Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Chevrolet Corsa foi um sopro de modernidade entre os carros de entrada

Primeiro popular com tecnologia e design modernos, o Corsinha agradou tanto que a GM não conseguia dar conta da demanda

Por Redação Atualizado em 18 abr 2021, 11h27 - Publicado em 18 abr 2021, 11h25
Corsa Wind modelo 1997 da Chevrolet.
Marco de Bari/Quatro Rodas

Se houve uma era de ouro na GM do Brasil, ela foi a década de 90. A fartura de lançamentos em nada lembrava o ritmo anterior, de quase um projeto novo por década. Depois que o longevo e consagrado Opala deu lugar ao Omega em 1992, foi a vez de o Corsa Wind marcar em 1994 uma nova guinada da Chevrolet, agora entre os populares, segmento nascido com o Fiat Uno Mille em 1990.

Clique aqui e assine Quatro Rodas por apenas R$ 8,90 

Substituto do obsoleto Chevette Junior, o Wind (“vento” em inglês) mereceu até a capa da revista VEJA (da Editora Abril, que também publica a QUATRO RODAS) com o título “A história de um sucesso industrial”. Afinal, eram mais de 130.000 compradores em lista de espera e quem recebia o carro podia revender mais caro. 

  • Se o Chevette Junior tinha mais de 20 anos de estrada e um motor antigo que fora “encolhido”, o Wind era a segunda geração do Opel Corsa, lançada só um ano antes na Europa. O moderno design arredondado surpreendia com seu Cx de 0,35 (ante 0,45 do VW Gol), possível graças à posição transversal do motor.

    Corsa Wind modelo 1997 da Chevrolet.

    capa veja corsa
    Reprodução/Abril

    Farol e seta formavam um conjunto, algo inédito no Brasil. O banco traseiro bipartido permitia ampliar os 240 litros do porta-malas. Porta-objetos nas laterais e os apoios de copo na tampa do porta-luvas inovavam no segmento, assim como o revestimento de tecido cinza com detalhes coloridos das portas.

    Derivado de um motor 1.2 europeu e munido de injeção eletrônica monoponto, o 1.0 EFI produzia 50 cv. No teste de QUATRO RODAS de março de 1994, o Wind acelerou de 0 a 100 km/h em 19,34 segundos. “Numa ultrapassagem, torna-se necessário reduzir as marchas e cravar o pé no acelerador, calculando bem o tempo para a manobra”, dizia o texto. Culpa do baixo torque de 7,7 mkgf e das longas relações do câmbio.

    Interior do Corsa Wind modelo 1997 da Chevrolet.

    Mas o consumo urbano compensava a falta de fôlego: 13,18 km/l, o melhor registrado pela revista até então. A 80 km/h, o Corsa atingia 20 km/l. Outro destaque foi a estabilidade.

    Novidades na época para populares, os dois retrovisores de série reduziam o número de pontos cegos. Os cintos de segurança tinham até regulagem de altura. Em comparativo da edição seguinte, o Wind venceu Mille, Ford Escort Hobby e VW Gol 1000, apesar de ter o pior desempenho. Como? Economizando combustível com folga. 

    Continua após a publicidade

    Quadro de instrumentos do Corsa Wind modelo 1997 da Chevrolet.

    A carroceria com duas portas a mais veio em 1995. No ano seguinte, a sigla EFI mudou para MPFI, de injeção multiponto. Era uma primazia do Wind no segmento, o que gerou 10 cv a mais. Em teste de julho, ele alcançou 144,5 km/h e foi de 0 a 100 km/h em 18,88 segundos, superando o novo Gol 1000. Logo a Chevrolet ampliaria a linha Corsa, já disponível em versões 1.4 e 1.6. A versão Super 1.0 tinha mais equipamentos de série e câmbio com relações mais curtas.

    Bancário paulista, Everton Luiz de Souza é o segundo dono do exemplar 1997 das fotos. O carro foi comprado em 2006 com apenas 33.000 km. Hoje tem o dobro, por rodar quase que só nos fins de semana. “Ele é muito econômico, confortável, tem boa dirigibilidade e não deu problemas com manutenção”, afirma Souza.

    Motor do Corsa Wind modelo 1997 da Chevrolet.

    Em 1999, a família ganharia mais um rebento: um sedã com motor 1.0 a álcool e airbag como opcional. O papel do Wind foi assumido em 2000 pelo Celta, um projeto idealizado desde o início para ser barato.

    Com a segunda geração do Corsa, em 2002, o sedã foi rebatizado de Corsa Classic. Ironicamente, o Classic saiu de linha como um projeto antigo repaginado, exatamente o oposto do que foi o Wind no seu nascimento, um sopro de renovação num mercado tão carente de modernidade.

    E o legado do “Corsinha” segue vivo na linha da Chevrolet: a Montana usa a mesma plataforma GM 4200 do compacto de quase 30 anos atrás.

    Teste da época

    Quatro Rodas – Julho de 1996

    • Aceleração de 0 a 100 km/h
      18,88 segundos
    • Velocidade máxima
      144,5 km/h
    • Frenagem 80 km/h a 0
      29,9 m
    • Consumo
      12,99 km/l (cidade), 15,14 km/l (estrada, a 100 km/h, vazio)

    Preço

    • JUNHO DE 1996
      R$ 11.100
    • ATUALIZADO
      R$ 47.620 (IPCA-E)

    Não pode ir à banca comprar, mas não quer perder os conteúdos exclusivos da Quatro Rodas? Clique aqui e tenha o acesso digital.

    Capa Quatro Rodas 744 Abril 2021

    Continua após a publicidade
    Publicidade