Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Guia de usados: VW Amarok tem dirigibilidade de carro de passeio

Primeira picape média projetada pela VW é conhecida por conforto e boa dirigibilidade, mas também por vários problemas mecânicos

Por Vitor Matsubara Atualizado em 11 Maio 2019, 09h19 - Publicado em 16 out 2017, 20h14
Todas as versões da Amarok têm motor a diesel Marco de Bari/Quatro Rodas

A Volkswagen sempre foi conhecida pela dirigibilidade de seus modelos: direção precisa, freios comunicativos e respostas imediatas dos comandos sempre estiveram entre suas virtudes. E não foi diferente com a Amarok.

Esqueça o rodar saltitante e barulhento dos utilitários: o conforto e a dirigibilidade da picape feita na Argentina são compatíveis com um bom automóvel de passeio.

Projetada e produzida pela VW, ela se destacou pela suavidade e silêncio do motor diesel 2.0 biturbo, com 163 cv e torque de 40,8 mkgf – que mais tarde seria um dos protagonistas do escândalo de manipulação de resultados de emissões de poluentes no mundo inteiro.

Outro destaque é a tração 4Motion, que trabalha de acordo com as condições de aderência – o motorista nunca precisa acionar a tração 4×4.

Interior tem acabamento de qualidade apenas regular e peças vindas de modelos mais baratos da VW Volkswagen/Divulgação

Estreou só na versão Highline, trazia airbag duplo, freios ABS com EBD (distribuição eletrônica de frenagem), BAS (sistema de assistência dos freios), RBS (controle de filme de água nos discos) e um ajuste específico para off-road.

Havia ainda controle de tração, rodas aro 18 polegadas, bancos de couro, ar digital bizona e câmbio manual de seis marchas.

As versões mais simples vieram logo depois: a Trendline perdeu o ar digital e o couro e recebeu rodas aro 17, mas manteve trio elétrico, piloto automático e som com CD/MP3, Bluetooth e USB.

As primeiras unidades tinham só câmbio manual Marco de Bari/Quatro Rodas

A maior crítica era a falta do câmbio automático, que veio em 2012 na versão mais cara, Highline: a caixa sequencial de oito marchas veio com 180 cv e 42,8 mkgf. Restrita a frotistas, a SE é identificada pelas rodas de 16 polegadas e ausência de cromados.

Abaixo, está a versão S, com rodas de aço, para–choques pretos e motor com apenas um turbo, de 122 cv (140 cv a partir de 2013). Fuja da rara versão 4×2, que tem baixíssima procura.

Além da leve reestilização na linha 2017, a Amarok ganhou uma nova versão topo de linha chamada Extreme.

Mesmo assim, a picape ainda tem muito a evoluir na opinião dos donos: todos os entrevistados mencionaram problemas mecânicos que minaram sua confiabilidade.

Versão Highline Extreme é a mais cara da gama Ulisses Cavalcante/Quatro Rodas

Por isso, não é raro ver a Amarok anunciada por valores abaixo da tabela: a maioria se cansou de brigar com a rede autorizada VW, quase sempre incapaz de solucionar as avarias.

Onde o bicho pega

Correia dentada

Motor 2.0 TDI sofre com problemas crônicos Marco de Bari/Quatro Rodas

Não é raro a correia romper por excesso de poeira, o que levou a VW a criar o EDK (Engine Dust Kit) para evitar a contaminação da peça. Na dúvida, peça a um mecânico que cheque a peça.

Válvula EGR

Responsável por recircular os gases de escapamento, essa válvula apresenta vazamento da água do radiador. O problema foi abordado pela seção Autodefesa e só costuma ser solucionado com a troca ou supressão do componente.

Continua após a publicidade

Filtro de partículas

O filtro DPF retém partículas de fuligem resultantes da queima do diesel. Com o passar do tempo, ele fica saturado, impedindo o bom funcionamento do motor. A regeneração do filtro de partículas deve ser feita na rede autorizada ou em oficinas com maquinário apropriado.

Freio ABS

Luz acesa no painel em geral indica falhas nos sensores de rotação das rodas, o que tambem afeta o ESP. É preciso substituir os sensores, reprogramar o sistema e apagar os códigos de avarias.

Recalls

Há três deles: um para reparar possível fissura na linha de combustível, outro para problemas de fixação das pinças de freio dianteiras e um terceiro, que envolve o deflagrador do airbag e o pré-tensionador do cinto – que aumentam o risco de lesões em caso de acidente.

A voz do dono

Nome: José Guilherme Valente Bohns Filho
Idade: 39 anos
Profissão: comerciante
Cidade: Pelotas (RS)

O que eu adoro

“De todas as picapes médias, é a melhor em tecnologia, conforto e dirigibilidade: a impressão é a de estarmos em um Jetta, tamanha a suavidade do motor e da transmissão automática.”

O que eu odeio

“A confiabilidade mecânica não existe: nem parece VW. É impossível viajar por 1.000 km em boas estradas sem receio de falha mecânica. Uma picape cara, mas que só transmite segurança para ir ao shopping.”

Nós dissemos

Compartivo de 2012 colocou Amarok diante de S10 e Ranger Christian Castanho/Quatro Rodas

Dezembro de 2012 – “Morro abaixo, é a que transmite a maior sensação de segurança, graças ao HDC, um assistente eletrônico que evita que o carro embale e dispensa o uso do freio, situação que quase sempre leva à perda de controle. Na hora de subir, no entanto, a situação se inverte e a Amarok foi a que mais sofreu para cumprir a prova.”

Preço médio dos usados (FIPE)

Modelo 2011 2012 2013 2014 2015 2016
S 4×2  62.835  65.701  69.010  –  –
S 4×4 63.706 65.703 69.020 74.185 90.228 93.223
SE 4×4 64.121 66.758 69.646 76.286 91.033 99.254
Trendline 4×4 64.972 68.578 75.184 78.154 99.208 106.365
Trendline 4×4 aut.  – 80.702 92.149 92.149 116.731
Highline 4×4 aut.  – 81.975 89.873 101.655 118.478 142.337

Preço das peças

Original Paralelo
Para-choque (dianteiro) 4.391 1.300
Farol (cada um) 1.024 700
Pastilhas de freio (par diant.) 591 195
Discos de freio (par diant.) 620 580
Amortecedores 2.258 1.500
Embreagem 1.962 1.200

Pense também em uma…

Toyota Hilux (7ª geração):

Sétima geração da Hilux tinha conforto digno de automóvel de passeio Marco de Bari/Quatro Rodas

De 2005 a 2015, foi a primeira picape de vocação urbana. Quem faz questão do diesel deve levar a versão SR (3.0 de 163 cv). Câmbio automático de quatro marchas só na SRV, com 4×4 de série. Ainda há a gasolina (2009) e a flex (2012). Seu forte é robustez, baixa manutenção e o pós-venda da Toyota.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade