Brasil e Colômbia firmam acordo automotivo e importação terá tarifas zeradas

Chevrolet Sail pode ser candidato ao mercado brasileiro

geral geral

geral (/)

Os governos de Brasil e Colômbia firmaram um acordo nesta semana que prevê a isenção das tarifas de importação de veículos entre os dois países. O início da validade da medida estava combinado para 2018, mas os dois presidentes acertaram a antecipação desse prazo para 2016, com a progressão gradual num período de três anos.

Assim, no ano que vem, a tarifa zero para importações entre Brasil e Colômbia valerá para um limite de 12 mil veículos. Este teto será de 25 mil veículos em 2017 e, em 2018, chegará a 50 mil veículos. A duração total do acordo será de oito anos – de 2019 em diante, sempre com teto de 50 mil carros. Caso esse limite não seja atingido, a “sobra” poderá ser adicionada ao teto do ano seguinte.

O objetivo dos dois países é ampliar a parceira comercial, tendo em vista que o Brasil é a maior economia do continente, e a Colômbia, a terceira – e, mesmo assim, apenas a sétima parceira comercial brasileira na região. No que diz respeito especificamente ao mercado automotivo, até aqui, os veículos brasileiros vendidos ao mercado colombiano são taxados em 16%.

chevrolet-sail-hatch.jpeg chevrolet-sail-hatch.jpeg

chevrolet-sail-hatch.jpeg (/)

Atualmente, o mercado colombiano tem pouco mais de 300 mil veículos vendidos ao ano (exatos 328.529 exemplares em 2014). A produção nacional é limitada, com destaque para General Motors e Renault. A marca francesa produz o Duster em sua planta na Colômbia. No caso da Chevrolet, uma opção diferente para o mercado brasileiro seria o Sail, que foi o modelo mais vendido no país no ano passado e poderia ser, futuramente, uma nova opção de entrada por aqui – apesar de sua origem ser chinesa, o carro é montado na Colômbia, com carrocerias sedã e hatch.

Curiosamente, a Mazda tinha uma planta funcional no país até poucos meses atrás, mas as atividades foram encerradas, e a marca japonesa, ausente do Brasil há 15 anos, passou a vender seus veículos na Colômbia apenas via importação.

VEJA MAIS– Acordo entre Argentina e Brasil é prorrogado– Acordo automotivo entre Brasil e México será renovado

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s