Guia de Usados: Honda CR-V traz confiabilidade do Civic em corpo de SUV

Conhecido pelo alto padrão de qualidade, modelo que vinha importado do México continua sendo uma ótima opção para a família

A partir da linha 2015, o CR-V ganhou nova frente, com luzes de led

A partir da linha 2015, o CR-V ganhou nova frente, com luzes de led (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O Honda CR-V é um dos carros mais queridos pelas famílias brasileiras. Lançada em 2012, a quarta geração manteve o padrão de conforto, espaço e robustez que por algum tempo fizeram dele o importado mais vendido da categoria.

A versão mais procurada é a top EXL 4×4, que traz airbags laterais e de cortina, controle de estabilidade VSA, assistente de saída em rampas HSA, bancos de couro, ar-condicionado digital bizona, teto solar de acionamento elétrico, faróis de neblina, maçanetas cromadas e barras no teto.

Essa versão passou a ser oferecida com tração 4×2 nos modelos 2013 e 2014, mantendo o nível de equipamentos. Vale a pena ser considerada, pois além de pesar 54 kg a menos ainda dispensa a manutenção periódica exigida pelo diferencial traseiro.

Logo abaixo está a LX, sempre 4×2. Seu pacote é limitado a duplo airbag, cintos de três pontos e encostos de cabeça para todos, ar-condicionado simples, multimídia com tela de 5 polegadas e piloto automático.

Esqueça a performance: o 2.0 16V rende 155 cv e 19,5 mkgf, números modestos para seus 1.579 kg. O câmbio automático de cinco marchas não permite trocas sequenciais e o 2.0 FlexOne apresentado em 2013 não ficou mais potente.

Melhor mesmo é aproveitar o sistema Econ, que orienta o motorista a uma condução econômica por barras luminosas no painel. Ele atua na borboleta de admissão, garantindo acelerações suaves e alterando até o funcionamento do ar-condicionado. Com calma, dá para superar os 9 km/l de gasolina na cidade e 12 na estrada.

Entre os carros de quarta geração, a versão 4×4 é a mais comum do mercado

Entre os carros de quarta geração, a versão 4×4 é a mais comum do mercado (Christian Castanho/Quatro Rodas)

O acabamento interno segue o padrão Honda: simples mas com materiais de boa qualidade. Há espaço de sobra para cinco adultos e o porta-malas agrada pelos 589 litros, pelo prático rebatimento do banco traseiro e pela baixa altura do assoalho.

Reestilizada, a linha 2015 veio só na versão EXL 4×4 e LX 4×2, com luzes diurnas de led, piscas nos retrovisores e novas rodas. O console foi redimensionado, o banco traseiro ganhou saídas de ar e a central trouxe tela de 7 polegadas.

O modelo 2016 foi o último da quarta geração, apenas no EXL 4×4. A versão mais curiosa é a LX com câmbio manual de seis marchas, só na linha 2012.

A perda do conforto é compensada por um conjunto mais eficiente, de embreagem leve e engates curtos e precisos. É facilmente encontrada por preços abaixo da tabela.

Seja qual for a versão, o CR-V compartilha a robustez e confiabilidade do Civic. Sem defeitos crônicos, a manutenção é facilitada pela rede autorizada conhecida pela qualidade dos serviços e por oficinas independentes especializadas em Honda.

Onde o bicho pega

Painel Honda CR-V

Painel Honda CR-V (Divulgação/Honda)

Câmbio automático 

Cheque se a alavanca desliza facilmente pelo trilho e se o engate das marchas ocorre de maneira suave e sem trepidações. Providencie a troca do fluido se não houver registro desse serviço.

Cabeçote 

Verifique o histórico de manutenção: a folga das válvulas do motor 2.0 deve ser ajustada a cada 40.000 km sob pena de comprometer o consumo e o desempenho. As folgas incorretas também deixam o motor mais barulhento.

Tração 4×4 

Ruídos anormais em manobras são indícios de que o óleo do diferencial traseiro precisa ser substituído – a troca deve ser feita a cada 40.000 km.

Corpo de borboleta 

A presença de sujeira originada da válvula de purga do cânister compromete o tempo de resposta do acelerador e pode provocar vibrações indesejadas em marcha lenta. Simples e eficaz, a limpeza custa em torno de R$ 90.

Suspensão e freios

O ponto mais fraco da suspensão são as buchas das bandejas dianteiras, muito castigadas em nossas ruas esburacadas. O elevado peso do veículo também pede checagem dos freios.

Recalls

Foram só dois, envolvendo o insuflador do airbag do motorista (modelo 2012) e o sensor de medição do nível de combustível (modelo 2013, modelo 2014).

A voz do dono

Nome: Livia Coppola
Idade: 35 anos
Profissão: advogada
Cidade: Santo André (SP)

O que eu adoro

“Espaçoso, alto e de condução leve, o Honda CR-V é um carro confiável e muito bonito. Tem vários comandos no volante, o que é bastante prático. A reputação da marca garante também um ótimo valor de revenda.”

O que eu odeio

“Falta fôlego ao motor 2.0 16V principalmente na estrada: retomadas e ultrapassagens precisam ser bem calculadas. A tecnologia embarcada é boa, mas ainda longe de outras marcas concorrentes.”

Nós dissemos

Edição de março de 2012

Edição de março de 2012 (Reprodução Revista/Quatro Rodas)

Março de 2012:  “Ao volante, o comportamento do CR-V não mudou de uma geração para outra. A carroceria recebeu reforços, que a deixaram mais estável, mas a suspensão continua privilegiando o conforto. A direção elétrica é direta, o que resulta em respostas rápidas, esportivas, mas é também leve, de modo a favorecer uma condução relaxada.”

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Pois bem, HONDA já foi uma grande marca, hoje não esta nem ai para o pós venda, só você entrar no RECLAME AQUI e vai ver como empresa NÃO RECOMENDADA, hoje estou com um HONDA CITY com menos de 30.000km TODO ENFERRUJADO, Honda lava as mãos, 24 pontos de ferrugem, pesquise HONDA FERRUGENS no google e vai te surpreender, descaso TOTAL para com o cliente.