado com dupla embreagem, 7 velocidades, tração traseira
  • Suspensão: independente duplo A nos dois eixos
  • Freios: discos cerâmicos ventilados nas quatro rodas
  • Direção: hidráulica
  • Pneus: 225/35 R20 (diant.), 295/30 R21 (tras.)
  • Dimensões: comprimento, 468,3 cm ; largura 204,5 cm;  altura, 122,3 cm; entre-eixos, 267,5 cm; porta-malas  570 litros; tanque 72 l; peso, 1.530 kg
  • Desempenho: 0 a 100 km/h em 3,2 s; velocidade máxima, 326 km/h; 100 a 0 km/h, 32 m; consumo (ciclo misto) 8,4 km/l.

(Dados de fábrica)

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s