Designer da Volkswagen explica o projeto do novo Polo

Klaus Bischoff disse que, apesar da necessidade de renovar o hatch, fugir da identidade visual da VW seria uma atitude 'estúpida'

Vários modelos da marca serviram de inspiração para o projeto

Vários modelos da marca serviram de inspiração para o projeto (divulgação/Volkswagen)

Deixar o design mais esportivo e imponente sem desprezar as heranças do passado. Foi este o principal desafio da equipe comandada por Klaus Bischoff, diretor de design da Volkswagen AG, antes do desenvolvimento do novo Polo – cuja produção no Brasil (ao lado do sedã Virtus) foi confirmada oficialmente pela marca.

“O Polo já vendeu mais de 14 milhões de carros pelo mundo. Isso é mais do que suficiente para dizer que precisávamos preservar sua identidade. Afinal, todo mundo quer construir uma identidade e, uma vez que você consegue, deve preservá-la a todo custo. É por isso que, ao mesmo tempo em que precisávamos renovar o Polo, havia a preocupação de não desvirtuar as características do modelo”, afirmou em entrevista durante o lançamento do carro, em Berlim.

Coluna traseira ganhou uma vigia para ficar mais fina – no Golf, ela é sempre mais larga

Coluna traseira ganhou uma vigia para ficar mais fina – no Golf, ela é sempre mais larga (divulgação/Volkswagen)

Como quase sempre acontece com as novas gerações, o Polo cresceu 7 cm no comprimento, outros 7 cm na largura e 9 cm na distância entre-eixos em relação a seu antecessor – a 5ª geração, que não veio para o Brasil. Bischoff afirmou que houve um cuidado especial para não deixar o hatchback desproporcional.

“Nós queríamos fazer um Polo mais esportivo e, para tanto, deixá-lo mais baixo e aerodinâmico era essencial. Mas, antes disso, precisávamos alargar a carroceria para manter as proporções. Tudo isso sem prejudicar a funcionalidade, uma característica primordial de nossos carros. O carro ficou maior porque as pessoas exigem carros cada vez maiores e mais espaçosos”, afirmou.

Capô dá a impressão de invadir a grade, como no Arteon

Capô dá a impressão de invadir a grade, como no Arteon (divulgação/Volkswagen)

Apesar da evidente semelhança com o Golf (prontamente rechaçada por Bischoff, diga-se), vários modelos da atual gama de produtos (e até futuros lançamentos) da Volkswagen serviram de referência para os designers. Mesmo assim, Klaus ressaltou o cuidado na preservação da identidade do Polo construída ao longo das últimas gerações.

“Cada produto tem uma personalidade diferente que deve se sobressair. É isso que faz o Polo ser totalmente diferente do Golf. Aproveitamos alguns elementos que o aproximam de nossos outros modelos, como o Passat, o Arteon e o futuro Touareg. Mas tudo isso sem esquecer da identidade de marca. Seria estúpido de nossa parte não mantê-la e especialmente não capitalizar em cima de algo que lutamos tanto para conseguir. Sem contar que seria um pecado se alguém visse o novo Polo e pensasse: ‘sim, é um Volkswagen, mas qual carro?’”, afirmou.

Lanternas ficaram maiores e mais largas…

Lanternas ficaram maiores e mais largas… (divulgação/Volkswagen)

... e acabaram bem parecidas com as do Gol brasileiro … e acabaram bem parecidas com as do Gol brasileiro

… e acabaram bem parecidas com as do Gol brasileiro (Marco de Bari/Quatro Rodas)

O interior também chamou bastante a atenção da mídia especializada durante sua apresentação global, realizada em Berlim, na Alemanha. Diferente da maioria dos compactos desenvolvidos pela VW até então, a tela da central multimídia ocupa lugar de destaque, acima, inclusive, das saídas de climatização. Segundo Bischoff, esse layout reflete a importância dos sistemas de entretenimento e conectividade a bordo.

Além do painel de instrumentos digital, interior tem uma nova central multimídia como destaque

Além do painel de instrumentos digital, interior tem uma nova central multimídia como destaque (divulgação/Volkswagen)

“Preparar nossos produtos para um futuro cada vez mais conectado é essencial. Antes, os clientes se preocupavam apenas em ouvir música e os painéis eram mais simples. Hoje, se o cliente não consegue parear seu iPhone, ele desiste da compra. Nós mudamos toda a estrutura do painel e do interior por conta da preocupação com a conectividade. É preciso administrar tantas funções simultaneamente de uma forma simples, que permita a qualquer pessoa acessar tudo rapidamente”.

“Agora podemos acessar uma ampla variedade de rádios ao toque de um botão, podendo escolher também entre suas músicas favoritas armazenadas em dispositivos portáteis ou até em aplicativos como o Spotify. Hoje temos GPS, controles de climatização, som, telefone agrupados em um lugar só. Nosso papel é ter certeza de que fornecemos o maior número de funções possíveis ao alcance das mãos, sem distrair o condutor”, concluiu.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Daniel Pardo

    O Polo vendeu bem em vários países, menos aqui no Brasil, onde o carro não teve lá esse sucesso todo, embora seja um bom carro, sem contar que a revenda dele no mercado de usados daqui é fraca, será que a Volks vai mesmo tirar o nome “Gol” de vez do mercado brasileiro e lançar esse carro aqui no Brasil com um nome de um carro que não foi lá bem aceito por aqui??

  2. Continua com cara de Gol Gourmet..

  3. Jorge Franco

    Vocês sabem que a opinião valida sera obtida depois que você comprar o carro e dirigi-lo, o meu primeiro Polo me surpreendeu otimo carro só faltava o EBD é um motor mais forte que o antigo 1.6, que alias vendi com 200 mil kms, ainda com muita saúde.

  4. Valmir Silva

    Uma outra reportagem diz que o novo Polo não aposentará o Fox. Já o Klauss esse certamente deve pendurar as chuteiras

  5. Jorge Danilo de Oliveira

    Que o carro ficou bonito ninguém tem dúvida, mas essa cara de “golzinho bombado” não vai ajudar muito nas vendas por aqui. Parece um Gol em proporções maiores. Mais do mesmo?

  6. João Paulo S. Oliveira

    gostei da central acima das saídas de ar pq, com as mesmas localizadas mais abaixo, evita que tenhamos que ajustar o direcionamento do ar para não levar ar gelado no rosto em vez do tronco. (de resto vou morrer afirmando que parece um gol “bombado” ! XD)

  7. a volks diz te 7 bilhoes pra gastar, e em 2016 o golf vendeu só 5.966, se abaixarem o Golf 1.0 de 78 para 58 mil vai vender igual agua, todo mundo vai preferir o golf 1,0 do que onix, HB20, gol, palio, fox ou sandero, se vender 6 mil GOLF’s ao ano esses 20 mil de desconto seriam 120 milhoes, que os 7bilhoes cobrem perfeitamente, o troco dos 7 bilhoes a Volsk ficaria pra ela de lucro…. e todo mundo ficaria feliz. e esse novo painel bonito, coloquem nos Golf mais caros, simples assim.

  8. Aquela hora que o sujeito tem um golf/2016 e percebe que o polo ficou igual…

  9. Jorge Franco

    Depois eu conto, vou trocar meu atual VW por esse belo e eficiente carro desde que o motor seja um TSi pode ser o 1.4.

  10. Sergio Augusto

    A Vw e esse motor 1.0 tsi capado equipando o Golf e Polo e o povo gado, achando o máximo da tecnologia.