Clique e assine por apenas 8,90/mês

Carro autônomo vai piorar o trânsito ao invés de melhorá-lo, prevê estudo

Eles foram pensados para resolver problemas de mobilidade, mas podem criar novas dificuldades para urbanistas e cidades do futuro

Por Paulo Campo Grande - 6 Maio 2019, 18h47
Volvo XC90
Autônomos têm a missão de por ordem no caos do trânsito Divulgação/Volvo

O senso comum diz que os carros autônomos serão a solução para os diversos problemas da mobilidade como engarrafamentos, acidentes, gastos de energia e poluição.

De acordo com um estudo da Universidade de Michigan, no entanto, pode não ser bem assim, uma vez que os benefícios dos carros autônomos devem induzir as pessoas a usar mais os veículos e assim ampliar os problemas decorrentes disso.

Mercedes-Benz Classe E
As pessoas poderão aproveitar o tempo livre para trabalhar, ouvir música, ler durante as viagens Divulgação/Mercedes-Benz

Além de gerar melhorias no fluxo do trânsito e na segurança, os carros autônomos permitirão que seus ocupantes aproveitem o tempo das viagens de diversas formas.

As pessoas poderão trabalhar, conversar, navegar na internet, assistir a filmes, ler e até dormir. E isso deve encorajar as pessoas a passar mais tempo a bordo, fazendo viagens mais longas e frequentes.

Continua após a publicidade
As fábricas estão investindo no desenvolvimento de carros autônomos Divulgação/Nissan

Segundo os especialistas americanos, pesquisas mostram que no passado ganhos de eficiência obtidos pelos combustíveis estimularam parte das pessoas a utilizar mais os carros.

Esses quilômetros adicionais acabaram por atenuar as melhorias geradas pelo avanço.

Seria como se o alargamento de uma estrada, feito com a intenção de facilitar a fluidez do tráfego, estimulasse mais pessoas a utilizarem essa estrada, anulando totalmente ou em parte os benefícios das obras.

“Tradicionalmente, o tempo gasto na direção é visto como um custo para o motorista. Mas a capacidade de buscar outras atividades em um veículo autônomo deverá reduzir consideravelmente esse ‘custo de tempo de viagem percebido”, o que provavelmente estimulará viagens adicionais”, diz a pesquisa.

Continua após a publicidade

O estudo da Universidade de Michigan menciona também as implicações ambientais do aumento das viagens.

Alguns modelos podem rodar no modo autônomo, na cidade, e controlado, na estrada Divulgação/Volkswagen

No caso dos autônomos equipados com motores à combustão, os motivos de preocupação são óbvios. Mas eles também existem em se tratando de veículos elétricos, dependendo da origem da energia utilizada.

“As viagens induzidas pelos carros autônomos representam um grande desafio para as políticas de redução do consumo de energia”, diz o professor Samuel Stopler, coautor do trabalho.

Carros autônomos se comunicam com as vias e também de outros carros Bosch/Divulgação

Mas não é só isso, porque o aumento dos carros nas ruas potencializa todos os demais problemas da mobilidade em razão da falta de espaço nas vias e da convivência dos carros com os outros tipos de transporte, bem como pedestres, ciclistas, patinadores, etc.

Continua após a publicidade

Atualmente já circulam entre nós diversos modelos com recursos de autonomia, capazes de frear sem comando em situações de emergência e de fazer manobras de estacionamento sozinhos,entre outras práticas.

Antes de ser tornarem autônomos, os veículos precisarão de acompanhamento humano Divulgação/Citroën

Segundo a SAE (Sociedade de Engenheiros da Mobilidade), a introdução dos sistemas autônomos deve ser gradual.

Para isso, a entidade fez um tabela que prevê cinco estágios que vai dos carros com simples funções como o piloto automático, mas que ainda dependem do acionamento do motorista, até a autonomia total.

Atualmente, os modelos mais sofisticados, como por exemplo um Audi A8 – que é capaz de seguir o carro da frente, manter-se na faixa de rodagem e reconhecer e frear para pedestres -, estão no terceiro nível de automação.

Continua após a publicidade
As cabines dos autônomos serão como espaços de convivência Divulgação/Volkswagen

Estima-se que, até meados dos anos 2030, os autônomos já serão uma realidade em alguns países europeus. Nesse momento, veículos autônomos e aqueles comandados por homens deverão conviver nas ruas.

A principal vantagem de estudos feitos agora, como o da Universidade de Michigan, é que os especialistas poderão se antecipar aos problemas.

Publicidade