Clique e assine por apenas 8,90/mês

Clássicos: FNM 2150, o sedã brasileiro refinado pelo toque da Alfa Romeo

Tecnicamente sofisticado, o ítalo-brasileiro FNM 2150 recebeu melhorias da Alfa Romeo para manter seu apelo de luxo e esportividade

Por Felipe Bitu - 20 mar 2020, 07h00
Receita das pistas que rejuvenesceu um velho projeto Christian Castanho/Quatro Rodas

Primeira indústria automobilística do Brasil, a FNM (Fábrica Nacional de Motores) foi fundada em 1942 e em 1950 deu início à parceria com a também estatal Alfa Romeo.

Dez anos depois surgiu o FNM 2000 JK, nosso mais avançado automóvel de passeio. Rápido, veloz e muito estável, fez grande sucesso em nossos autódromos e foi sucedido pelo FNM 2150 em 1969.

A primeira aparição do FNM 2150 foi no Salão do Automóvel de 1968, ano em que a Alfa Romeo adquiriu o controle da FNM.

O mesmo estilo básico desde 1960 Christian Castanho/Quatro Rodas

Foi a ocasião perfeita para apresentar aperfeiçoamentos técnicos e estéticos capazes de mascarar a idade do projeto (que era dos anos 50) e assim garantir sua sobrevida até a chegada do Alfa Romeo 2300.

Continua após a publicidade

O elemento de estilo mais marcante do FNM 2150 era o capô baixo, inspirado na versão esportiva TIMB (Turismo Internacional Modelo Brasileiro) do FNM 2000.

Sob ele, estava o novo motor com 125 cv (10 a mais que o FNM 2000), graças à cilindrada aumentada de 1.975 cm³ para 2.132 cm³ e à nova taxa de compressão, que subiu de 7,25:1 para 8,25:1.

Essa receita foi desenvolvida pela equipe de competições da FNM e aprovada por grandes nomes das pistas, como Christian Heins e Chico Landi.

Cabeçote com duplo comando de válvulas e fluxo cruzado Christian Castanho/Quatro Rodas

A escuderia encerrou suas atividades em 1962, mas equipes independentes continuaram se beneficiando do motor de alumínio e seu exclusivo cabeçote com duplo comando de válvulas e câmaras de combustão hemisféricas.

Continua após a publicidade

Outro avanço do FNM 2150 foi o servofreio, suavizando o acionamento dos enormes tambores ventilados nas quatro rodas em altas velocidades.

Os pneus radiais Pirelli colaboravam substancialmente para a elogiada estabilidade: a tendência ao subesterço nas entradas de curva era facilmente corrigida com uma pisada no acelerador.

Em destaque, o conta-giros é o maior dos instrumentos Christian Castanho/Quatro Rodas

Um dos opcionais mais interessantes era a alavanca de câmbio no assoalho, acompanhada do console central e dos bancos dianteiros individuais.

A vantagem desta configuração era melhorar o acionamento das cinco marchas e, assim, aproveitar melhor os altos regimes de rotação do motor: o conta-giros se destacava no painel por ser o único instrumento circular.

Continua após a publicidade

O novo fôlego do motor fazia do FNM 2150 um carro mais rápido que seu antecessor: a aceleração de 0 a 100 km/h caiu de 19 para 16 segundos, bom número para um grande sedã de 1.360 kg.

Imitação de jacarandá no painel Christian Castanho/Quatro Rodas

A velocidade máxima de 154,21 km/h era alcançada em quinta marcha e podia ser mantida por várias horas sem superaquecimento ou queda na pressão de óleo.

O consumo médio de 9,4 km/l na estrada a 100 km/h era bom, considerando seu porte e desempenho, mas o FNM 2150 também tinha seus pontos fracos.

A direção era pesada em baixas velocidades; a vedação da carroceria, ineficiente; a qualidade de construção, precária; e a alta taxa de compressão exigia o uso da cara gasolina azul.

Continua após a publicidade
Christian Castanho/Quatro Rodas

A idade do FNM 2150 foi realçada pela chegada de rivais como Dodge Dart e Chevrolet Opala, que, apesar de não terem o mesmo refinamento técnico, garantiam performance superior devido à elevada cilindrada de seus motores.

A hegemonia da escola norte-americana entre os automóveis de luxo havia sido estabelecida em 1967 com o lançamento do Ford Galaxie.

O velocímetro de escala horizontal foi abandonado no modelo 1970, que recebeu sistema de direção com acionamento mais leve e a opção dos freios dianteiros Girling a disco.

Um legítimo Alfa Romeo, mesmo sem ser Christian Castanho/Quatro Rodas

O para-choque traseiro tornou-se uma única peça, a ponteira do escapamento foi reposicionada e o espelho retrovisor interno passou a ser fixado no teto e não mais no painel.

Continua após a publicidade

Vendido nas versões “normal” e “luxo”, esse foi o ano de maior sucesso do 2150, com 1.209 unidades produzidas.

O modelo 1971 adotou um novo volante de três raios, para-choque dianteiro inteiriço e teve a taxa de compressão reduzida para 7,5:1, possibilitando o uso da gasolina comum amarela.

O modelo 1972 das fotos é um dos últimos a serem produzidos, já com o icônico emblema salientando a presença do freio a disco, da câmara de combustão hemisférica e do câmbio de cinco marchas à frente.

Foram produzidas 3.070 unidades entre 1969 e 1972, número proporcionalmente superior ao alcançado pelo FNM 2000 JK..

Continua após a publicidade
Ficha técnica: FNM 2150 1972
Motor:  longit., 4 cil. em linha, 2.132 cm3, 2 válvulas por cilindro, comando de válvulas duplo no cabeçote, carburador de corpo duplo; 125 cv a 5.700 rpm; 18,3 mkgf a 3.900 rpm
Câmbio: manual de 5 marchas, tração traseira
Dimensões: compr., 471 cm; larg., 170 cm; alt., 145 cm; entre-eixos, 272 cm; peso, 1.360 kg
Pneus: radiais, 175 x 400

 

Publicidade