Clique e assine por apenas 5,90/mês

Impressões: VW T-Cross nacional tem design exclusivo e motores turbo

SUV do Polo tem motores 1.0 TSI e 1.4 TSI e entre-eixos maior que o da versão europeia

Por Gabriel Aguiar - Atualizado em 4 out 2018, 15h39 - Publicado em 3 out 2018, 10h20
VW T-Cross
Versão nacional do T-Cross terá pequenas diferenças em grade e para-choque Du Oliveira/Quatro Rodas

Já conhecemos o Volkswagen T-Cross em agosto, quando QUATRO RODAS viajou até Munique, na Alemanha, para dirigir o futuro rival de Ford EcoSport, Honda HR-V e Jeep Renegade em sua configuração para a Europa.

Agora, tivemos contato com o modelo fabricado no Brasil, exatamente como chegará às lojas no próximo ano e que será apresentado durante o Salão do Automóvel de São Paulo.

Dirigimos o T-Cross ainda com camuflagem Divulgação/Volkswagen

“Esse é um carro diferente, feito para o Brasil e com o desenho diferente”, diz o presidente e CEO Latam da Volkswagen Pablo di Si. “É feito para a América Latina, mas desenhado no Brasil e com clínica aqui”, completa.

Como ele é?

Assim como o Polo brasileiro, o T-Cross terá suas particularidades no design em relação ao modelo europeu. Para-choque frontal e a grade são exclusivos para o mercado local.

VW T-Cross
A peça que une as lanternas terá apenas refletores Du Oliveira/Quatro Rodas

Mas a principal diferença em relação à configuração europeia está no tamanho: aqui, o SUV terá entre-eixos alongado em 8,6 cm, chegando aos mesmos 2,651 m do sedã Virtus. O comprimento total é de 4,199 m, sendo 81,7 cm de balanço dianteiro e
73,2 mm de balanço traseiro –  no Polo, são 80,4 cm e 68,8 cm, respectivamente. 

A suspensão tem calibração específica para o Brasil, o que ainda rendeu vão livre em relação ao solo 1 cm maior. O T-Cross brasileiro tem 1,568 m de altura, 10 cm a mais que um Polo ou Virtus.

Porta-malas terá capacidade de 420 litros Divulgação/Volkswagen

Como o ganho nas dimensões estão concentrados no entre-eixos, o porta-malas do carro nacional é tão pequeno quanto do europeu. A adoção do estepe temporário fez a capacidade cair de 385 litros para 373. Contudo, é possível chegar aos 420 litros deixando o encosto dos bancos traseiros praticamente na vertical, desconfortável para qualquer passageiro. Ao menos há tomada 12V no porta-malas.

VW T-Cross
A pintura em dois tons será opcional, assim como o teto solar exclusivo Du Oliveira/Quatro Rodas

Haverá duas motorizações, como já tinha sido confirmado. Nas versões de entrada, 200 TSI, será 1.0 TSI com 128 cv de potência, enquanto as mais caras, 250 TSI, terão O 1.4 TSI flex de 150 cv.

SUV brasileiro tem entre-eixos 8,6 cm mais longo que o do europeu Divulgação/Volkswagen

Diferentemente da Europa, onde há até doze combinações para a carroceria, o modelo feito em São José dos Pinhais (PR) terá oito cores disponíveis (e detalhe colorido no painel). São elas: branco, preto, prata, cinza, azul, vermelho, laranja e bronze. O teto preto é opcional em todas elas.

Quais equipamentos ele terá?

Há uma mistura de equipamentos já vistos em Polo, Jetta e até no Tiguan. É o caso do teto panorâmico, que vai até a metade do banco traseiro e tem abertura elétrica. Será opcional, assim como o sistema de som Beats de 300W com amplificador e subwoofer (que estreou no Polo e no Virtus) e o assistente de baliza Park Assist 3.0, presente em Tiguan e Jetta.

VW T-Cross
A parte superior da cabine repetirá boa parte do visual de Polo e Virtus Du Oliveira/Quatro Rodas

 

Continua após a publicidade

 

Continua após a publicidade

Como o sedã médio, o T-Cross também terá iluminação ambiente do interior, faróis e lanternas de leds e seletor de modos de condução (Eco, normal, sport e individual) nas versões mais caras, com motor 1.4 TSI. O quadro de instrumentos digital, com tela de 10 polegadas como no Polo, também estará apenas nas versões mais caras.

O que o Jetta não tem mas o T-Cross terá são as saídas de ar-condicionado para o banco traseiro. Este equipamento não existe na Europa, mas estará em todos os T-Cross brasileiros. O console central ainda abrigará duas portas USB para o banco traseiro (há mais duas para os bancos da frente.

Também serão equipamentos de série seis airbags (frontais, laterais e de cortina), frenagem pós-colisão, detector de fadiga e controles de estabilidade e tração.

Serão duas as opções de rodas: diamantadas aro 17″ com pneus 205/55 e convencionais,aro 16″, com pneus 205/60.

Como ele anda?

Durante a apresentação na Fazenda Capuava, no interior de São Paulo, avaliamos a configuração com motor 250 TSI – igual àquele já usado por Golf e Jetta no Brasil.

SUV estará disponível com motores 1.0 e 1.4 TSI Divulgação/Volkswagen

Entretanto, as respostas do conjunto na pista não eram tão vigorosas quanto nos modelos médios.

A impressão é de que o desempenho será parecido com a dupla Polo e Virtus (com quem o SUV divide a plataforma) nas versões topo de linha 200 TSI. O câmbio de seis marchas faz reduções rápidas, enquanto o modo Sport eleva o limite de giros a quase 6.500 rpm (e também o ruído que invade a cabine).

SUV estreia nas lojas no começo de 2019 Divulgação/Volkswagen

Há função Sport e borboletas para trocas de marchas (para a inveja do Jetta), mas o controle de velocidade adaptativo não estará disponível para o Brasil.

A direção tem boa progressividade, sendo bem leve em manobras e ganhando peso à medida que a velocidade aumenta. Já a suspensão tem ajuste mais firme, que contém as rolagens da carroceria e transmite algumas imperfeições do solo quando equipado com rodas aro 17.

Em relação aos modelos já disponíveis hoje, o ajuste lembra o Honda HR-V. Mas os pneus Bridgestone 205/55 R17 EP150 Ecopia cantam com facilidade nas curvas a cerca de 60 km/h.

Continua após a publicidade
Publicidade